Olhar Direto

Segunda-feira, 21 de agosto de 2017

Notícias / Cidades

Volta de xavantes à reserva Suiá-Missu pode gerar conflito

De Barra do Garças - Ronaldo Couto/Especial para o Olhar Direto

11 Nov 2009 - 15:04

A volta dos índios para a reserva Suiá-Missu, que pode ocorrer caso a Justiça Federal julgue procedente ação de reintegração de posse impetrada pela Fundação Nacional do Índio (Funai), poderá resultar em derramamento de sangue, no entorno daquela reserva, localizada entre os municípios de São Félix do Araguaia e Alto Boa Bista, em Mato Grosso.

O julgamento da ação de reintegração deverá ocorrer no próximo dia 16, no Tribunal Regional Federal (TRF). A ação foi ajuizada pela Funai baseada em laudos antropológicos segundo os quais os índios xavantes eram donos da área denominada Maraiwat’sede, em língua xavante.

Todavia, contam os antropólogos que os xavantes se tornaram nômades mudando-se da gleba, que se tornou uma terra cobiçada no Baixo Araguaia. Só que hoje a situação é outra, cerca de 3 mil pessoas moram no distrito Estrela do Araguaia criado pelo posseiros com escola, posto de gasolina, delegacia e destacamento da Polícia Militar.

O cantor e jornalista Calixto Guimarães, secretário da Associação dos Produtores da Gleba Suiá-Missu, disse que os posseiros estão dispostos a tudo para permanecer na área e, por isso, teme que haja derramamento de sangue caso eles sejam retirados da área. “Nós estamos preparando uma caravana com seis ônibus para assistir ao julgamento em Brasília”, completou.

Calixto afirmou ainda que os trabalhadores já levaram uma proposta ao governador Blairo Maggi na tentativa de manter os posseiros na gleba e assentar os índios em outra área de 230 mil hectares, no município de Novo São Antonio, às margens dos rios das Mortes e Araguaia.

“O governador nos apoia nessa proposta. O problema aqui são os ecoverdes que ficam buzinando, fazendo a cabeça dos índios e prejudicando a negociação”, destacou. Pela proposta, os índios que estão esparramados pelo Araguaia seriam recrutados novamente para ocupar uma área de 100 km onde eles reivindicam.

Calixto lembrou que, devido ao impasse sobre a área, o governo federal está inclusive mudando até o trajeto do asfalto da BR-58, prejudicando o distrito fundado pelos posseiros. “Essa mudança encarece o asfalto e prejudica várias fazendas da região”, destacou.

Um conflito já esteve próximo de acontecer porque os índios estão ali perto aguardando a definição judicial para ingressar na área. Por diversas vezes, a polícia foi solicitada para evitar confronto entre índios e posseiros na Suiá-Missu. “Dependendo do que for decidido em Brasília, pode haver uma verdadeira guerra no Baixo Araguaia”, presume.

Os posseiros conseguiram apoio dos prefeitos Aldecides Milhomem, de Alto Boa Vista; e de Filemon Limoeiro, de São Félix do Araguaia, que estão viabilizando transporte para que o povo possa assistir ao julgamento em Brasília.

No distrito de Estrela do Araguaia, localizado na gleba, existem até dois vereadores eleitos pelo município de Alto Boa Vista, e subprefeito nomeado. Calixto diz que os laudos apresentados pela Funai para respaldar a ação são falsos e não correspondem à verdade sobre a presença de índios xavantes no passado naquela região.

Ele frisou que os posseiros entraram na área em 1992 e acredita que o mais prudente seja a manutenção dos posseiros lá e a escolha de outra área para os indígenas.

A fazenda Suiá-Missu na década de 80, pertencia à empresa italiana Agip Petróleo, que tinha como acionista o Vaticano. Por essa razão, existem comentários de que a área pertencia à Igreja Católica, que teria doado a área para os índios, informação que é repudiada pelos posseiros, que entraram na área na década de 90.

15 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Balbino dos Santos
    02 Dez 2010 às 20:21

    O assunto é outro, mas preciso falar com o senhor Naves Jose Bispo, o assunto é simples, o mesmo é confrontante em um imóvel em hidrolândia e fui nomeado para defendê-lo, vez que não fora encontrado no endereço indicado no CRI de hidroLãndia, assim se alguém o conhecer gostaria de ter uma ideia com ele, emu e-mail é balbinoadv@hotmail.com - é URGENTE. E em relação aos Indios, este pais está de cabeça para baixo, exiem igualdade enquanto se dá direitos diferentes para iguais, cotas diferentes para iguais, saude diferente para iguais e educação diferente para iguais, Vejo que os indios, cablocos, negros e brancos além dos amarelos, ruivos, vermelhos, morenos e albinos são iguais e ninguém mas ninguem mesmo está acima da lei, nem mesmo quem fez a lei. Obrigado. Balbino

  • naves jose bispo
    12 Set 2010 às 23:27

    ja fiz varios comentarios postados anteriormente,mas eis que surge fato novo,informaçao relevante.sabem o laudo antropologico no qual se baseou os acomodados julgadores que nao quiseram sair de seus gabinetes para uma visita in loco,pos bem estes FORAM FEITOS POR UMA DOUTORA COM TESE DE DOUTORADO EXATAMENTE SOBRE OS INDIOS XAVANTES"DETALHE RELEVANTE EH A RELAÇAO INCESTUOSA DESTA PROFISSIONAL QUE DEVERIA SER ISENTA COM AS NAÇOES XAVANTES,TENDO A MESMA INCLUSIVE DIVIDAS DE FAVORES AOS BENEFICIADOS POR RESPECTIVO LAUDO,que o diga dr luis alfredo

  • naves jose bispo
    18 Jul 2010 às 23:10

    querida ana paula,voce se contenta com a parte superficial da historia,sugiro que aprofunde mais nos estudos antropologicos serios e nao tendenciosos que versam sobre tal assunto,procure saber o que foi e o que eh a suia,ariosto riva,d pedro ,procure saber as dimensoes territoriais a que nos referimos,eh muito grotesco confundir areas que estao quase 100 km dos fatos ocorridos serem usadas equivocadamente.100 km eh uma dimensao maior que muitos paises ,pois isto sim eh a causa toda celeuma,veja se antropologicamente os posseiros trabalhadores sao menos nativos,nao o sao e de fato demosntram muito maior apreço e dedicacao aa terra tupiniquim que os aculturados da funai,estes sim a muito deixaram suas raizes,se faz necessario que a funai crie eventos para eles lembrarem comodamente de quem sao,a dezenas de anos atraz ja se perdera a identidade cultaral,e eu e os demais que ali estamos nao podemos pagar o pato,corra atraz dos irmaos villas boas,eles sim fizeram contato ,e os deixaram para la,a funai eh um grande cabide de empregos,e precisa se sustentar q qualquer preço ,nao tendo ao longo da anos de alto consumo de verbas publicas mostrado a que veio

  • MANOEL R. ALVES DE LACERDA JUNIOR
    12 Mai 2010 às 14:46

    Nos vivemos em uma democracia infelismente, e com isso todos se acham no direito de invadir, destruir e deturpar. Se a terra é indigna, que seja feita a justiça que faça desapropriação, mas nao podemos esquecer que tambem existem familias de colonos, posseiros, pequenos fazendeiros e até mesmo grandes fazendeiros, essas pessoas se não todos mas a grande maioria, vendeu o que tinha em busca de um sonho e procurou alento naquelas terras, todas essas pessoas e eu posso falar com toda segurança mais de 4.000 pessoas estao ali trabalhando, plantando, colhendo fazendo aquela terra produzir. Muitas pessoas dao pitaco sem nem mesmo ter passado naquela regiao nao conhecem a realidade daquelas pessoas que vivem ali e a realidade dos indios, estao apenas em busca de fuzaca, temos sim que protestar pois se há uma coisa errada ha sim é o fato de todos os governates estarem vendo tudo isso e nao tomarem uma atitude. Que seja tomado uma atitude, jamais abaixo aos indios ou mesmo a miséria de quem está ali produzindo, temos que pensar se nao há uma outra possibilidade para solucionar esse conflito, pois se realmente indio vive da caça e da pesca ha sim algo errado nisso pois verdaderamente nesta regiao nao ha mata e nem rios quanto o necessario para tanta confusao. A nossa CF dispoe que todos sao iguais perante a lei mais infelismente pessoas de ma fé estao deturpando a lei para beneficiar os indios, imagine a pessoa que trabalhou a vida toda e vé esse trabalho indo por agua a baixo, essa pessoa enlouquece, podendo até matar ou morrer por isso, pense vc no lugar de todas essas pessoas terra há aos montes podendo os indios serem intalados em outros lugares pois os mesmos nao vao criar gado, plantar grandes lavoura, desmatar,. Os indios vivem de uma cultura de subsistencia sem falar no custeio do governo federal, eles nao tem tanto a perder quanto aos colonos ja intalados nesses lugares. LEIA E REFLITA SEM EXTREMISMOS.GRATO!

  • MANOEL R. ALVES DE LACERDA JUNIOR
    12 Mai 2010 às 14:43

    Nos vivemos em uma democracia infelismente, e com isso todos se acham no direito de invadir, destruir e deturpar. Se a terra é indigna, que seja feita a justiça que faça desapropriação, mas nao podemos esquecer que tambem existem familias de colonos, posseiros, pequenos fazendeiros e até mesmo grandes fazendeiros, essas pessoas se não todos mas a grande maioria, vendeu o que tinha em busca de um sonho e procurou alento naquelas terras, todas essas pessoas e eu posso falar com toda segurança mais de 4.000 pessoas estao ali trabalhando, plantando, colhendo fazendo aquela terra produzir. Muitas pessoas dao pitaco sem nem mesmo ter passado naquela regiao nao conhecem a realidade daquelas pessoas que vivem ali e a realidade dos indios, estao apenas em busca de fuzaca, temos sim que protestar pois se há uma coisa errada ha sim é o fato de todos os governates estarem vendo tudo isso e nao tomarem uma atitude. Que seja tomado uma atitude, jamais abaixo aos indios ou mesmo a miséria de quem está ali produzindo, temos que pensar se nao há uma outra possibilidade para solucionar esse conflito, pois se realmente indio vive da caça e da pesca ha sim algo errado nisso pois verdaderamente nesta regiao nao ha mata e nem rios quanto o necessario para tanta confusao. A nossa CF dispoe que todos sao iguais perante a lei mais infelismente pessoas de ma fé estao deturpando a lei para beneficiar os indios, imagine a pessoa que trabalhou a vida toda e vé esse trabalho indo por agua a baixo, essa pessoa enlouquece, podendo até matar ou morrer por isso, pense vc no lugar de todas essas pessoas terra há aos montes podendo os indios serem intalados em outros lugares pois os mesmos nao vao criar gado, plantar grandes lavoura, desmatar,. Os indios vivem de uma cultura de subsistencia sem falar no custeio do governo federal, eles nao tem tanto a perder quanto aos colonos ja intalados nesses lugares. LEIA E REFLITA SEM EXTREMISMOS.GRATO!

  • naves jose bispo
    23 Nov 2009 às 22:22

    sou desta area,sou trabalhador ,nao sou invasor,e sim posseiro o que eh muito diferente,sou membro da terceira geracao desta terra,sempre trabalhando.sem emprestimos ou ajuda dos governos federal,estadual e municipal.tenho cinquenta anos,e nao falo por ouvir falar,estive aqui o tempo todo,e so vi os xavantes depois de 2003,hoje fala se que nao voltaram pois foram impedidos,ora bolas impedidos de voltar de onde,por quem,mostre pelo menos um relato da tentativa de volta destes tutelados da funai,nunca tentaram voltar,estavam muito bem acomodados em aqua boa,pimentel barbosa,por ai em seus 300 000 ha de reserva ja existentes,e la nada fazem a nao ser pegar seus veiculos ,encherem suas carrocerias para chegarem aas cidades ,ali bebem ,jogam ,fumam,e gastam o suado dinheiro do contribuinte,ate com fraldas descartaveis,pasmem senhores ,existe onibus escolar para que os tutelados aprendam com brancos,situacao esdruxula no minimo,tanta terra para que,ali nao tem mais caça,ali nao tem rios importantes,ali nao temos mais matas que desde o tempo do vaticano sofrem com terriveis incendios,muitos destes provocados hj pelos indio que querem espaços mais limpos pois nao gostam de florestas,eh de sua cultura,sao de cerrado e varjoes,entao que nos estejamos unidos com firme intuito de derrubar a aberraçao juridica que se desenha,temos que fazer valer a contituiçao,suas sumulas vinculantes,temos que nos basear em fatos reais e nao em relatosa funai,como no caso do primeiro voto,que mais parece uma comedia bufa,onde se le um relato do interessado para enteder a lenda,atenhamos aos fatos,vamos conhecer a area,esta la e so ir e ver,e so tirar o corpo sonolento das comfortaveis cadeiras dos tribunais,aquela epoca passada ,la era inospito,hoje mesmo sem apoio estamos tentando construir uma area de sgurança alimentar,ali queremos criar 3000 familias de BRASILEIROS,NATIVOS DE TERRAS TUPINIQUINS,ou podemos paralisar tudo e beneficiarmos ongs estrangeiras,paises poluidores e ja devastados,e uma minoria de xavantes ,que estao avdos por mais terras,pois mesmos ja as tem,e bastante,bem mais que eu e minha trabalhadora familia.

  • joao da serra
    19 Nov 2009 às 18:50

    Essa terra é indígena. Está nos documentos e estudos realizados. O resto é grilgem pura. Violência? Conversa. Quero ver MACHO para enfrentar a federal..kkkkkkk

  • marli
    17 Nov 2009 às 17:19

    acho que as autoridades não tem noção do tamanho da terra que os indios querem, com a demora no processo cada vez mais chegam novos moradores, vai ficar dificil retirar todo esse pessoal daqui gerando assim futuros conflitos pois a maioria pagou por essas terras.

  • fernanda pereira gama
    17 Nov 2009 às 14:49

    eu moro aqui em alto boa vista e sei as dificuldades dos posseiros sem ter pra onde ir depois que os indios retomar as terra e muito triste> porque so agora os indios veio e porque tem muitas plantaçoes tem muito gado porque eles nao tem nem um tipo de respeito eu sou contra esses indios morar aqui perto sao muito s bruto sai de casa em casa pedindo oque comer e quando a gente nao da fica marcada por eles e sendo que eles tem dinheiro pra se manter vamos lutar pelos posseiros pensse nisso

  • Joao Carlos
    13 Nov 2009 às 02:00

    O que interessa saber se em 1960 haviam indios lá? Ora, em 1500 não só o Brasil, mas toda a America era habitada por eles! Isso é passado! Se fosse relevante, teriamos que consultar a Biblia p/ saber quais terras pertencem a quais povos. O que DEVERIA importar é o que diz a CONSTITUIÇÃO, que já é extremamente socialista, e ela diz que terão direito as terras que estivessem habitando *NA DATA* da promulgação, OUTUBRO/1988, nem antes e nem depois. Digo "DEVERIA", porque esse item não é respeitado, aliás, nossa constituição inteira não serve para mais nada, nem para usar as folhas no banheiro, pois, se fosse, a reserva Raposa Serra do Sol não teria sido aprovada, o Palocci não teria sido inocentado, o Tofolli não seria recebido com aplausos e o Battisti não estaria comendo caviar há meses. Infelizmente o STF não inspira mais a minima confiança.

Sitevip Internet