Olhar Agro & Negócios

Segunda-feira, 16 de setembro de 2019

Notícias / Logística

Após greve por frete em Mato Grosso, ministro Eliseu Padilha promete resposta a caminhoneiros

Da Redação - Viviane Petroli

01 Fev 2017 - 07:18

Foto: Romério Cunha/ Casa Civil

Após greve por frete em Mato Grosso, ministro Eliseu Padilha promete resposta a caminhoneiros
O ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, afirmou que irá dar uma resposta para cada uma das demandas apresentadas pelo setor do transporte de cargas de Mato Grosso. Caminhoneiros, empresários do segmento e Governo Federal reuniram-se na tarde de terça-feira, 31 de janeiro, em Brasília (DF), após pedido do presidente Michel Temer.

A reunião entre o setor do transporte de cargas de Mato Grosso e o ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, ficou acertada durante encontro entre o senador José Medeiros (PSD-MT) e o presidente Michel Temer no dia 19 de janeiro. A audiência com o Governo Federal foi uma das garantias para que a greve iniciada no dia 13 de janeiro e que durou seis dias em Rondonópolis fosse suspensa. Na ocasião cerca de 10 mil caminhões deixaram de circular no Estado, ficando os mesmos estacionados em postos, garagens, transportadoras e em frente de tradings.

Leia mais:

- Caminhoneiros afirmam que greve foi ato de "desespero" e Abiove nega criar preço do frete

-
Temer se compromete ajudar caminhoneiros e reunião com Eliseu Padilha será na próxima semana, revela senador Medeiros; veja vídeo

O ministro Eliseu Padilha declarou que irá analisar uma série de demandas apresentadas, como é o caso do projeto de lei que cria um valor mínimo do frete.

O valor mínimo do frete, como o Agro Olhar já comentou, é um ponto pleiteado pelos caminhoneiros de Mato Grosso, principalmente, desde a greve realizada entre fevereiro e março de 2015.

O setor do transporte, que esteve acompanhado do senador José Medeiros, afirmou ao ministro que a categoria sofre com a estagnação do preço do frete. No dia 25 de janeiro em reunião com o Governo de Mato Grosso, Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja-MT), Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso (Famato) e a Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove), o empresário e representante do Movimento dos Transportadores de Carga (MTG), Gilson Baitaca, destacou que a greve em Rondonópolis no mês de janeiro foi um ato de "desespero" da categoria, pois estavam "trabalhando com fretes praticados nos últimos meses de 2016 quando não há oferta de frete".

Outro ponto solicitado ao Governo Federal foi à regulamentação do agenciamento de cargas e a uniformização de medidas da Agência Nacional de Transportes Terrestres com o Código de Trânsito Brasileiro.

1 comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agro Olhar. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agro Olhar poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Tico
    01 Fev 2017 às 15:55

    Suponho que a resposta vai ser a seguinte "vão cuidar das suas vidas"

Sitevip Internet