Olhar Direto

Segunda-feira, 20 de agosto de 2018

Notícias / Política MT

Pedro Taques assegura até R$120 milhões para construção pesada; R$ 90 mi já repassados à Sinfra

Da Redação - Ronaldo Pacheco

03 Jan 2018 - 14:34

Foto: Rogério Florentino Pereira / Olhar Direto

Pedro Taques propiciou à Sinfra injeção financeira no setor da construção pesada

Pedro Taques propiciou à Sinfra injeção financeira no setor da construção pesada

A indústria da construção pesada recebeu uma injeção de R$ 90 milhões do governo de Mato Grosso, que pode chegar R$ 120 milhões, nas próximas semanas. A determinação partiu do governador José Pedro Taques (PSDB) para o aporte á Secretaria de Estado de Infraestrutura e Logística (Sinfra), com base em estudos da equipe técnica.
 
Taques tinha prometido durante encontro com representantes do Sindicato da Construção Pesada (Sinduscon) e empresariado da Construção Pesada de Mato Grosso, no Palácio Paiaguás.  
 
Leia mais:
- Governo de MT repassa mais de R$ 2,3 bi aos municípios e Pedro Taques tem período de paz com prefeitos

- Mato Grosso tem tradição de reeleger governadores que entram na disputa; até Silval venceu no primeiro turno

O presidente do Sindicato da Construção Pesada de Mato Grosso, José Alexandre Schutze, elogiou o novo modelo de gestão implementado por Taques e seu secretariado. “Agradecemos por este novo modelo de gestão na Infraestrutura, um modelo republicano de fazer negócios, sério, transparente”, declarou Alexandre.
 
O modelo tinha sido discutido por Taques e pelo secretário Marcelo Duarte Monteiro, titular da Sinfra, com o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Eduardo Botelho (PSB), e o segundo secretário, deputado Nininho Ondanir Bortolini (PSD).
 
Taques adiantou que, além dos R$ 90 milhões já assegurados para a Sinfra, outro montante está previsto para a Secretaria de Estado de Cidades. O valor não foi divulgado. “Para o próximo ano serão R$ 850 milhões em investimentos em infraestrutura, sem contar o Fethab”, salientou o governador.
 
Botelho saudou os empresários em nome da Assembleia Legislativa e Nininho enfatizou os investimentos do Governo do Estado em Infraestrutura. “A maior bandeira do governo Pedro Taques é a infraestrutura. Todos os empresários desejavam isso. Um governo sério, honesto, que olha para a infraestrutura”, enfatizou Botelho.
 
O secretário-chefe da Casa Civil, deputado Max Russi (PSB), lembrou que 2017 foi um ano de dificuldades financeiras e que vencê-las foi um desafio hercúleo.
 
“O governador se empenhou para conseguirmos o recurso da Conab, em Brasília. A folha de pagamento subiu mais de R$ 2 bilhões [em 2017] por cumprirmos leis deixadas pelo governo passado, que preveem aumentos até 2022. Se o governador não tivesse convocado por concurso pessoal na área de segurança pública, Mato Grosso sofreria o mesmo caos por que passam outros Estados”, detalhou Russi.
 
Já o ex-secretário de Fazenda, Gustavo de Oliveira, que permanece em dois conselhos estaduais, prometeu trabalhar duro para mudar a realidade da arrecadação de um Estado rico como Mato Grosso. Segundo ele, o que entra no caixa não pode ser praticamente tudo destinado ao pagamento de folha salarial e previdência. Além de atuar nos conselhos, um deles da MT Parcerias S.A, MT PAR, Gustavo de Oliveira retorna à Federação das Indústrias do Estado de Mato Grosso e, neste sentido, também atuará ao lado do Estado.
 
Deixando a Procuradoria Geral do Estado rumo à Secretaria de Estado de Fazenda, Robério Gallo frisou que é inédito um procurador de Estado de carreira assumir a pasta da Fazenda. “Isto mostra que esta é uma gestão republicana. Para mim é uma honra cuidar dos recursos”.
 
Filho de servidores públicos de Mirassol D´Oeste, Galo aproveitou para elogiar o antecessor. “Em um ano difícil, árido, o Gustavo foi um titã. Foram pagas 13 folhas salariais dentro do ano trabalhado. Concordo com o Gustavo que não se pode usar tudo o que foi arrecadado com folha salarial e previdência”.
 
Ele considerou louvável a aprovação da PEC do Teto em segunda votação pela Assembleia Legislativa para propiciar a injeção de investimentos com recursos do Tesouro Estadual. Também será possível com a PEC, segundo ele, quitar os restos a pagar. “Vivemos num Estado rico e vamos viabilizá-lo. Temos o compromisso de não aumentar a carga tributária de quem paga em dia”, concluiu.
 
Além de Marcelo Duarte, também participaram do encontro os secretários  Carlos Avalone Júnior, de Desenvolvimento Econômico (Sedec); e Wilson Santos, das Cidades (Secid). 

16 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Marciano
    04 Jan 2018 às 12:19

    Um governo que criticou a corrupção do governo anterior, mas teve o coordenador de campanha preso por desvios de mais de 50 milhões. Criticou a gestão anterior pelo aumento do gasto corrente, mas contratou mais de 5 mil servidores para a Segurança Pública, inviabilizando o Estado.

  • Júlio
    04 Jan 2018 às 12:18

    Paulo Taques e Fávaro serão os grandes responsáveis pela derrota de Pedro Taques, pois não orientaram bem o governador que mesmo em crise contratou mais de 5 mil servidores em concurso para a polícia militar, civil e bombeiro comprometendo os limites da LRF e impossibilitando o pagamento da RGA.

  • Victor
    04 Jan 2018 às 12:17

    Taques deve sair candidato pelo PPS, juntamente com seus secretários. Estará isolado e abandonado, como fez em todo o seu governo

  • Davi
    04 Jan 2018 às 12:16

    Como militante do PSDB vejo que os diretórios municipais precisam ser consultados sobre os rumos do partido. Do meu ponto de vista a reeleição do Taques com esse nível de rejeição popular e política se mostra inviável. O mais adequado seria indicar o vice do Mauro Mendes, que poderia ser o prefeito de Cáceres Francis do PSDB (que atrai voto da região Oeste) e o Leitão ao senado. Até os candidatos a deputado do PSDB seriam beneficiados em termos de votação porque é evidente que a rejeição ao governador trás um grande desgaste.

  • Francis
    04 Jan 2018 às 12:14

    Atraso nos repasses dos municípios, atrasos na Saúde, atrasos de salários, denúncia de caixa 2 (declaração do Alan Malouf). Este governo só falta acabar, o que vai acontecer nas eleições de 2018.

  • Maria
    04 Jan 2018 às 12:13

    Ano do governador tomar mais empréstimos e realizar mais concursos pra acabar de vez com MT. Ano do eleitor tirar esse péssimo governador.

  • Geraldo Ponciano Machado Borges
    04 Jan 2018 às 09:57

    Vou refazer meu comentário : Tudo está sendo feito como sempre foi feito em todos os Estados do Brasil: época de reeleição, libera-se recursos para muitas obras pesadas e garante-se "estrutura" para a campanha. Eu não disse nada que já não tenha sido exaustivamente publicado.

  • Juca
    04 Jan 2018 às 08:40

    Vamos lá governador, trabalhe para mostrar aos 60% dos servidores que não gostam de trabalhar, que o Mato Grosso tem jeito, o que precisa é trabalho. Os 40% dos servidores que trabalham, mais a iniciativa privada e sua boa administração estão tirando nosso estado do buraco que o governo passado enfiou!

  • Alex
    03 Jan 2018 às 21:42

    Seria ótimo e fosse verdade. O Governador reuniu os empresários e fez essa promessa dos 90M. Mentira, mandou só 10M pra Sinfra, que foram pagos para as construtoras no dia 28/12. O resto é conversa fiada.

  • Jonas
    03 Jan 2018 às 21:39

    Dinheiro pra campanha os deputados tudo enlouquecidos... vai ter doação a uffaaa

Sitevip Internet