Olhar Agro & Negócios

Quarta-feira, 24 de julho de 2019

Notícias / Política

Bancada ruralista reforça proposta de Mato Grosso pelo perdão de dívidas de produtores com o Funrural

Da Redação - Ronaldo Pacheco

04 Set 2017 - 10:35

Foto: Rogério Florentino Pereira / Olhar Direto

Nilson Leitão explica que bancada ruralista quer perdão de dívidas de produtores com o Funrural

Nilson Leitão explica que bancada ruralista quer perdão de dívidas de produtores com o Funrural

A Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA) pede ao governo do presidente Michel Temer (PMDB) que “colabore” com a promulgação do projeto de Resolução do Senado (PRS) que, na prática, perdoa as dívidas de produtores com o Fundo de Assistência ao Trabalhador Rural (Funrural). A proposta nasceu durante as discussões da Parecis Super Agro de 2015, em Campo Novo do Parecis – médio Norte de Mato Grosso, sendo reforçada neste nos anos subseqüentes e, também, na Feira Internacional de Esteio (RS).

Leia mais:
Área de algodão cresce, mas número de produtores segue restrito; lucro é até 30% maior que o de soja, segundo especialista
 
O presidente da Frente Agropecuária, deputado mato-grossense Nilson Leitão (PSDB), explicou ter solicitado ao ministro Eliseu Padilha, chefe da Casa Civil, que o governo Temer desista de recorrer à medida.
 
A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) aprovou o projeto da senadora Kátia Abreu (PMDB-TO), na semana passada, por 16 votos a um. Caso não haja recurso, a proposta tem caráter terminativo e segue diretamente para a promulgação.
 
A iniciativa é uma reação da bancada ruralista à decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), que declarou a cobrança do Funrural – uma espécie de contribuição previdenciária – constitucional para as pessoas físicas.
 
Como muitos produtores não vinham fazendo o recolhimento do dinheiro, isso levou a um passivo bilionário e que agora precisa ser quitado. A dívida total dos produtores com o Funrural é de R$ 34,1 bilhões, segundo dados fornecidos pela Receita Federal .
 
“Garantimos votos para a aprovação do projeto da senadora Kátia porque acreditamos que poderá ser uma nova alternativa sobre o passivo que está deixando todo mundo de cabelo em pé, pela quantidade de dívida que gerou a decisão do Supremo”, argumentou Nilson Leitão, para a reportagem do Olhar Direto, em Cuiabá.
 
No caso das dívidas de pessoas físicas (R$ 17 bilhões), o governo editou um programa de parcelamento de débitos tributários, Refis, para que os devedores possam regularizar a situação. O prazo de adesão do programa vai até 29 de setembro. Diante do PRS aprovado, a FPA também pede o adiamento desse limite para o fim do ano.  
 

21 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agro Olhar. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agro Olhar poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Manolo
    21 Set 2017 às 14:46

    CALOTE, simples assim...os famosos, expoentes, mágicos, que lucram com a terra, o sol, a água, que é de todos, e ainda, por fim, pedem perdão para o que o mercado chama da CALOTE...não se trata de auditoria, se trata de CALOTE...

  • Flavio
    05 Set 2017 às 13:03

    NOSSA QUANTA IGNORÂNCIA. Por isso que o país está essa draga cheio de corrupto. Como um povo tão bem informado esperar o que. SO PARA LEMBRAR. O AGRO NÃO SONEGA. Não compra insumos, diesel, semente, adubo etc sem nota e não vende sem nota, assim paga imposto em tudo. Acho que deveria por 20% de ICMS sobre a produção para os comentaristas inteligentes sentir na mesa o preço 20% mais caro. Bando de gente desinformada o Agro produz COMIDA ....

  • Flavio
    05 Set 2017 às 07:03

    É triste ver que a maioria crítica sem saber nada sobre o assunto. É muito simples: ocorre bitributação por que o produtor paga INSS duas vezes, uma na folha de pagamento e outra vez sobre a produção (funrural) e pelo que sei a constituição federal proíbe bitributação ... Simples assim.

  • Marcio
    04 Set 2017 às 18:16

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • Antonio
    04 Set 2017 às 17:54

    Imagine você !!! Você compra um veiculo chamado AGRO, vai ao posto de combustível e encosta o carro na bomba de Gasolina / Etanol. Frentista: - Gasolina ou Etanol? Você: - Tanto faz....!!! Completa!!! Frentista: -OK Após completar o tanque o frentista traz duas notas. Uma de 50 litros de gasolina a R$3,80 por litro...Total R$ 190,00, Outra de 50 litros de etanol a R$ 2,10 por litro...Total R$ 105,00 Total a pagar R$ 295,00 Responda: Esta correta a cobrança? Pois então O produtor AGRO, vai com seu veiculo PRUDUZIR e quer contribuir, mas NÃO PODE escolher qual COMBUSTÍVEL deve CONSUMIR ( INSS ) porque é TOTAL FLEX. Então o( Frentista) INSS resolve que ele deve contribuir pela a FOLHA DE PAGAMENTOS, mas apresenta a: Folha de pagamento...20% Volume de vendas .....2,3% Responda: Esta correta a cobrança?

  • luis
    04 Set 2017 às 17:34

    NÃO SE PODE PERDOAR GRANDES AGRICULTORES QUE NÃO PAGARAM O FUNRURAL...ONDE ESTÁ A JUSTIÇA COM OS TRABALHADORES QUE DEDICAM ANOS NA LABUTA DO TRABALHO AGROPECUÁRIO??? SE NÃO PAGARAM QUE VÃO TER QUE PAGAR... TUDO BEM, O GOVERNO PAGOU PARA O TRABALHADOR , MAS ISSO GEROU-SE UM PASSIVO, E O GOVERNO TEM QUE RECEBER... OS AGROPECUARISTAS JÁ NÃO PAGA IMPOSTO COMO SE DEVE E AINDA QUEREM DAR MAIS ESSE CALOTE ???? SÓ NESSE PAÍS ...INFELIZMENTE

  • Contribuinte
    04 Set 2017 às 14:37

    Ano que vem tem eleições. Vamos tirar essa turma do agronegócio, empreiteiros, donos de empresas de ônibus, grandes empresários. Tem que eleger gente do povo!

  • ALEXANDRE
    04 Set 2017 às 14:31

    O problema que a todos que comentaram até agora não sabe nem do que fala o assunto, funrural não é empréstimo. Pesquise e se aprofunde no assunto para comentar....

  • JOAO AROLDO
    04 Set 2017 às 14:22

    Uma verdadeira vergonha, de uma lado o trabalhador e responsavel e tem de pagar pela dívida, do outro o governo abraçando grandes empresarios, perdoando dividas e concedendo vantagens.

  • CARLOS
    04 Set 2017 às 14:09

    Depois dizem que a previdência esta quebrada, e quem paga a conta são os trabalhadores!!! Para esses reforma com ampliação da idade para aposentar, aumento de 11 para 14% de cobrança entre outros....ja para a turma do sonegadores anistia!!!! Brasil do jeitinho que nunca vai acabar!!!!

Sitevip Internet