Olhar Agro & Negócios

Quarta-feira, 18 de setembro de 2019

Notícias / Pecuária

Abertura de mercados não irá causar apagão na pecuária, afirma Acrimat

Da Redação - Viviane Petroli

26 Set 2016 - 07:32

Foto: Viviane Petroli/Agro Olhar

Abertura de mercados não irá causar apagão na pecuária, afirma Acrimat
A abertura de novos mercados, como é o caso dos Estados Unidos e da Malásia, não deverá provocar “apagão” de bovinos em Mato Grosso e no Brasil. A afirmação é da Associação os Criadores de Mato Grosso (Acrimat). A perspectiva é que haja um estímulo para o aumento da produção, principalmente através de semi-confinamento e confinamento.

“Nós não enxergamos que a importação por parte dos outros países vai concorrer ou vai promover um apagão da carne. Muito pelo contrario, nós vamos ter é um aumento dos preços pagos aos produtores e com isso estimula a produção”, pontua o superintendente da Acrimat, Francisco Manzi, ao Agro Olhar.

Leia mais:
Marfrig embarca 25 toneladas de carne in natura de Mato Grosso para os EUA na próxima semana

Mato Grosso é detentor do maior rebanho bovino brasileiro com em torno de 29,5 milhões de cabeças e um abate anual que varia de 4,5 milhões de cabeças a 5,5 milhões.

A abertura de novos mercados para a carne bovina brasileira, em especial a mato-grossense, é vista com bons olhos pelos pecuaristas e um estimulo para a produção. Segundo o setor, novos mercados abrindo suas portas significa reconhecimento pelo trabalho realizado pelo produtor na busca de qualidade e principalmente pela sanidade animal, atendendo todas as exigências sanitárias.

Os Estados Unidos, tanto para pecuaristas quanto para a indústria frigorífica, significa uma ISO para a cadeia produtiva. Considerado um mercado exigente e difícil (negociação), os Estados Unidos é tido como uma porta para novos clientes.

Francisco Manzi, superintendente da Acrimat. (Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto)

"Nós acreditamos que tendo uma maior demanda haverá um maior estimulo para que nós pecuaristas ofertemos animais. Temos capacidade de produzir hoje com intensificação, com semi-confinamento e confinamento. Com o grande rebanho que nós temos, há sim condições de atender tanto ao mercado interno quanto o externo", comenta Manzi.

Do volume abatido ao longo do ano, 75% da carne produzida em Mato Grosso fica no mercado interno. Os demais 25% seguem para mercados como da União Europeia, do Oriente Médio, China, Rússia, Venezuela, entre outros.

"Com a intensificação você pode facilmente dobrar a produção com o semi-confinamento e confinamento. Você tendo um preço mais atrativo a conta começa a fechar e aí um animal que é pasto que demoraria três anos para ir ao abate mais ou menos, no confinamento dali um ano a mesmo ele estaria pronto para o abate”, friza Manzi.

Indústria otimista

A indústria frigorífica, assim como os pecuaristas, apresentam otimismo com a abertura de novos mercados. "São mais alternativas", observa o diretor Presidente da Marfrig Global Foods, Martin Secco, em entrevista exclusiva ao Agro Olhar.

Diretor Presidente da Marfrig Global Foods, Martin Secco. (Foto: Viviane Petroli/Agro Olhar)

Conforme diretor Presidente da Marfrig Global Foods, mais opções de mercados para exportação pode auxiliar a minimizar o decréscimo de embarques por parte de alguns países que passam por problemas de inconformidades e/ou econômicos, como é o caso da Venezuela ou da Rússia, que mesmo tendo liberado os embarques após suspensão de aproximadamente quatro anos devido a “inconformidades sanitárias”, segue apresentando baixa aquisição.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agro Olhar. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agro Olhar poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Sitevip Internet