Olhar Agro & Negócios

Quarta-feira, 29 de janeiro de 2020

Artigos

Crise hídrica afeta os preços do peixe no país que tem a maior reserva de água doce do planeta

Autor: José Luiz Tejon Megido

25 Mar 2015 - 09:40

Na Páscoa os peixes estarão mais caros. Peixe também é agronegócio, só aqui no Brasil que inventaram um Ministério da Pesca e Aquicultura, cujo atual ministro é o Helder Barbalho, filho do senador Jader Barbalho, do Pará; foi prefeito de Ananindeua. Mas o tema é o preço do peixe. Em média 10,2% mais caro, conforme levantamento da Fecomercio (Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo).

A merluza, o maior aumento – 24,5% – nos últimos 12 meses. Em segundo lugar o badejo com 21%. O que menos aumentou continua sendo a nossa querida e popular sardinha, apenas 4,9%. Mas vai aqui uma dica para os nossos “peixeiros” da Páscoa. Tilapia e pintado estão mais baratos.

As razões do aumento, por um lado o consumo da época, a elevação do dólar, crise hídrica, aumentos de transporte, energia elétrica, enquanto isso, estaremos participando da Seafood Expo, com o tema Brasil The Nation of Fish. A Nação do peixe, de 21 a 23 de abril em Boston, nos Estados Unidos.

Potencial para ser uma nação do peixe, temos, além, é claro, do Santos Futebol Clube de Pelé, são 8 mil quilômetros de praias e, incrível, a maior reserva mundial de água doce (e temos crise hídrica!). São 8,2 bilhões de metros cúbicos de água doce.

Temos cerca de um milhão de pescadores no Brasil, porém com toda essa riqueza potencial, o Ministério da Pesca avisa que temos mais de 100 mil famílias de pescadores abaixo da linha da pobreza.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda minimamente 12 kg/habitante/ano. No Brasil, consumimos 14,50 kg/habitante/ano. Muito abaixo dos patamares da carne bovina e do frango. Muito bem: ensinar a pescar e não dar o peixe, talvez seja essa a maior lição para toda a nação do peixe, num Brasil, Pátria Educadora.

Sobre o CCAS

O Conselho Científico para Agricultura Sustentável (CCAS) é uma organização da Sociedade Civil, criada em 15 de abril de 2011, com domicilio, sede e foro no município de São Paulo-SP, com o objetivo precípuo de discutir temas relacionados à sustentabilidade da agricultura e se posicionar, de maneira clara, sobre o assunto.

O CCAS é uma entidade privada, de natureza associativa, sem fins econômicos, pautando suas ações na imparcialidade, ética e transparência, sempre valorizando o conhecimento científico.

Os associados do CCAS são profissionais de diferentes formações e áreas de atuação, tanto na área pública quanto privada, que comungam o objetivo comum de pugnar pela sustentabilidade da agricultura brasileira. São profissionais que se destacam por suas atividades técnico-científicas e que se dispõem a apresentar fatos concretos, lastreados em verdades científicas, para comprovar a sustentabilidade das atividades agrícolas.

A agricultura, apesar da sua importância fundamental para o país e para cada cidadão, tem sua reputação e imagem em construção, alternando percepções positivas e negativas, não condizentes com a realidade. É preciso que professores, pesquisadores e especialistas no tema apresentem e discutam suas teses, estudos e opiniões, para melhor informação da sociedade. É importante que todo o conhecimento acumulado nas Universidades e Instituições de Pesquisa seja colocado à disposição da população, para que a realidade da agricultura, em especial seu caráter de sustentabilidade, transpareça.


Por José Luiz Tejon Megido, Conselheiro Fiscal do Conselho Científico para Agricultura Sustentável (CCAS), Dirige o Núcleo de Agronegócio da ESPM, Comentarista da Rede Estadão.

Sitevip Internet