Olhar Direto

Quarta-feira, 19 de dezembro de 2018

Notícias / Política MT

Escolha de candidatos será até agosto e propaganda na TV terá apenas 10 minutos

Da Redação - Laíse Lucatelli

06 Jan 2016 - 15:20

Foto: Rogério Florentino Pereira/OD

Escolha de candidatos será até agosto e propaganda na TV terá apenas 10 minutos
A reforma eleitoral aprovada pelo Congresso Nacional em 2015 encurtou o tempo de campanha para as eleições municipais de 2016 e adiou a escolha de partidos, alianças e candidatos. Além disso, o tempo de propaganda na TV e no rádio foi reduzido, tanto em número de dias como na duração do programa.

Leia mais:
Com a projeção de Victorio Galli em 2015, PSC quer lançar mais de 30 candidatos a prefeito
 
As datas do 1º e 2º turno continuam no mesmo padrão, e serão nos dias 2 e 30 de outubro, respectivamente. Em Mato Grosso, apenas Cuiabá tem número de eleitores suficiente para gerar um eventual 2º turno, caso o candidato mais votado não atinja a maioria absoluta dos votos válidos (ou seja, mais de 50%).

A maior mudança nas datas foi com relação ao prazo para filiação, que antes era de um ano antes das eleições, e agora é de seis meses. Com isso, os candidatos terão que estar filiados ao partido pelo qual pretendem disputar as eleições até 2 de abril.

As convenções partidárias – que definem os candidatos e as coligações – serão entre os dias 20 de julho e 5 de agosto. O registro dessas candidaturas no cartório eleitoral será até o dia 15 de agosto. Antes, as convenções eram realizadas até o dia 30 de junho, e o registro tinha que ser até 5 de julho. Essas medidas adiam a definição de candidatos e alianças em mais de um mês.

Propaganda eleitoral

No dia seguinte ao fim do prazo de registro, em 16 de agosto, os candidatos poderão começar a campanha eleitoral. A propaganda em rádio e TV tem início no dia 26 de agosto, ou seja, dez dias depois do que foi nas últimas campanhas. A propaganda eleitoral, que antes tinha dois programas por dia, com duração de meia hora, de segunda a sábado, agora terá dois programas de apenas 10 minutos.

Além disso, apenas os candidatos a prefeito terão espaço na propaganda eleitoral que é exibida no horário de almoço e à noite. Ou seja, todos os programas serão apenas para promover as candidaturas de prefeito. Antes, os programas eram intercalados, sendo um dia para a disputa da prefeitura e o dia seguinte para a disputa das câmaras municipais.

Este ano, os postulantes às cadeiras de vereadores aparecerão apenas nas inserções que são veiculadas ao longo do dia, durante a programação normal das emissoras. Além disso, os candidatos a prefeitos terão direito a 60% das inserções e os candidatos a vereador ficarão com 40%.
 
Calendário eleitoral 2016

1 comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Carlos Nunes
    06 Jan 2016 às 15:57

    Nós, os eleitores, os donos do Poder, só devemos lembrar de uma coisa: Eleição é igual Departamento de Pessoal, podemos Demitir e Contratar pessoas para nos representar, elas são só NOSSOS EMPREGADOS. Vamos ver quem vamos Demitir e quem vamos Contratar. Considerando em 2016, em diante e por um bom tempo, será a época das vacas magras, do dinheiro curto, devemos fazer uma pergunta a todos os candidatos: O que você vai fazer com POUCO DINHEIRO? O candidato que prometer "o mundo e o fundo" é um grande mentiroso...vamos ver aqueles que tem boas propostas para concretizar com POUCO DINHEIRO. Não vale aumentar impostos, etc, para transferir o dinheiro do nosso bolso para o Caixa do governo - isso qualquer bobó cheira-cheira faz. Assim até eu viro prefeito de Cuiabá, e dos bons. Aumento os impostos e até sobra dinheiro. Isso se a gente sobreviver ao Pacotão da Dilma que virá em breve. Vôte! E pensar que só uma pessoa no Brasil pode barrar o Pacotão, porque é teimoso, peitou o governo e ficou independente - o Eduardo Cunha, que é contra os aumentos, criação da CPMF, etc.