Olhar Agro & Negócios

Sexta-feira, 07 de agosto de 2020

Notícias / Economia

Estado renegocia mais de R$ 260 mi com contribuintes em débito; ICMS e IPVA lideram lista

Da Redação - André Garcia Santana

22 Dez 2017 - 14:41

Foto: Reprodução/Gcom MT

Estado renegocia mais de R$ 260 mi com contribuintes em débito; ICMS e IPVA lideram lista
Durante os 11 dias do II Mutirão Fiscal foram renegociados R$ 260.835.430,94 e feitos 11.972 acordos entre contribuintes e Governo do Estado. O total que vai entrar para o caixa do governo estadual e das prefeituras, com os pagamentos à vista, ou da primeira parcela da renegociação, até o próximo dia 28, é de R$ 95,6 milhões. A renegociação de ICMS em atraso somou R$ 139,8 milhões. Já a negociação de IPVA em atraso foi de R$ 15,6 milhões.

Leia mais:
Adesão ao Refis é prorrogada e vai beneficiar contribuintes em renegociação com Estado

Os números foram apresentados na manhã desta sexta-feira (22), durante coletiva de imprensa realizada na sede da Procuradoria Geral do Estado. Na ocasião o procurador geral do Estado Rogério Gallo anunciou que os contribuintes que não puderam participar do Mutirão Fiscal Estadual ainda poderão renegociar seus débitos com as mesmas vantagens até o próximo dia 28. O atendimento a partir de terça-feira, entretanto, só será feito na sede da PGE, ou nas agências da Secretaria de Fazenda.

De acordo com ele, o evento atingiu os objetivos e superou o primeiro realizado em 2015. O procurador geral destacou que ações como essa evitam a judicialização, extinguem e diminuem o número de execuções na justiça. E reafirmou que os recursos serão aplicados para atender o setor de saúde, por determinação do governador Pedro Taques.

“Os recursos arrecadados serão destinados em quase a sua totalidade para o setor de saúde, principalmente para a compra de equipamentos para o novo Pronto Socorro de Cuiabá que está em fase de construção. O esforço desse mutirão é para resolver problemas  sobretudo na área da saúde”, disse.

O Mutirão Fiscal Estadual foi realizado numa parceira entre o Governo do Estado, por meio da Procuradoria Geral do Estado e Secretaria de Fazenda, e do Poder Judiciário, via Corregedoria Geral de Justiça. O evento teve como objetivo receber débitos com o Governo do Estado, inscritos ou não na dívida ativa, evitar a judicialização das dívidas e reduzir o volume de processos hoje existentes na Vara de Fazenda Pública.

A juíza da Vara de Execução Fiscal de Cuiabá, Adair Julieta da Silva, mostrou-se muito satisfeita com os resultados obtidos no mutirão. Segundo a juíza, ele atendeu à proposta do Conselho Nacional de Justiça de diminuir o congestionamento dos processos na área de execução fiscal. 

“Isso só demonstra o sucesso dessa parceria feita entre o Poder Judiciário e o Governo do Estado. Esses 260 milhões de valores negociados é um número fantástico, assim como o número de acordos. Uma outra questão que temos que ressaltar aqui  é o mote desse mutirão que é o  do resgate da cidadania dos contribuintes devedores. Porque são aquelas pessoas que estão em débito e nesse período do mutirão tem a oportunidade de pagarem esses débitos  com desconto”, disse a juíza Adair das Silva Leite.

A subprocuradora geral adjunta, Gabriela Novis Neves Pereira, praticamente transferiu seu gabinete para a Arena Pantanal no período do mutirão. Para ela, a ação mostrou o trabalho e a união de esforços dos servidores da PGE, trabalho que valeu a pena como mostram os números.

“A PGE esteve lá, a liderança da PGE, tendo à frente o procurador Rogério Gallo , irradia o tom da instituição. E o tom da instituição no ano de 2017, foi  a arrecadação para ajudar as contas do Estado. A gente procurou se estruturar para atender o cidadão da melhor forma possível. Fizemos muito mais com menos, porque não tínhamos realmente toda a estrutura, que vai ser o nosso grande avanço para 2018, que é investir na tecnologia da informação. Esse atendimento ao cidadão nos fez sentir muito feliz”, salientou Gabriela.

1 comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agro Olhar. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agro Olhar poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Imposto pago retorno zero
    23 Dez 2017 às 12:27

    Inclusive se os impostos fossem mais justos a adimplência seria maior com certeza ,mas o valores pesam demais nas costas do trabalhador é insuportável.

Sitevip Internet