Olhar Direto

Sábado, 20 de janeiro de 2018

Notícias / Cidades

Secid retoma obras emergenciais na ponte Benedito de Figueiredo; prazo de 90 dias

Da Redação - Wesley Santiago

02 Jan 2018 - 16:30

Foto: Secid

Secid retoma obras emergenciais na ponte Benedito de Figueiredo; prazo de 90 dias
A Secretaria de Estado das Cidades (Secid) anunciou que, após o processo licitatório de caráter emergencial finalizado, as obras de reconstrução da cabeceira da ponte Benedito de Figueiredo, sobre o rio Coxipó, localizada entre os bairros Coophema e Praeirinho, em Cuiabá, serão reiniciadas esta semana. A escolhida foi a empresa Conenge Construção Civil LTDA, que tem um prazo de 90 dias para finalizar os trabalhos, ao custo de R$ 514,4 mil.

Leia mais:
​Prefeito decreta situação de emergência sobre erosão na cabeceira da ponte Benedito Figueiredo
 
O processo emergencial de licitação previsto na lei 8.666/93 foi possível após a Defesa Civil de Cuiabá decretar situação de emergência no local, em dezembro do ano passado. Na manhã desta terça-feira (02), o contrato e a ordem de serviço para a volta dos trabalhos foram assinados.
 
Entre os itens previstos na obra estão a estabilização da margem esquerda da cabeceira da ponte com a utilização de gabiões caixa (tipo de estrutura armada, flexível, drenante e de grande durabilidade e resistência) e o reaterro compactado da área.
 
“O governo tem urgência em reiniciá-la e devolver à sociedade o tráfego sobre essa ponte. Fizemos um processo licitatório sumário, após o decreto de emergência da prefeitura. A empresa escolhida foi a Conenge, a mesma que resolveu os problemas de alagamento na Avenida Fernando Corrêa, nas proximidades do Viaduto Jornalista Clóvis Roberto (da UFMT). Dentro de 90 dias os trabalhos serão concluídos no local”, explicou o secretário de Cidades, Wilson Santos (PSDB).
 
O caso
 
Em fevereiro de 2017, a ponte foi interditada pela primeira vez devido ao desmoronamento de parte da margem esquerda da estrutura. O problema deveu-se à mudança no curso do rio Coxipó, que corta o local. Os reparos emergenciais foram feitos pela Prefeitura Municipal de Cuiabá com base em projetos elaborados pela Secid-MT.
 
Após processo licitatório para obras que resolveriam totalmente o problema, a empresa A.I Fernandes Serviços de Engenharia iniciou os trabalhos. Terminado o prazo de 90 dias estabelecido para a conclusão total da obra, apenas 33% dos serviços foram executados, mesmo diante das notificações da equipe de fiscalização da pasta. Devido ao não cumprimento do cronograma de obra e de outras cláusulas contratuais, a secretaria rompeu o contrato com construtora unilateralmente.
 
Após o reinício do período chuvoso, novos desmoronamentos ocorreram no local. A Defesa Civil de Cuiabá decretou situação de emergência e uma nova interdição total da Benedito de Figueiredo em dezembro de 2017.
 
A empresa A.I Fernandes foi contratada ao custo de R$ 626,3 mil, porém só recebeu R$ 209 mil pelos serviços executados. Agora, a nova empresa que dará continuidade nos trabalhos, a Conenge, realizará a obra por R$ 514,4 mil.

4 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Flavio
    02 Jan 2018 às 21:27

    Isso é maior prova de incompetência administrativa e mal gasto do dinheiro público. Essa obra já apresentou problemas logo que entregaram, em 2014. De lá pra cá, tome dinheiro público para arrumar e nada.

  • luiz otavio
    02 Jan 2018 às 20:18

    209 514=723 que e maior que o contrato inicial de 626,pode isso?

  • cillmar
    02 Jan 2018 às 18:31

    Tudo isso poderia ser evitado se o respeito á população fosse a palavra de ordem ... sou morador da região , quando voltarem as aulas vai virar um verdadeiro caos a região , sendo a única alternativa o retorno na escola Maria Dimpina , creio que deveriam reavaliar a abertura , novamente , na F Correa esquina com Antonio Dorileo , afinal já existe um semáforo lá ... mas que não merecemos isso com certeza não merecemos ...

  • eleitor
    02 Jan 2018 às 18:20

    por favor governador: por favor mesmo, finalize a obra de maneira definitiva, acabe com aquela gambiarra nas cabeceiras da ponte, que foram feita provisoriamente e não mexeram mais. . . . . . faça obra definitiva . . . . . . chega de paliativos . . . um ano libera, outro ano interdita - - - -

Sitevip Internet