Olhar Direto

Notícias / Cidades

Concurso para delegado segue "travado" e à espera de defesa do Cebraspe

Da Redação - Wesley Santiago

12 Jan 2018 - 18:28

Foto: Politec

Concurso para delegado segue
O imbróglio envolvendo uma possível fraude no concurso para delegado da Polícia Civil continua. O titular da Gerência de Combate do Crime Organizado (GCCO), delegado Diogo Santana, informou que aguarda ainda a defesa do Centro Brasileiro de Pesquisa em Avaliação e Seleção e de Promoção de Eventos (Cebraspe) para finalizar o inquérito. A reportagem apurou que uma reunião teria sido realizada nesta sexta-feira (12), com membros do Ministério Público Estadual (MPE), da Polícia Judiciária Civil (PJC), Ordem dos Advogados de Mato Grosso (OAB), entre outros órgãos, para discutir a validade do certame.

Leia mais:
Perícia confirma violação de envelopes do concurso para delegado; criminosos tentaram colar lacre
 
Segundo o delegado Diogo Santana, o concurso foi suspenso por prazo determinado, para que o Cebraspe apresentasse documentação comprovando a idoneidade do certame: “Só estávamos dependendo disso pra finalizar o inquérito. Creio que até a próxima semana, já estará relatado e encaminhado ao Ministério Público”.
 
A assessoria de imprensa da Polícia Judiciária Civil (PJC) informou ao Olhar Direto que ainda não há nenhum posicionamento sobre o que acontecerá com o concurso. Até a semana que vem, o laudo do Cebraspe deverá ser entregue, já que o prazo pedido pela empresa era de 30 dias. Uma nova reunião deverá acontecer entre os órgãos e quem se posicionará sobre a continuidade ou não é o MPE.
 
Por enquanto, a nova reunião é aguardada para a semana que vem. Como o promotor Ezequiel Borges, da 6ª Promotoria de Justiça de Defesa da Cidadania e do Consumidor de Cuiabá, deve analisar todo o material, ainda serão necessários alguns dias uma decisão. A assessoria de imprensa da Secretaria de Gestão (Seges) disse que os membros da comissão que acompanha o caso estão de recesso e que não foi informada do encontro.
 
Fontes ouvidas pelo Olhar Direto e que tiveram acesso à reunião disseram que as partes teriam concordado durante a reunião que a tendência é que o concurso tenha continuidade, já que não teria sido comprovada a fraude. Caso isto se confirme, o edital deverá ser publicado na próxima semana. O que não foi confirmado oficialmente.
 
Já a assessoria de imprensa do Ministério Público Estadual (MPE) informou à reportagem que não foi abordado nada sobre o concurso durante reunião nesta sexta-feira. Por enquanto, novidades concretas sobre o caso devem começar a surgir apenas na próxima semana.
 
Violação de envelopes
 
O laudo feito pela Perícia Oficial e Identificação Técnica (Politec) comprovou que o envelope em que estavam as provas do concurso para delegado substituto da Polícia Civil de Mato Grosso teve o seu lacre rompido, antes da aplicação do exame. O certame aconteceu no dia 08 de outubro. Ao todo, mais de 13 mil pessoas participaram.
 
O documento é assinado pelo perito Flávio Yuudi Kubota e tem 28 páginas. Para determinar que houve violação, o envelope foi confrontado com outro, que estava intacto. "Como padrões de confrontos, foram utilizados 10 envelopes de segurança, sendo cinco do tipo opaco (externo) e cinco do tipo transparente (interno), os mesmos envelopes utilizados no concurso citado anteriormente, e, ainda, cinco etiquetas de segurança, ambos fornecidos pela Gerência de Combate ao Crime Organizado".
 
O concurso para delegado da Polícia Civil foi suspenso por 60 dias, até a conclusão do inquérito policial presidido pela Gerência de Combate do Crime Organizado (GCCO) e o inquérito civil do Ministério Público Estadual (MPE), que apuram suspeita de violação dos lacres de envelopes contendo provas.
 
Em nota, o Centro Brasileiro de Pesquisa em Avaliação e Seleção  e de Promoção de Eventos (Cebraspe), responsável por aplicar a prova, afirma "que todo envelope de prova é acondicionado em malotes, fechados com lacre de aço e cuja inviolabilidade foi atestada por candidatos presentes ao local de aplicação. A inviolabilidade do malote assegura a integridade dos envelopes de prova que estavam em seu interior".
 
Além disto, ressalta que "nenhum envelope de prova foi violado, o que garante a lisura de todo o processo. O Centro está colaborando com as investigações e com o Ministério Público, e aguarda o fim das apurações para que tudo seja esclarecido".
 
Concurso
 
Conforme noticiado pelo Olhar Direto, candidatos pediram a anulação do concurso, alegando fraude na aplicação das provas. Uma das principais irregularidades denunciadas foi quanto ao vazamento de fotos da folha de respostas da prova. O concurso estava marcado para as 15h, no entanto, por volta das 14h diversas imagens do gabarito já circulavam em grupos de whatsapp. O uso de aparelhos eletrônicos no local das provas era proibido.
 
Em um dos locais onde a prova deveria ser aplicada, um delegado precisou entrar na sala para acalmar os ânimos dos candidatos que causaram tumulto após perceber que os pacotes haviam sido abertos. Ele alegou que o erro teria sido ocasionado pela gráfica responsável pela impressão das provas, mas que tal fato não implicaria no andamento do concurso.
 
No total, mais de 13 mil candidatos estavam inscritos no concurso, cujo salário inicial era de R$ 19.316,49 com jornada de trabalho de 40 horas semanais.

Colaborou Arthur Santos da Silva.

8 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • vinicius
    22 Jan 2018 às 17:43

    Duvido que se mantenha esse certame. Ato contendo ilegalidades é ato nulo. Mas, aguardar pra ver . É Brasil!

  • vinicius
    22 Jan 2018 às 17:43

    Duvido que se mantenha esse certame. Ato contendo ilegalidades é ato nulo. Mas, aguardar pra ver . É Brasil!

  • João da Silva
    16 Jan 2018 às 17:29

    Uai.aprovado , sem mími já começando errado , eu gostaria de saber por que existe Politec,MP, principalmente politec , que foi atestado que fez laudo oficial , isso da fraqueza tremenda a politec que é órgão oficial do Estado ..Eu como advogado passo a não acreditar em laudo oficial da perícia ...só isso. ..digo mais não fiz concurso para delegado !!

  • Aprovado
    14 Jan 2018 às 18:19

    Sem mimimi, reprovados. Os inquéritos já mostraram que não há fraude alguma. Parem de chorar e busquem estudar mais. Bjs!

  • Estudante
    13 Jan 2018 às 08:20

    CEBRASPE: GO Delgado FRAUDE MA Delegado EDITAL COM O PROGRAMA CIRCULANDO ANTES DA PUBLICAÇÃO oficial PB, CONCURSO DO TCE EDITAL COM PROGRAMA CIRCULANDO ANTES DA PUBLICAÇÃO. No concurso de de delegado de MT, questões anuladas com erros grosseiros, primários, dignos de amadorismo, mas que não seriam cometidos nem por um aluno de primeiro ano do curso de direito se fosse colocado para elaborar questões com amplo acesso à legislação e à jurisprudência. Tem erros que até mesmo um copia e cola do word evitaria. Sabe aquela cosia que parece ter sido feita na correria, no improviso, sem a mínima atenção? É ESSA PROVA DE DELEGADO DE MT, DE 80 QUESTÕES, 11, OU 13,75% DA PROVA ESTÁ GROSSEIRAMENTE ERRADO.

  • Elvis
    12 Jan 2018 às 21:00

    Vergonha!!!

  • Eliana Alencar
    12 Jan 2018 às 20:12

    Até que enfim estão noticiando sobre a conduta desta instituição. Como nosso governo foi aceitar uma empresa não idônea para assumir esse concurso? !!!!!! Já havia sido evidenciado esquema de fraude no concurso de Goiás, mesmo assim mantiveram o certame!!!! Essa CEBRASPE está envolvida em várias situações de esquemas e fraudes. É problema atrás de problema! Muitas pessoas se dedicam para estudar e se preparar, investem na inscrição e gastos com passagens para quê? !!!! Ser feito de idiota por bandidos?? Que o MP faça a parte dele e continue com rigor a conduzir esse caso.

  • Fábio
    12 Jan 2018 às 19:55

    E quem pagou caro pelo gabarito? Como fica a segurança jurídica? Kkkkk

Sitevip Internet