Olhar Agro & Negócios

Quinta-feira, 23 de janeiro de 2020

Notícias / Agronegócio

No Mais Você, embaixadora afirma que carne brasileira vai apresentar picanha aos EUA; veja vídeo

Da redação - Viviane Petroli

03 Ago 2016 - 16:00

Foto: Reprodução

No Mais Você, embaixadora afirma que carne brasileira vai apresentar picanha aos EUA; veja vídeo
O acordo para a exportação de carne bovina in natura entre Estados Unidos e Brasil, após 17 anos de negociações, poderá trazer novos clientes ao país verde e amarelo. A picanha deverá ser um dos cortes brasileiros embarcados para o país norte-americano, uma vez que poucos conhecem.

Para a embaixadora norte-americana no Brasil, Liliana Ayalde, o acordo entre os dois países possui várias mensagens. Durante entrevista na manhã desta quarta-feira, 03 de agosto, no programa Mais Você, da Rede Globo, a embaixadora afirmou à apresentadora Ana Maria Braga que muitos técnicos sentaram juntos para negociar diferentes aspectos fitossanitários para se chegar a um acordo. "Então, é uma mensagem de comércio bilateral importante".

Leia mais:
Mato Grosso será responsável por 25% da carne bovina enviada aos EUA

O acordo entre Brasil e Estados Unidos para a exportação de carne in natura foi firmado no último dia 28 de julho, durante viagem do ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Blairo Maggi, a Washington.

E, na última segunda-feira, 1º de agosto, foi realizada em Brasília a troca das Cartas de Reconhecimento de Equivalência entre Brasil e Estados Unidos.

Com o anúncio, frigoríficos de 14 Estados (Bahia, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins), além do Distrito Federal estarão habilitados a exportar carne in natura para os Estados Unidos.

Os Estados Unidos definiu uma cota anual de importação de 64,8 mil toneladas in natura e congelada e, deste volume, cerca de 25% devem partir de Mato Grosso. A expectativa é que as exportações em 2016 sejam elevadas em US$ 900 milhões com o acordo.

Os envios de carne do Brasil devem iniciar em 90 dias.

Outros pontos levantados pela embaixadora dos Estados Unidos sobre o acordo é quanto a abertura de novos mercados para o Brasil, além da geração de empregos. "O ministro (Blairo Maggi) falou que tendo essa certificação é bom para outros países também", disse Liliana no programa da Rede Globo.

Paladar

A embaixadora destacou ainda ser uma troca interessante o acordo, visto alguns cortes, como a picanha, serem poucos conhecidos nos Estados Unidos. "É uma troca interessante porque a gustação (paladar) norte-americana é diferente da brasileira. Então, podemos complementar. Por exemplo, a picanha lá (Estados Unidos) não é muito conhecida, então se pode exportar mais. Mas, se você vai lá e pede picanha, ninguém conhece", declarou ao revelar que o corte considerado nobre no Brasil é a melhor carne em sua opinião.




1 comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agro Olhar. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agro Olhar poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • eduardo
    03 Ago 2016 às 18:21

    os estados unidos deveria cobrar responsabilidade ambiental do brasil em relação a origem dessa carne a ser exportada, pois muita dessa carne vêm de área desmatada ilegalmente. tomará que a embaixada dos estados unidos tome ciência desses fatos.

Sitevip Internet