Olhar Agro & Negócios

Domingo, 18 de agosto de 2019

Notícias / Indústria

Implantação de mineradora no Norte de Mato Grosso terá R$ 100 mi em investimentos

Da Redação - Viviane Petroli

08 Ago 2015 - 15:01

Foto: Durcy Arévalo/Vice-governadoria MT

Implantação de mineradora no Norte de Mato Grosso terá R$ 100 mi em investimentos
Um grupo com fundo de investimento em projetos de exploração mineral e de mineração deverá, até 2020, deverá investir R$ 100 milhões em Mato Grosso e gerar 300 empregos diretos. Os investimentos tiveram início em 2012 com realização de pesquisas que já receberam em torno de R$ 50 milhões e nas próximas semanas mais R$ 40 milhões deverão ser investidos.

Na sexta-feira (07) o vice-governador Carlos Fávaro e o secretário de Desenvolvimento Econômico (Sedec), Seneri Paludo, reuniram-se com representantes do grupo BioGold.

Na ocasião foi debatida a implantação de uma usina de pequena escala na região de Matupá, com a intenção, inicialmente, de produzir ouro a partir de uma mina subterrânea.

Leia mais:
Associação da indústria têxtil avalia que Mato Grosso tem tudo para ter polo completo
Setor da mineração buscará diálogo sobre Metamat com o governo

De acordo com o grupo, está previsto para 2016 a entrada em funcionamento de uma segunda unidade nos municípios de Peixoto de Azevedo e União do Norte, onde também será produzido ouro a partir de uma lavra a céu aberto. O grupo aguarda apenas o licenciamento ambiental do empreendimento.

“Desde 2012 já investimos em torno de 50 milhões em pesquisas e devemos investir mais 40 milhões nas próximas semanas”, destaca diretor executivo da BioGold, Lucas Kallas.

O vice-governador de Mato Grosso, Carlos Fávaro, ressaltou que o Estado está disposto a dialogar “para que este projeto se torne um marco do desenvolvimento em Peixoto de Azevedo".

Segundo Fávaro, a negociação será coordenada pelo secretário de Desenvolvimento Econômico, Seneri Paludo, junto a outros órgãos envolvidos no processo. Uma reunião está agendada para a próxima quinta-feira (13) entre a Sedec, Instituto de Terras de Mato Grosso (Intermat), Secretaria de Meio Ambiente (Sema), Trabalho e Assistência Social (Setas), Companhia Mato-grossense de Mineração (Metamat) e representantes dos investidores. O encontro é para tratar os desdobramentos desse projeto.

9 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agro Olhar. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agro Olhar poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Aldery Vieira da Rocha
    11 Nov 2018 às 08:39

    Vai ser importante para região.

  • André
    06 Ago 2018 às 13:41

    É deu Ruim! kkkkjjj

  • Lucas
    27 Set 2017 às 13:07

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • carlito francisco sousa
    16 Jul 2017 às 08:47

    Gostei muito desse projeto porque vai gerar muitos empregos e vai desperta mais investidores para matupa-mt estou torcendo que esse projeto venha logo pra gente comecar atrabalhar

  • Antonio
    22 Set 2015 às 15:38

    Exploração de ouro gera muitos impostos para o município, estados e união. Gera royalties. Gera muitos empregos e movimenta a economia tanto na fase de instalação como na de operação. O dano ambiental existe no nortão e foi feito pela garimpo, com uso de mercúrio e outras formas rudimentares que poluem as águas. É muito mais fácil fiscalizar uma atividade deste tamanho, de um empreendedor apenas, que centenas de garimpos que passam o trator e reviram o solo nas margens dos nossos rios.

  • marcelo cerioli
    18 Ago 2015 às 17:46

    as que comentaram até agora todas contra é muito facil criticar, por que não olhe pelo lado daqueles que vão conseguir emprego, dos donos de terras que tem sua %, e ate pelos impostos que isso gera, pois isso sustenta muitas familhas neste pais, talves até a daqueles que estão ai criticando!!!!

  • Ilse
    10 Ago 2015 às 10:57

    Negócio preocupante. Pois sabe-se que a exploração aurífera costuma deixar grandes estragos ambientais em especial por contaminar o manancial aquífero, sem falar que gera lucros astronômicos para poucos.

  • Jango
    09 Ago 2015 às 17:13

    Nos olhamos para Africa e criticamos a diamante de sangue, olhamos para o Brasil e vemos nossas riquezas sendo subtraídas na maior legalidade e temos que acha bonito quando se apresenta uma mega proposta dessa, vamos refleti os mega empresários da soja por exemplo ganha quantos emprega quantos no pais por favor...

  • Milton Ribeiro
    08 Ago 2015 às 17:42

    A continuar com esse marasmo nas vistorias pela SEMA, ninguém virá para Mato Grosso! Ou será que o tratamento às grandes empresas e multinacionais serão diferenciados daquele dispensado às Cooperativas pequenas do Estado? Uma vergonha!

Sitevip Internet