Olhar Agro & Negócios

Quarta-feira, 24 de julho de 2019

Notícias / Pecuária

Decreto de Taques reduz ICMS de suínos de 12% para 6% e expectativa é de salto na produção em Mato Grosso

Da Redação - Ronaldo Pacheco

06 Out 2017 - 11:35

Foto: Rogério Florentino Pereira/ Olhar Direto

Decreto de Taques reduz ICMS de suínos de 12% para 6% e expectativa é de salto na produção em Mato Grosso
Dentro de poucos anos, Mato Grosso deve estar entre os líderes em produção de carne suína, no Brasil, com qualidade para conquistar o mercado exterior, principalmente Europa e Ásia. A projeção partiu do governador José Pedro taques (PSDB) e sua equipe economia, durante assinatura do decreto que estabelece a redução de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) para produtores de suínos.
 
Pedro Taques crê ser, no momento, a principal forma de incentivar a suinocultura em Mato Grosso. Ao assinar o documento, que reduz o imposto de 12% para 6%, Taques declarou confiança no setor e pontuou que o novo percentual trará crescimento econômico, criação de novos frigoríficos e aumento de empregos em Mato Grosso.
 
Leia Mais:
- Governo Federal deve antecipar pagamento do FEX a MT; folha salarial é prioridade

- Taques mantém decisão de concluir VLT e diz que rompeu com consórcio para MT "perder menos"

Mesmo com a redução do ICMS, o Estado ampliará sua receita devido ao aumento da venda de suínos para outros mercados, explica o secretário Carlos Avalone Júnior, de Desenvolvimento Econômico. “Em Mato Grosso temos grandes frigoríficos, mas eles têm os seus próprios produtores. Então, esse excesso, causado por não ter frigoríficos suficientes para abater a produção, poderá ser vendido para outros estados”, ponderou o titular da Sedec.
 
Além de impulsionar o desenvolvimento, o decreto também visa solucionar problemas do mercado interno, como a retomada da construção de um grande frigorífico em Rosário Oeste, que está com a estrutura pronta mas que teve as obras paradas devido à queda de consumo causada pela crise econômica que atingiu o país.
 
“Este frigorífico será o maior do Brasil, mas, para que o empresário possa retomar a obra, ele precisa ter um aumento na produção de suínos em Mato Grosso. Enquanto não fica pronto, esse excedente tem que ser vendido para outros estados e esse é um dos principais motivos para essa redução do ICMS. O aumento previsto na produção é de 30 mil para 80 mil suínos”, explica Avalone.
 
A redução do imposto é uma reivindicação antiga do setor, lembrou o presidente da Associação dos Criadores de Suíno de Mato Grosso (Acrismat), Raulino Machado. “Conseguimos esse decreto que vai favorecer muito a suinocultura. Com a redução do ICMS é automático o aumento da quantidade de suínos e a implantação de novos frigoríficos, uma coisa puxa a outra”, comemorou.
 
Também participaram do ato de assinatura no Palácio Paiaguás o secretário de Fazenda, Gustavo Oliveira, o deputado federal Nilson Leitão, presidente do PSDB; os deputados estaduais Dilmar Dal Bosco (DEM), Baiano Filho (PSDB) e Mauro Savi (PSB), e representantes de associações e empresários do setor de suinocultura de Mato Grosso.

3 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agro Olhar. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agro Olhar poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Marco
    08 Out 2017 às 12:36

    Absurdo. Se pode renunciar às receitas, então não tem crise, ou será tem a ver com a reeleição ? Joesley Batista não vai poder mais financiar...

  • Henrique
    07 Out 2017 às 15:50

    Depois dizem que o Pivetta não tem força.

  • Ney
    06 Out 2017 às 16:52

    Aí não tem dinheiro para pagar o servidor. Fica dando vantagem para os riscos.

Sitevip Internet