Olhar Agro & Negócios

Domingo, 18 de agosto de 2019

Notícias / Energia

Alto custo da energia é criticado no Senado; Copom prevê alta de 41%

Da Redação - Viviane Petroli

17 Jun 2015 - 11:35

Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado

Alto custo da energia é criticado no Senado; Copom prevê alta de 41%
O alto custo da energia elétrica no Brasil, principalmente do setor industrial, foi durante criticado na tribuna do Senado pelo senador José Medeiros (PPS-MT) na última terça-feira (16). A previsão, segundo o Comitê de Política Monetária (Copom), é que haja um aumento de 41% nos preços da energia elétrica em 2015.

Na visão do senador mato-grossense o governo federal precisa buscar uma solução para o alto custo da energia elétrica. Medeiros, destacou, ainda, que o Brasil ocupa o primeiro lugar, entre 28 países, da energia elétrica industrial mais cara. Utilizando dados da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan), referentes a maio, apontou que no Brasil o custo médio do Megawatt-hora para a indústria é de R$ 543,81, contra uma média geral de R$ 257,50 dos outros países. Segundo o Firjan, o custo da energia elétrica para a indústria em Mato Grosso é de R$ 630,52 o megawatts (MWh), considerando a carga tributária. Se não houvessem os impostos o valor seria de R$ 425,60.

Leia mais:
MT tem a energia elétrica para a indústria mais cara do Brasil
Gasolina e óleo diesel tem novo aumento de preço; distribuidoras confirmam

De acordo com o senador, o custo elevado da energia elétrica do Brasil faz com que o país perca competitividade no que diz respeito à indústria, elevando inclusive o custo de vida da população brasileira.

Ainda na tribuna José Medeiros observou que nenhum movimento é verificado no governo federal para a realização de uma redução de impostos e encargos na conta de luz, que hoje correspondem a cerca de 46% do valor da mesma, como é o caso de Mato Grosso.

“Se nada for feito, e isso em tempo hábil, o mesmo vai acontecer com a renovação das concessões das distribuidoras, algo que ainda podemos e devemos evitar. Esse é um desafio que fica porque é um problema que, se não for resolvido agora, vai bater às portas desta Casa. Então, fica esse desafio e esse alerta para que o governo observe que já não é possível sermos o país da gambiarra; é preciso termos um planejamento”, salientou o senador José Medeiros, conforme a Agência Senado.

Confira aqui levantamento do Firjan sobre o valor da energia elétrica industrial no Brasil.

1 comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agro Olhar. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agro Olhar poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Carlos de Sá
    17 Jun 2015 às 15:15

    Senadores que caem de paraquedas no senado, aqueles sem voto, sem discussão política e conhecimento pífio dá nisso. O senador desconhece ou esquece que o impacto maior dos impostos na conta da energia, como na telefonia e no combustível em Mato Grosso é graças à alíquota de ICMS que chega a cerca de 30%! A carga de impostos nestes serviços e combustível é exagerada principalmente, de longe, o responsável é o ICMS! Mas como o governo de MT é aliado do senador, não vi nenhuma crítica com relação a isso! Foi "devidamente" empurrado pra debaixo do tapete! Vai lá senador, pede isenção do pis/cofins do governo federal e do ICMS da energia, telecomunicações e combustíveis, o povo de Mato Grosso será grato! Mas não se faça de sonso, não seja seletivo! Diga a verdade doa a quem doer!

Sitevip Internet