Olhar Agro & Negócios

Segunda-feira, 30 de março de 2020

Notícias / Emprego

Trabalhadores da BRF em Lucas do Rio Verde ameaçam parar atividades

Da Redação - Viviane Petroli

15 Dez 2015 - 09:06

Foto: William Barbosa/Prefeitura de Lucas do Rio Verde

Trabalhadores da BRF em Lucas do Rio Verde ameaçam parar atividades
Os cerca de 4,5 mil trabalhadores da BRF em Lucas do Rio Verde entraram em estado de greve no último domingo, 13 de dezembro, diante a dificuldade enfrentada no avanço do reajuste salarial. A categoria promete cruzar os braços, caso a multinacional não abra renegociação nos próximos 15 dias.

Entre os pontos de reivindicação está à reposição imediata da inflação e o aumento real do salário, de aproximadamente 13% o total.

A deflagração de estado de greve foi acordada entre os trabalhadores durante assembleia realizada no domingo no Auditório da Câmara Municipal de Lucas do Rio Verde e contou com a participação e coordenação da Confederação Nacional dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação e Afins (CNTA Afins).

Conforme a CNTA Afins e o Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias e Cooperativas de Carnes e Derivados da Alimentação e Afins de Lucas do Rio Verde (Sintralve), a BRF propôs, em Convenção Coletiva de Trabalho, o pagamento de 5% de reposição salarial, aumento de R$ 20,00 no vale-alimentação e mais R$ 25,00 de bônus no vale-alimentação entre janeiro e outubro de 2016. A BRF ainda propôs um bônus anual de R$ 343,00 (prêmio de excelência, já recebidos).

Leia mais:
Governador anuncia investimento de R$ 1,1 bilhão da Brasil Foods em cinco cidades de MT

Contudo, a proposta não atende as expectativas dos trabalhadores, que durante a assembleia denunciaram más condições de trabalho e descumprimento da Norma Regulamentadora nº 36, que trata de novas regras de saúde e segurança em frigoríficos (em vigor desde 2013).

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias e Cooperativas de Carnes e Derivados da Alimentação e Afins de Lucas do Rio Verde (Sintralve), Valdeci Scherer, destaca que desde outubro a categoria vem enfrentando dificuldades no avanço do reajuste salarial. "Os trabalhadores estavam insatisfeitos com as negociações até o momento, então ontem fizemos uma nova assembleia para tentarmos renegociar com a empresa a decisão da maioria. Entendemos que o trabalho em frigorífico é sacrificante e, por isso, estamos pedindo o que a lei garante e o que entendemos ser o justo para o trabalhador",

O salário base atual da categoria no município é de R$ 923,00, chegando a R$ 973,00 após o período de experiência para auxiliares de produção.

O presidente da CNTA Afins, Artur Bueno de Camargo, salientou na assembleia que a Confederação está acompanhando as negociações. "Estamos aqui para apoiar o sindicato e os trabalhadores da categoria. Estamos atentos à desenvoltura dessa negociação e preparados para agir, caso a empresa não atenta às reivindicações",

Confira as reivindicações:

- auxilio creche: que ao invés de se cobrar 15% do piso da categoria, o valor seja cobrado sobre o salário base de cada funcionária, com vigência de 18 meses.

- vale-alimentação: aumento de R$ 200,00 para R$ 250,00

- hora extra: pagamento da hora trabalhada mais 50% (de segunda a sábado) e de 70% acima dessa hora. Já para domingos e feriados, os trabalhadores reivindicam o aumento de 100% para 120%

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agro Olhar. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agro Olhar poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Sitevip Internet