Olhar Direto

Quarta-feira, 19 de dezembro de 2018

Notícias / Cidades

Revista Veja denuncia Unic por fraudes no Fies; grupo Kroton seria maior beneficiário em esquemas

Da Redação - André Garcia Santana

23 Jan 2017 - 11:55

Foto: Reprodução

Revista Veja denuncia Unic por fraudes no Fies; grupo Kroton seria maior beneficiário em esquemas
Em edição veiculada no domingo (22), a revista Veja destacou uma série de fraudes no Programa de Financiamento do Ensino Superior (Fies) envolvendo principalmente o grupo educacional Kroton, ao qual pertence a Universidade de Cuiabá (Unic). A instituição, maior do Estado em âmbito privado, seria uma das beneficiadas com as irregularidades e cobranças impostas aos alunos, divididos entre os 120 campus universitários espalhados pelo Brasil.

Leia mais:
Seduc abrirá seleção para preencher 11 vagas em creches estaduais

Em Mato Grosso, além da Unic, também dependem do dinheiro federal recebido pela Kroton a Universidades Cândido Rondon (Unirondon) e Anhanguera.  A reportagem, intitulada como “Virou Farra”, cita um faturamento que chega a 2,5 bilhões e em superfaturamento do preço das mensalidades. Além disso, diversas instituições realizariam cobranças extras, além das mensalidades, que são 100% financiadas pelo programa do governo.

Confira trecho da matéria que cita irregularidades na instituição:

Com base na Lei de Aceso á informação, Veja solicitou o valor do semestre de três faculdades do grupo Kroton em 2015 e 2016. Descobriu que o primeiro semestre das faculdades tinha preços despropositado. O semestre de ingresso no curso de educação física da Universidade de Cuiabá em 2015, por exemplo, saía por astronômicos 12552 reais. Mas, curiosamente, o valor do semestre de ingresso no ano seguinte caía abruptamente para 4908 reais. O que explicaria tamanha redução? É simples.
 
Capa da edição 2514 da Revista Veja, veículada no domingo, 22 de janeiro. 
Em 2015, o Fies pediu às universidades que informassem o preço dos seus semestre de ingresso para que os alunos pudessem escolher os mais em conta. As instituições foram pegas de surpresa, com os preços nas alturas. A prosaica exigência de transparência do Fies derrubou os preços em 2016. Mas a malandragem não para por aí. Logo as instituições perceberam que o Fies estava pedindo a divulgação do valor apenas do semestre de ingresso – e não dos demais. Resultado: entrar no curso de educação física de Cuiabá custava 4908 reais, mas já no semestre seguinte o valor subiu para 7248 reais. No terceiro semestre, era de 8630 – e assim por diante.

O mesmíssimo procedimento foi observado no curso de veterinária da Faculdade de Ciências Agrárias e da Saúde, na Bahia, e no curso de odontologia da Faculdade de Macapá. Questionado o Kroton diz que houve “uma falha” no sistema do governa. Ou seja: o governo informou que os alunos pagaram 12552 reais na educação física de Cuiabá, mas, na realidade, ninguém pagou isso tudo. O curioso é que “erro” do governo foi linear – ocorreu nas três instituições do grupo consultadas pela reportagem de Veja.

Assessoria Kroton


Procurada, a assessoria da Kroton informou ao Olhar Direto que a empresa “está integralmente alinhada com o cumprimento da legislação educacional brasileira e com as regras do financiamento estudantil e ainda esclarece que é periodicamente submetida a auditorias do Ministério da Educação em relação ao FIES.”

Com relação a diferenciação dos preços das mensalidades escolares para alunos FIES e alunos não FIES, a Companhia informa que o valor do encargo educacional é exatamente o mesmo. "Conforme dispõe a legislação aplicável (ressalvado o desconto obrigatório de 5% no encargo educacional do aluno FIES para alunos ingressantes a partir de 2015), e que o valor das mensalidades, inclusive os reajustes anuais, observa os dispositivos da Lei nº 9.870/99 (“Lei de Mensalidades Escolares”)." 

Em documento divulgado nesta segunda-feira (23), o grupo elaborou uma análise realizada nas aproximadamente 16.000 turmas das instituições de ensino presencial. O material reitera "o integral cumprimento da legislação educacional brasileira e das regras do FIES", e pode ser visto na íntegra aqui

Leia a íntegra da matéria publicada na Veja. 

40 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Alexandre Silva
    20 Out 2017 às 09:15

    Entendo que há corrupção por todos os lados. Porém, não é a instituição que faz o aluno, mas o aluno é quem faz a instituição. Ficar praguejando não muda a situação. Já ficou entendido que o "panelaço" so devolve a informação de que a mídia fez seu trabalho. Guiar a massa para o matadouro. Assim, se a vida te deu um limão, faca a melhor limonada que você puder fazer e beba tudo, sem reservas. Lembre se de votar nulo na próxima eleição e se prepare para quando a bola chegar no seu pé você fazer um golaço. Isso é viver com abastança, reclamar e para os fracos.

  • Claudionor
    03 Set 2017 às 16:41

    Deve ser por esse motivo que ingressei na faculdade com mensalidade um pouco mais de R$ 1.200,00 e hoje, após 3 anos está em R$ 1.771,00.... Unic Industrial Sinop.

  • samuel
    28 Ago 2017 às 22:26

    Kroton é uma empresa corrupta, que explora os alunos, usam o MEc como fachada. É um grande cartel que está injetando alunos no mercado sem conhecimento e explorando...depois as empresas não irão querer absorver estes alunos. Por causa da baixa qualidade do ensino. Para piorar agora, estão colocando muitas disciplinas interativas. Demitindo muitos professores..não estudem nas faculdades do grupo Kroton.

  • ASMV
    25 Jan 2017 às 14:44

    Kroton uma vergonha só visam o lucro mensalidades altíssimas para o nível d ensino

  • Juliana
    24 Jan 2017 às 17:27

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • Daniel
    24 Jan 2017 às 14:44

    Não estou defendendo essa instituição, pois quis passar longe de lá, mas não entendo vocês, reclamam dos abuso por parte da unic mas não saem de lá. Por isso falo, as pessoas tem o prazer em ser exploradas só pra dizer que paga caro... Vai entender.

  • IRES
    24 Jan 2017 às 10:01

    NOS POBRES VAMOS PARA UNIVERSIDADES PAGAS E OS RICOS PARA A FEDERAL

  • Luis Willian
    24 Jan 2017 às 09:01

    Entrei em 2013/1, curso de sistemas de informação. O valor da mensalidade era de 900 reais. O curso, atualmente, está mais de 1500. E ainda, vou ter que ficar mais um ano nesse lixo, por erro deles. Essa unic é uma vergonha. E o mais incrível é que quando o aluno tem algum problema e tenta resolver o máximo que o pessoal fala é:"Não podemos fazer nada". Mas na hora de cobrar, eles são perfeitos.

  • Deuzalina
    24 Jan 2017 às 08:24

    Este é o nosso Brasil! corrupção para todos lado. Só orando muitos que corruptos seja responsabilizado pelo que fizeram a sociedade e preso!! Indignada

  • Camila
    24 Jan 2017 às 08:00

    Rafael .. conseguir vaga na Federal e sinal de competência? ? .. então os demais estudam na faculdade privada não são? !!! Se encherga rapaz, vc não sabe nao conhece a vida de ninguém moleque. . Com ctz a maioria deve acordar as 5 hr da manhã para ir trabalhar assim nao tendo tempo pra sentar me cadeias de cursinhos pra conseguir uma vaga na federal.... ao contrário de vc que com ctz deve ser um Maurícinho de merda e está aqui se aparecendo, e outra , federal? ? Um curso que vc se formaria em 4 anos vc se forma em 8 anos ?? cada uma .... mas o negocio aqui e a roubalheira da unic, só fiquei questaonde responder pra ti, em defesa dos trabalhadores e trabalhadoras que não tem opção.