Olhar Agro & Negócios

Segunda-feira, 30 de novembro de 2020

Notícias / Pecuária

Taques anuncia redução do ICMS do boi em pé para 4%; pecuaristas queriam isenção

Da Redação - Viviane Petroli

29 Jun 2017 - 15:57

Foto: Gabriel Rezende Farias/Embrapa Agrossilvipastoril

Taques anuncia redução do ICMS do boi em pé para 4%; pecuaristas queriam isenção
O preço mínimo de pauta do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) para a venda interestadual de boi em pé será reduzido de 7% para 4%. O anuncio foi feito pelo governador Pedro Taques na tarde desta quinta-feira, 29 de junho, durante uma "Mesa-redonda Sobre a Cadeia Produtiva da Carne na Atual Conjuntura Político-econômica", promovida pela Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), em Cuiabá. Pecuaristas queriam a isenção da alíquota para ampliar a competitividade.

Leia mais:
Redução em 12,2% do preço mínimo de pauta do boi em pé não atende a demanda, afirmam pecuaristas
 
O Decreto reduzindo a alíquota do boi em pé de 7% para 4%, de acordo com o governador Pedro Taques, deverá ser assinado ainda nesta quinta-feira, 29 de junho. “Assinamos hoje para que em um prazo de 90 dias possa-se minorar as dificuldades do setor”.
 
De acordo com o presidente da Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat), Marco Túlio Soares, em Mato Grosso já é possível ver a arroba do boi gordo cotada a R$ 107,00 em algumas regiões, uma perda real de 25%.
 
Ainda conforme Marco Túlio, os pecuaristas queriam a isenção da alíquota do boi em pé para que se pudesse ter uma maior competitividade com outros estados. “Queríamos menos, mas estamos satisfeitos com esse número. É um número que já vai ajudar muito a nossa categoria”.
 
Desde 2016 a cadeia pecuária bovina vem solicitando ao Governo de Mato Grosso a isenção da alíquota do boi em pé.  “Vínhamos conversando com o governador desde janeiro, quando assumimos a diretoria da Acrimat, explicando e mostrando os números. Em vários momentos a Acrimat pediu a isenção total. Mas, entendemos também que o Estado passa por momentos de dificuldade com as suas contas que não estão fechando, por questões de endividamento de governos anteriores”.

Comentários no Facebook

Sitevip Internet