Olhar Agro & Negócios

Quinta-feira, 23 de janeiro de 2020

Notícias / Agronegócio

Aprosoja diz que etanol de milho é viável em MT e depende de investimentos

De Sinop - Alexandre Alves

15 Mai 2015 - 10:03

Foto: Assessoria

O assunto foi levantado durante o II Fórum Brasileiro de Etanol de Milho e Sorgo, realizado na CNA

O assunto foi levantado durante o II Fórum Brasileiro de Etanol de Milho e Sorgo, realizado na CNA

O etanol produzido a partir de cereais é um produto viável para o Brasil e, especialmente, para Mato Grosso. Estudos já comprovaram a viabilidade da adaptação das usinas que produzem o combustível a partir da cana de açúcar para utilização de milho na entressafra. O gargalo, a partir do início desta produção, é a distribuição do combustível no país.

O assunto foi levantado durante o II Fórum Brasileiro de Etanol de Milho e Sorgo, nesta quinta-feira (14), em Brasília. “Mato Grosso tem um potencial enorme, sabemos que é viável. Estamos com a faca e o queijo na mão e precisamos levar esta discussão para frente”, disse Glauber Silveira, ex-presidente da Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja) e conselheiro consultivo da entidade. A informação é da assessoria da Aprosoja.

Leia também
Lula vetou recursos para MT instalar usina de fabricar etanol de milho
Nova tecnologia da Monsanto para milho promete proteção contra Diabrotica

O presidente da Aprosoja, Ricardo Tomczyk, acredita que a política pública do Governo Federal de distribuição de combustível precisa ser revista. “Tira a competitividade do etanol, principalmente do feito de milho, que é produzido no interior do país e longe dos mercados consumidores”, afirma. Para ele, uma solução seria a distribuição diretamente no mercado consumidor.

Atualmente, o Brasil tem excedente de 20 milhões de toneladas de milho que são exportados in natura. “Perdemos a oportunidade de agregar valor ao cereal, transformando, por exemplo, em etanol ou em DDGS, que é matéria-prima para ração animal de muita qualidade”, diz Tomczyk. Ele avalia como um contrassenso o país ser exportador do cereal e importar gasolina.

O senador Blairo Maggi (PR) ressaltou que a utilização do milho para combustível não entra em conflito com a produção de alimentos. “Há milhares de produtores de milho no Brasil, dos mais diversos tamanhos de propriedades. A oportunidade de trabalhar com este novo produto irá gerar renda e sustentabilidade”, afirmou.

O secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), André Nassar, também acredita que a discussão sobre alimento versus combustível está superada. Segundo ele, o ministério precisa verificar o que é economicamente eficiente para traçar políticas públicas.

“Usar a usina de cana é interessante. Também é mais interessante moer (o milho) para fazer etanol do que colocar em rodovia para exportar”, frisou. Para o representante do Mapa, a distribuição direta é uma forma de viabilizar o etanol do milho, mas não é simples.

Clayton Anselmo, representante da CHS (cooperativa norte-americana com atuação no Brasil), disse que 75% do mercado de distribuição de combustíveis está concentrado em três empresas. A questão tributária também é fundamental de ser discutida, pois o recolhimento é feito pela distribuidora e não pelos postos, então tudo arrecadado com este imposto fica para o Estado que consome o combustível, não para o que produz. “Isso explica porque os estados não incentivam o consumo do etanol hidratado”, argumenta.

Evento – O Fórum de Etanol de Cereais é uma realização da Aprosoja e Aprosoja Brasil, com patrocínio da Novozymes. Também participaram dos debates Sérgio Bortolozzo e Alisson Paolinelli, da Abramilho, Ricardo Santin, da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), Antônio Álvaro, da Embrapa Sorgo e Milho, Piero Vicenzo Parini, do Sindalcool-MT, Cassio Iplinsky, Usina Rio Verde, Sérgio Barbieri, da Usimat, Pedro Luiz Fernandes, da Novozymes, Otávio Celidônio, superintendente do Imea.


Sitevip Internet