Olhar Direto

Quarta-feira, 18 de outubro de 2017

Notícias / Cidades

Atleta cuiabano celebra a vida do filho e conta como foi ver o bebê ser ressuscitado

Da Redação - Fabiana Mendes

13 Ago 2017 - 10:51

Foto: Reprodução

“Eu filmava o parto e vi meu filho nascer morto”, conta o atleta do Cuiabá Arsenal Moisés Ferreira Salomão, de 33 anos.

“Eu filmava o parto e vi meu filho nascer morto”, conta o atleta do Cuiabá Arsenal Moisés Ferreira Salomão, de 33 anos.

“Eu filmava o parto e vi meu filho nascer morto”, conta o atleta do Cuiabá Arsenal Moisés Ferreira Salomão, de 33 anos que assistia o parto do filho Nicolás Moisés Ferreira em março de 2003, quando percebeu que ele estava roxo e sem vida. Após alguns minutos que os médicos permaneciam tentando reanimá-lo sem sucesso, Moisés fez uma oração e prometeu que se Deus permitisse que o filho vivesse, jamais o deixaria só. “Quando terminei essas palavras, meu filho puxou um fôlego de vida. Desabei e de joelhos agradeci”, explica.

Leia Mais:
Dia dos pais deve incrementar em até 25% demandas dos Shoppings; Sicredi alerta para consumo consciente

 
Moisés contou ao Olhar Direto que neste dia dos pais a mesa estará cheia de comida e também de agradecimento a Deus pela vida de sua família. “Apesar de que dia dos pais pra mim é todos os dias, desta vez se será especial pois estarei com meus filhos todos juntos. Mesa cheia e agradecimentos a Deus por nossas vidas e muita comilança”, explica.
 
Hoje com 13 anos, Nicolás e seu irmão caçula de nove anos Lucas Moisés Ferreira estão sempre com o pai. Moisés é cuiabano e jogador do Cuiabá Arsenal desde 2015, onde atua na linha ofensiva.  A promessa feita no dia do nascimento e cumprida até hoje. Como forma de manter este vínculo ele usa duas ferramentas: a religião e o esporte (jiu-jitsu e futebol americano).
 
Ele conta que faz de tudo para estar sempre com os filhos. “Nós frequentamos colégio dominical para estudar a bíblia, vamos aos cultos e praticamos esportes. Isso tudo ensina como lidar de forma respeitosa com as pessoas, a ser disciplinado, a se dedicar e a fazer por merecer. Desde a infância sempre estive junto. Onde eles estão eu também estou”, ressalta.
 
Os torcedores do time sempre veem os filhos com o pai. Eles participaram de todos os sete jogos da temporada 2016 do Cuiabá Arsenal. Das cinco vitórias que levaram ao título de bicampeão estadual de futebol americano e das duas vitórias pela Superliga Nacional, do campeonato brasileiro da modalidade. O pai como jogador e os filhos como apoio.
 
Moisés conta que nos Estados Unidos a grande parte dos atletas vem de escolas cristãs que procuram implantar o futebol americano para ajudar na educação. Apesar de ser pai coruja ele diz que ambos são livres em suas escolhas. “Deixo meus filhos livres para escolher. Eles decidem como se comportar. A gente nunca colhe o que não plantou. Eu tive que me esforçar muito para estar no time principal. E meus filhos fazem o mesmo. Estão junto com o time para aprender. Veem como tudo funciona, estudam e se encaixam em outras funções. Hoje eles servem para um dia serem servidos. É assim que a vida funciona. Dar para receber. Um dia vão lembrar-se disso, valorizar essa função de garoto da água e quem estiver nela”, conta.



Nícolas treina para jogar como linebacker e Lucas aprende tudo para ser quarterback. Ambos cursam o ensino fundamental e acompanham o futebol americano jogado no Brasil (Superliga) e nos EUA (NFL – National Football League). Tem o pai como super-herói e veem a prática do esporte como lazer, educação, saúde e como forma de criar laços de amizade e memórias em família. E os três dão boas risadas juntos ao relembrar das viagens, brincadeiras, vitórias e derrotas. “Sempre gostei de esporte de contato. E vi no futebol americano os caras se arrebentarem se bater e voar uns sobre os outros. Falei, vou praticar isso. Mas com o tempo vi que era diferente do que pensava. Tinha que estudar estratégias, técnicas de como se posicionar, como se mover, como dar um tackle (bater) no adversário e uma infinidade de detalhes. Hoje não tenho idade para o time principal, mas ajudo a carregar água. Planto para colher. Começar de baixo e crescer. Assim sei que quando estiver no campo alguém vai me apoiar do lado de fora”, pensa Nícolas.

5 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Gerson Pires
    13 Ago 2017 às 22:09

    Lamentável este marketing apelativo e de péssimo gosto.

  • Alexsandro
    13 Ago 2017 às 17:59

    Moisés eu entendi a sua mensagem nessa matéria. Trabalhei junto com você a 8 anos atrás e você já era amante de esportes e da Religião. Parabéns pela coragem de expor a sua vida privada e se os editores do site que são MUITOS competentes para assinar a matéria é porque tem fundamento e verdade. Deus abençoe sua família e a nossa cidade

  • Moisés Ferreira Salomão
    13 Ago 2017 às 16:37

    Esta matéria é autorizada por minha pessoa com exemplo de superação para vários pais que poderiam ter desistido no primeiro obstáculo. Valorizando os princípios da família da fé em Deus é amor amanhã capital atraves de um time de nossa cidade. Fazendo meu papel para com a socialidade e minha cidade.

  • CHARADA
    13 Ago 2017 às 14:41

    Cara quanta gente mais chata. O fato é real, aconteceu, e não merece ser contado porque ele joga em um time da capital?

  • Gerson Pires
    13 Ago 2017 às 11:20

    Favor, respeitem a história do menino e a inteligência dos leitores. Se querem fazer propaganda do Cuiabá Arsenal e de alguma religião, cobrem espaço publicitário . Consome apenas quem quiser de sã consciência, mas esta matéria é um desrespeito com o menino (com sua vida dramatizada deste jeito) e com o leitor. Que o site seja mais criterioso também.

Sitevip Internet