Olhar Agro & Negócios

Quinta-feira, 14 de novembro de 2019

Notícias / Logística

Governo aumenta taxa de retorno para atrair interessados nas concessões de rodovias

De Sinop - Alexandre Alves

13 Jul 2015 - 10:49

Foto: Assessoria

Pedágios devem ficar mais caros que os autorizados na BR-163, entre a divisa de MT e MS até Sinop

Pedágios devem ficar mais caros que os autorizados na BR-163, entre a divisa de MT e MS até Sinop

O governo federal aumentou de 7,2% para 9,2% ao ano, a Taxa Interna de Retorno (TIR) para as empresas ou consórcios que vencerem os leilões de concessão de rodovias federais, no pacote que deve ser entregue à iniciativa privada a partir deste segundo semestre. Isso significa que os valores dos pedágios também ficarão mais caros. No último leilão da BR-163, em trecho de 850 km ligando a divisa de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul até Sinop, o valor médio ficou em R$ 2,60 a cada 100 quilômetros rodados.

A taxa anterior, de 7,2% ao ano, vinha sendo usada desde 2007. "A nova remuneração é o ganho real médio do investidor, livre de imposto e da inflação. Mas o retorno vai depender de uma série de outros fatores, como a estrutura do projeto", afirmou o secretário de Assuntos Econômicos do Ministério da Fazenda, Paulo Corrêa.

Leia mais:
Governo anuncia concessão de mais três rodovias contemplando MT
Governo lança concessão de ferrovia entre Lucas do Rio Verde e Itaituba


Em Mato Grosso, devem ser leiloados dois trechos até dezembro de 2015. Um deles é o da BR-364, entre Rondonópolis até a divisa com o Estado de Goiás, atendendo as regiões Sul e Sudeste mato-grossense. O outro fica no Nortão, ligando Sinop até a divisa com o Estado do Pará (e de lá até à estação de transbordo de Miritituba, no rio Tapajós, em Itaituba).

Pela segunda etapa do Programa de Investimento e Logística (PIL), anunciado em 9 de junho, pela presidente Dilma Rousseff, serão duplicados mais de 2,6 mil quilômetros de rodovias, com investimentos estimados na ordem de R$ 19,6 bilhões. As concessionárias poderão cobrar pedágios a cada 100 km, mas deverão dar manutenção nas pistas e apoio aos usuários.

As concessões atendendo MT:

A BR-163 será duplicada entre Sinop e Itaituba (PA). O trecho é de 976 quilômetros, partindo do entroncamento com a MT-220, em Sinop, até Miritituba. A previsão é de investimento de R$ 6,6 bilhões. “O objetivo é criar um forte canal de escoamento da safra do Norte mato-grossense”, disse o ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão, Nelson Barbosa.

Outro trecho a ser concedido abrange 704 km das BR-364 e BR-060, ligando Rondonópolis a Alto Araguaia, no Sudeste de Mato Grosso, a Jataí, Rio Verde e Goiânia, em Goiás. Serão investidos R$ 4,1 bilhões, com o objetivo de escoar a produção do Centro-Oeste para os portos dos arcos Norte e Sul.

Também está previsto, para 2016, um lote de 806 km da BR-364, entre Comodoro (638 km de Cuiabá) e Porto Velho (RO), com duplicação e construção de terceira pista, ligando a região Oeste de Mato Grosso – que possui forte produção de grãos - até a hidrovia do rio Madeira. No total, serão colocados R$ 6,3 bilhões. Esta duplicação atenderá os produtores rurais de Sapezal, Campo Novo do Parecis, Tangará da Serra, Campos de Júlio, entre outros municípios da região.

4 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agro Olhar. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agro Olhar poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Celso Luiz monteiro
    13 Jul 2015 às 18:39

    O trecho de Cuiabá até rosário oeste está uma vergonha e a praça de pedágio já está pronta, com a palavra o DNIT, se é que tem moral pra falar algo.

  • 13 Jul 2015 às 16:50

    Vai começar a cobrar o pedágio em Agosto deste ano! e Cadê a parte do DNIT? por sinal seria o trecho que deveria duplicar primeiro. O povo tem o governo que merece.

  • Luiz Rasia
    13 Jul 2015 às 14:13

    Que vergonha. Pagamos pela construção provavelmente com preços superfaturados e agora além de pagar impostos direcionados para a conservação de estradas como IPVA, CID nos combustíveis temos que pagar mais uma vez. É hora do governo eliminar ou reduzir os impostos com esse fim em contra partida aos pedágios. Nessa obra da 364/163 os trechos de maior custo para duplicação que são as serras, o governo através de nossos impostos está pagando e o filé somente que sobrou para a concessionária. O osso fica para nós roermos e ainda pagar novamente através do pedágio. Vergonha. Quando é que o povo vai acordar e acabar com esses abusos?

  • julio
    13 Jul 2015 às 13:30

    Até parece contrato de compadre,entre Petista, pois o trecho entre Rondonópolis /Cuiabá,que ficou fora da responsabilidade das empresas , esta sendo construído em passos de tartarugas pelo DINIT e, é na minha opinião o que mais precisava estar pronto,é o mais difícil o governo terminar no prazo. Isso é uma vergonha como disse o jornalista.

Sitevip Internet