Olhar Direto

Sexta-feira, 22 de fevereiro de 2019

Notícias / Cidades

Conselho Federal interditou registro de médico; procedimento em bancária custou R$ 20 mil

Da Redação - Fabiana Mendes

17 Jul 2018 - 12:05

Foto: Reprodução / Facebook

Conselho Federal interditou registro de médico; procedimento em bancária custou R$ 20 mil
O Conselho Federal de Medicina (CFM) informou na manhã de hoje, 17, que Denis Cesar Barros Furtado, que fez o procedimento estético no glúteo na gerente bancária Lilian Calixto, 46 anos, que faleceu na madrugada do último domingo (15), no Rio de Janeiro, responde a processo ético-profissional no âmbito do CRM no Distrito Federal . Em março de 2016, ele foi alvo de uma interdição cautelar para o exercício da profissão, a qual foi suspensa três meses depois pela Justiça, em Brasília.

Ele e sua mãe, Maria de Fátima Barros, são foragidos da Polícia do Rio de Janeiro e respondem a crime de homicídio da bancária. A  namorada do médico, que  está presa na 16º Delegacia da Barra da Tijuca, Renata Fernandes Cirne, afirmou que o procedimento custava R$ 20 mil. Renata ajudou na realização do procedimento, assim como levou Lílian para um hospital, onde ela morreu.

Leia mais: 
Velório de gerente que morreu após procedimento no glúteo acontece nesta terça-feira

Renata fez um curso de técnica de enfermagem em São Paulo, e não concluiu. À polícia, ela afirmou que atuava na clínica de Denis como secretária.
 
A delegada Adriana Belém, titular da 16ª Delegacia da Polícia Civil, contou que Renata ajudou Denis a levar Lilian da cobertura dele para o hospital, mas quando soube que ela teria ido a óbito, sumiu.
 
Renata, Denis, e a mãe do médico, Maria de Fátima Barros, de 66 anos, também médica, mas teve o CRM cassado, e a técnica de enfermagem Rosilane Pereira da Silva, de 24, que a polícia afirma ter participado do procedimento de Lilian, foram indiciados por homicídio qualificado e associação criminosa. Além de auxiliar Denis, Rosilane também trabalhava como empregada doméstica para ele, segundo informações repassadas pela Polícia.

Relembre o caso
 
Lilian saiu de Cuiabá, na última semana para fazer um procedimento estético nos glúteos, com aplicação de PMMA. Após o procedimento ela sofreu complicações  vindo a óbito por embolia pulmonar no dia seguinte. A mulher teria agendado o procedimento em Brasília, mas foi comunicada que o processo seria, então, realizado no Rio de Janeiro.
 
O procedimento teria sido realizado na cobertura do médico, em um apartamento na capital fluminense. Na segunda-feira (16), policiais da 16ª Delegacia da Barra da Tijuca, responsável pelo caso estiveram no local (apartamento) onde apreenderam produtos e cadernos com anotações. A cena do procedimento foi alvo de peritos criminais.
 
O Conselho Regional de Medicina (Cremerj) abriu procedimento para apurar o caso. Famoso nas redes sociais, o médico possui mais de 600 mil seguidores e ofertava procedimentos de estética no Rio, em São Paulo e em Brasília. Nas redes sociais, ele é conhecido como 'Doutor Bumbum', em alusão aos procedimentos que realizava.
 
Lilian foi gerente do antigo HSBC e estava, agora, à frente das contas do banco Bradesco. Natural de Barra do Bugres, ela era muito conhecida na capital. Ela deixa dois filhos. Um rapaz de 25 anos, e uma menina de 13, além do marido.
 
(Com informações do Extra)
 
 

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Sitevip Internet