Olhar Agro & Negócios

Quinta-feira, 17 de outubro de 2019

Notícias / Entrevista

Alta carga tributária tira competição do setor madeireiro de Mato Grosso, diz presidente do Cipem

Da Redação - Viviane Petroli

30 Jan 2015 - 11:53

Foto: Assessoria Cipem

Alta carga tributária tira competição do setor madeireiro de Mato Grosso, diz presidente do Cipem
No setor agropecuário mato-grossense a alta carga tributária é um grande entrave na geração de competitividade com outros Estados brasileiros, o mesmo é constatado no setor de Base Florestal. O segmento madeireiro, hoje, enfrenta diversas barreiras à sua frente, além da tributação, como é o caso da dificuldade em conseguir a liberação de projetos de Manejo Florestal Sustentável.

A Base Florestal, em Mato Grosso, é considerada a principal renda em cerca de 40 municípios e a falta de diálogo com o Governo do Estado, segundo o presidente do Centro das Indústrias Produtoras e Exportadoras de Madeira do Estado de Mato Grosso (Cipem), Geraldo Bento, tem gerado prejuízos à cadeia.

Leia mais:
"Nós jamais vamos ser um Estado que vai despontar em industrialização", declara vice da Famato
Especialista aposta em retenção de fêmeas para manter preço firme da arroba do boi gordo

Apesar de tamanhas dificuldades, hoje, o setor madeireiro de Mato Grosso exporta em torno de 9,79% de sua produção. A maior parte, 65,72%, são destinados para vendas interestaduais.

Em entrevista ao Agro Olhar, o presidente do Cipem revelou que em 2015 as expectativas são de consolidação do segmento da Base Florestal no mercado consumidor nacional e internacional.

Confira a seguir entrevista com o presidente do Cipem, Geraldo Bento:

Agro Olhar - Como foi o ano de 2014 para o setor madeireiro em Mato Grosso?

Geraldo Bento - Em 2014 o setor de Base Florestal evoluiu em muitos aspectos. Consolidamos nossas bandeiras de manter a floresta em pé, do uso consciente da madeira, dos benefícios do manejo florestal, da sustentabilidade e da importância de nossos empresários. Já no que se refere ao desenvolvimento da atividade econômica - que representa a quarta economia do Estado, sendo a principal renda de aproximadamente 40 municípios de Mato Grosso - houve pouco avanço devido ao difícil diálogo com o Governo do Estado, gerando prejuízo à cadeia produtiva e à comunidade onde atua.

Agro Olhar - Quais os principais entraves do setor hoje no Estado? E dificuldades?

Geraldo Bento - Historicamente o setor enfrenta a dificuldade nas liberações dos projetos de Manejo Florestal Sustentável, que hoje é responsável por 95% dos abastecimentos das indústrias florestais. Outro ponto é a questão tributária um dos entraves para o desenvolvimento da atividade econômica no Estado. Por ser extremamente conturbada e com uma carga elevada em comparação a outros Estados com potencial florestal, nos coloca em desigualdade de competição.

Agro Olhar - Diversas reuniões com a Sema-MT foram realizadas em 2014. Conseguiu-se obter algum resultado? O setor registrou algum avanço após estas reuniões?

Geraldo Bento - Apesar de frequentes reuniões com a Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema), chegamos ao fim de 2014 sem ter colocado em prática o Sistema Sema Virtual, implantado em outubro de 2013. Sistema esse que tinha o propósito de dar mais celeridade aos trâmites documentais da referida Secretaria junto ao segmento florestal. Deixando-nos em dificuldade em operacionalizar junto à Secretaria.

Agro Olhar - Quais as madeiras mais comercializadas em Mato Grosso e qual o principal destino?

Geraldo Bento - As espécies mais comercializadas em 2014 foram Cedrinho, Cambará, Angelim, Goiabão e Jatobá. O destino dos produtos de origem florestal são 25,39% para vendas internas, 65,72% vendas interestaduais e apenas 9,79% seguem para exportação.

Agro Olhar - O que falta hoje em Mato Grosso para que o setor consiga vir a se "destacar" como fonte de renda e rentabilidade, assim como os demais produtivos?

Geraldo Bento - Os governos Estadual e Federal precisam reconhecer o setor de base florestal como um segmento econômico, sendo a única atividade agro que não pratica nenhum tipo de desmatamento, mas sim o Manejo Florestal Sustentável. Contribuindo assim, para conservação da floresta em pé e gerador de tributos para os cofres públicos, emprego e renda.

Agro Olhar - Quais as expectativas para 2015 no setor madeireiro em Mato Grosso?

Geraldo Bento - O ano de 2015 será o momento de consolidar a posição do setor de Base Florestal no mercado consumidor nacional e internacional. Ocupar espaço como produtor e gerador de riquezas para a sociedade, para isso, contamos com a aplicação do Programa de Desenvolvimento Florestal Sustentável de Mato Grosso (PDFS). Projeto que será responsável pelo aumento da participação do setor florestal, em torno de 20% nos próximos 20 anos, no PIB de Mato Grosso. Por meio da Resolução 14/2014, publicada no Diário Oficial em 04 de dezembro, foi oficialmente criado o Grupo de Trabalho (GT), responsável por gerir o PDFS. O grupo estará sob a coordenação da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico (Sedec).

Agro Olhar - As exportações absorvem qual percentual da produção estadual de madeira?

Geraldo Bento - De janeiro a setembro deste ano foram exportadas 68,030 mil toneladas de produtos florestais que geraram receita comercial de US$ 68,859 milhões, contabilizando um percentual de 9.79%. No mesmo período do ano passado, as exportações do setor movimentaram US$ 77,140 milhões com volume físico de 81,242 mil toneladas, evidenciando uma queda de 10,74% na receita comercial em 2014.

1 comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agro Olhar. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agro Olhar poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • MARIA
    31 Jan 2015 às 12:17

    Abre uma empresa, paga os impostos, verbas trabalhistas, tudo direitinho, sabe o que sobra?

Sitevip Internet