Olhar Direto

Quinta-feira, 18 de outubro de 2018

Notícias / Cidades

Polícia descarta sequestro de crianças para rituais de magia negra em Cuiabá

Da Redação - Fabiana Mendes

06 Out 2018 - 08:22

Foto: Ilustração / Internet

Polícia descarta sequestro de crianças para rituais de magia negra em Cuiabá
Um boato que se espalhou nas últimas semanas pela baixada cuiabana e outros municípios de Mato Grosso está deixando pais apavorados. As informações que circulam nas redes sociais apontam que homens e mulheres, aparentemente bem vestidos, em um carro branco, estariam sequestrando crianças para rituais de magia negra. A Polícia Civil, no entanto, descartou o fato e afirmou que não consta nenhum registro sobre rapto em Cuiabá e Várzea Grande. Os boatos também estariam circulando nos municípios de Vila Rica e Confresa, mas a PM também desmentiu as informações que estariam sendo compartilhadas.

Leia mais: 
Mãe e amiga podem ter matado criança em ritual de magia negra

Em uma das mensagens compartilhadas nas redes sociais, uma mulher afirma que um homem tentou raptar um menino no Bairro Jardim Vitória, região norte de Cuiabá. O post também diz que uma segunda pessoa conseguiu ver a situação e ajudar o garoto. Porém, não há registro da Polícia Civil sobre a tentativa de sequestro. 
 
Outra publicação aponta que no bairro Jardim Florianópolis, duas mulheres em uma carro branco, se aproveitavam de algumas situações para pedir informações e na oportunidade, raptava crianças para rituais de magia negra. A mesma publicação também aponta um homem, em um carro preto, que estaria nas proximidades das escolas para também raptar crianças.
 
A Delegacia Especializada de Defesa da Criança e Adolescente de Cuiabá (Deddica) realizou verificação preliminar e monitoramento junto ao Centro Integrado de Operações e Segurança Pública (Ciosp), e outras unidades policiais, para apurar a veracidade de informações que circulam em redes sociais sobre captura de crianças no bairro Jardim Florianópolis para rituais de magia negra. A Polícia Civil, afirmou que até o momento não consta qualquer registro oficial dessa natureza na região metropolitana.
 
Boatos
 
Ainda não se sabe a origem dos boatos, mas em 2015, a operadora de caixa, Francineide Freitas Leal, que morava em Várzea Grande, se mudou depois que montagens compartilhadas em redes sociais acusavam ela e o ex-marido de sequestrar e traficar crianças.

Francineide já recebeu ameaças pela internet e chegou a cortar o cabelo para não ser reconhecida nas ruas de Cuiabá, o que não adiantou. "Recebo ameaças nas redes sociais. É sempre algo como: 'Vou te mostrar como é tirar o órgão de uma criança, vou fazer a mesma coisa com você. Se eu te pegar vou te matar'", contou na época, ao G1/MT.

Para combater os boatos, Francineide acionou a polícia. "Essa pessoa tem que pagar, porque essa pessoa ajudou a destruir a minha vida naquele momento”, afirmou. De acordo com a Polícia Civil, é difícil descobrir a fonte exata do boato.

8 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Edson
    07 Out 2018 às 10:11

    Bom dia No mês de setembro,outubro muitas pessoas costumam doar nos bairros doces e brinquedos,principalmente adeptos das religiões de base africana, e também é sabido da intolerância religiosa por parte de alguns neopentecostal, só pensar um pouco, já repararam que todos os anos por estas ocasião sempre tem estes boatos?

  • Valda
    06 Out 2018 às 16:47

    Aqui na região do Osmar Cabral também teve um caso parecido com esse ainda falaram que pegou a criança do colo da mãe.

  • Luiz
    06 Out 2018 às 16:46

    Minha sobrinha e minha irmã me disseram que só esse ano já são 3 meninas que sumiram da região do CPA, no colégio Ana Maria do Couto, já trabalhei no colégio Orzina, no Jardim Vitória, some sim, tem gente raptando e estuprando, quando não batem neles, nem tudo é boato...

  • Leitora
    06 Out 2018 às 15:29

    gente, vcs que ficam afirmando que conhecem fulano que teve a criança roubada.... Porque a família não registra boletim de ocorrência ao invés de ficar mandando áudio no whatsapp??? Se não tem registro, a polícia não investiga. Acordem.......

  • Maria
    06 Out 2018 às 14:57

    Tem mãe que pare para receber bolsa família, mas põe a D.Rua pra cuidar

  • Jânio
    06 Out 2018 às 12:44

    Se for realmente notícia falsa, ótimo mas como país não podemos facilitar um segundo,pq o mal existe, e está a solta por aí.

  • Gumercindo do Dom Aquino
    06 Out 2018 às 10:14

    Pelo menos essa boataria serviu para que os pais ou os responsáveis fiquem atentos. Vejo país bebendo nos botecos da vida e nem se tocar que os seus filhos os estão esperando para um passeio. Ser pai é conviver com os filhos e o tempo de folga deve ser compartilhado com eles. Dê tudo a seus filhos ou melhor lhes dê o seu tempo. Pensem nisso. Ainda dá tempo.

  • Mulher ma
    06 Out 2018 às 09:38

    Boato ou não Não descuido dos meus filhos sempre levo e busco.