Olhar Agro & Negócios

Domingo, 25 de agosto de 2019

Notícias / Agronegócio

Blairo Maggi afirma que irá aos EUA para restabelecer exportação de carne in natura

Da Redação - Viviane Petroli

23 Jun 2017 - 07:28

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Blairo Maggi afirma que irá aos EUA para restabelecer exportação de carne in natura
O ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Blairo Maggi, deve embarcar na próxima semana para os Estados Unidos para tentar reestabelecer as exportações de carne bovina in natura (fresca). O país norte-americano suspendeu nesta quinta-feira, 22 de junho, a compra de carne de 13 plantas brasileiras devido inconformidades encontradas em decorrência a vacinação da febre aftosa.
 
A suspensão das 13 plantas habilitadas para enviar carne in natura aos Estados Unidos ocorre cerca de uma semana após o próprio Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento interromper os embarques de cinco plantas. As unidades suspensas em 16 de junho haviam sido as da Marfrig localizadas em Paranatinga (MT), São Gabriel (RS) e Promissão (SP) e da JBS a unidade em Campo Grande (MS) e do Minerva em Palmeiras de Goiás (GO).

Leia mais:
- EUA suspende embarques de carne bovina do Brasil; em Mato Grosso são dois frigoríficos

- Frigorífico em Paranatinga tem exportação de carne in natura para os EUA suspensas

 
Em Mato Grosso estão habilitadas para enviar carne in natura para o país norte-americano apenas as plantas frigoríficas da JBS em Barra do Garças e da Marfrig no município de Paranatinga.
 
"Nós fomos informados a alguns dias da não conformidade que está aparecendo nas exportações brasileiras e que diz respeito à abcessos na carne que está indo. O Brasil muito provavelmente é o único país que exporta para os EUA que tem livre de febre aftosa, porém com vacinação", diz Blairo Maggi.
 
O ministro explica que o abcesso é uma reação a componentes da vacina contra a febre aftosa. Maggi afirma que o Ministério está finalizando uma nova forma de inspeção das carnes nos frigoríficos, uma nova Instrução Normativa (INS), para ser mais rigoroso nesse assunto.
 
"Como é uma suspensão temporária, nós estaremos na semana que vem trabalhando para finalizar os planos que estávamos fazendo no Ministério e eu pretendo assim que possível, e os americanos receberem informações do Brasil, me descolocar até os Estados Unidos com uma equipe do Mapa para que possamos fazer as discussões necessárias e reestabelecer esse mercado tão importante que o Brasil conquistou nos últimos anos", declara Maggi.
 
O ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento ressalta ainda que desde o momento em que os Estados Unidos abriu mercado para a carne bovina in natura brasileira há uma pressão por parte dos produtores norte-americanos para que "haja embargo". "Assim como comemoramos quando liberados, lamentamos neste momento em que fomos suspensos. Mas, também, tem que se entender que nós estamos exportando carne para o maior concorrente que nós temos no Mundo. E, há uma pressão muito grande por parte dos produtores americanos desde a época da liberação para que haja embargo, que não se permita a chegada de carne brasileira".
 
Vacinas
 
No que diz respeito às vacinas, Blairo Maggi afirma que "provavelmente os problemas que vem ocorrendo são em função da reação aos componentes da vacina aplicadas aqui no Brasil. Nós vamos imediatamente abrir uma sindicância, uma investigação para ver o tipo de reagentes que estão sendo utilizados e se de fato está aparecendo ou deixando esses resíduos na carne".
 
Maggi lembra ainda que "é importante dizer que nós temos um mercado novo, um mercado ao qual não estávamos acostumados e é um mercado que tem comprado parte dianteira dos bovinos nossos e é justamente nessa parte que é feita a vacinação".
 
O ministro pontua, também, que "estamos atentos ao assunto. Não é um assunto que surgiu hoje. Nós já havíamos feito uma suspensão voluntária de cinco plantas para evitar a suspensão. Isso não foi possível e agora vamos correr atrás e tentar resolver esse assunto o mais breve possível já que a pecuária brasileira passa por um momento de grande dificuldade com preços baixos aos produtores e esse era um canal de manutenção para os preços no Brasil".

1 comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agro Olhar. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agro Olhar poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • por justiça
    23 Jun 2017 às 13:55

    muitas coisas estão acontecendo CONTRA O Brasil divido o malfeitor Temer PF nelr ja....

Sitevip Internet