Olhar Agro & Negócios

Sexta-feira, 17 de janeiro de 2020

Notícias / Logística

Rodovia federal vai ficar 60 km mais longa porque indígenas não permitiram asfalto em Suiá Missu

Da Redação - Lázaro Thor Borges

25 Set 2017 - 13:45

Foto: Reprodução

Rodovia federal vai ficar 60 km mais longa porque indígenas não permitiram asfalto em Suiá Missu
A pavimentação da BR-158, cujo edital de licitação foi publicado na última sexta-feira (22), terá de contornar a Terra Indígena Maraiwatsede, considerada uma das principais zonas de conflito recente, em Mato Grosso. Os indígenas proíberam que o Governo Federal pavimentasse parte da rodovia que passa no interior das aldeias.

Leia mais:
Mato Grosso perdeu R$ 5 bilhões com desoneração da Lei Kandir em 2016


A estrada vai ficar pelo menos 60 Km mais longa com a alteração exigida pela comunidade indígena. O edital de licitação prevê a pavimentação de um lote de 94 km da BR-158, no trecho entre Alto Boa Vista e o Posto Luizinho, em Mato Grosso. A BR-158 é considerada um dos principais eixos de escoamento da produção agrícola e sua pavimentação é tida como fundamental para incrementar a economia da região do Araguaia.

Ainda restam 195 km a serem pavimentados na rodovia dentro do estado. Desse total, 94 km estão sendo licitados. Outros 101 km, que ligam os municípios de Bom Jesus do Araguaia, Serra Nova Dourada e Alto Boa Vista devem ter a licitação lançada ainda este ano, segundo informações do Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes).

O que dizem os políticos

O senador Wellington Fagundes, presidente da Frente Parlamentar de Logística de Transportes e Armazenagem, comemorou a publicação do edital, mas lembrou que ainda existe possibilidade da rodovia passar em terra indígena, diminuindo o trajeto.

"Com a determinação dos indígenas o trecho a ser pavimentado vai incorporar novas cidades e incrementar a economia nesses municípios" disse o senador. "O que não impede que, no futuro, mediante autorização dos indígenas, a rodovia possa ser asfaltada dentro da reserva", acrescentou.

O deputado estadual Baiano Filho (PSDB) avalia a decisão pelo contorno como um avanço na garantia de desenvolvimento da região, assegurando tráfego seguro e competitividade à produção Norte Araguaia.  

Ao lado do senador Wellington Fagundes, parlamentares, prefeitos, vereadores e outras lideranças da região, Baiano tem sido um dos principais articuladores para a conclusão da rodovia, mantendo uma agenda de cobranças junto ao Governo Federal.

A partir da divisa de Mato Grosso com o Pará, a rodovia já está totalmente asfaltada, permitindo o acesso a Redenção (PA) e, por meio de duas rodovias estaduais, ao terminal de cargas da ferrovia Norte/Sul, em Palmeirantes (Tocantins). "De lá, chega-se ao porto de Itaqui, no Maranhão", lembra o diretor-executivo do Movimento Pró-Logística, Edeon Vaz Ferreira.

Segundo ele, pelo menos 3 milhões de toneladas de grãos da produção agrícola de Mato Grosso devem ser escoados, este ano, pelo porto de Itaqui. "Com o asfalto total da BR-158, esse volume deve aumentar", diz.

"A pavimentação total da rodovia consolida esse novo traçado da rodovia e permite o acesso aos portos do chamado Arco Norte", diz o superintendente do Dnit em Mato Grosso, Orlando Fanaia Machado.

16 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agro Olhar. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agro Olhar poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Elson - Luciara MT
    26 Set 2017 às 13:54

    Essa Br 158 virou piada e mais uma enganação em período eleitoral que esta chegando, se não sai pelo trajeto original imagina comigo pelo contorno que custo dessa obra vai dobrar com detonação de serra e aterro em alta escala e bueiros e pontes, e a licença ambiental que demora 200 anos para se aprovada, isso tudo e mais uma conversa fiada, vamos ver pra crer, não entendo que as terra e na união e não pode fazer asfalto só aqui mesmo no Brasil, uma vergonha.

  • Maria Paiva
    26 Set 2017 às 09:53

    Uma crise dessa , passa em outra trecho so Jesus na causa. Dia que estiver um macho de verdade quero ver jndio manda no brasil.

  • marcelo
    26 Set 2017 às 08:26

    penso que o melhor a se fazer e desviar das terras indigénas para que no futuro, não nós tornemos vitimas dos abusos(cobrança de pedigios) que eles cometem, assim como fazem naBR-070 entre barra do garças e primavera do leste.

  • Aroldo Telles
    26 Set 2017 às 08:13

    Na verdade muita gente fala o que não sabe, este trecho antigo so beneficiaria 04 ou 05 fazendas, já o novo trecho ira atender 06 cidades qeu estavam esquecidas e mais 05 distritos, portanto, neste caso os indios fizeram um favor ao progresso.

  • Divino
    26 Set 2017 às 06:57

    Só no Brasil e que "indígenas "ong mandão e desmandao no futuro do Brasil

  • nonato
    26 Set 2017 às 06:48

    compra do frigorifico uns duzentos cipó deboi poe pra secar e manda os os indios ficar tudo agrupado e chega o cipó no lombo deles,ai quero ver se num sai asfalto dentro da estrada

  • nonato
    26 Set 2017 às 06:48

    compra do frigorifico uns duzentos cipó deboi poe pra secar e manda os os indios ficar tudo agrupado e chega o cipó no lombo deles,ai quero ver se num sai asfalto dentro da estrada

  • jota jota
    26 Set 2017 às 06:42

    Ola Genuir, concordo plenamente com você e agora tem mais adepto, e o povo do vale do Araguaia não aprende.

  • Gpi
    25 Set 2017 às 23:59

    Iria desapropriar ??? Não!!! Então fazem o que bem entende da mesma.

  • JOrdan
    25 Set 2017 às 17:31

    Tá certo, Índio é dono da terra e tem que ficar vivendo sem asfalto. Assim evita mais problemas e pedágio ilegal

Sitevip Internet