Olhar Agro & Negócios

Domingo, 15 de dezembro de 2019

Notícias / Energia

Reajuste na tarifa de energia de 10,62% começa a valer no próximo mês em todo Estado

Da Redação - Fabiana Mendes / Da reportagem local - André Garcia Santana

30 Mar 2018 - 14:29

Foto: Agro Olhar

Diretor-presidente da Energisa Mato Grosso, Riberto Barbanera.

Diretor-presidente da Energisa Mato Grosso, Riberto Barbanera.

O reajuste na tarifa da energia em Mato Grosso proposto pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) deve começar a valer a partir do dia 8 de abril. Para consumidores residênciais, o aumento previsto é de 8,4%, para pequenos comércios, que são conectados a rede de alta tensão, o aumento é de 10,62%. Já para os clientes industriais, o reajuste é de 2,5%.  As informações foram divulgadas nesta semana pelo diretor-presidente da Energisa Mato Grosso, Riberto Barbanera.

Leia mais: 
Tarifa de energia pode ter reajuste de 10,64% em residências de MT

A distribuidora atende a 1,3 milhão de unidades consumidoras em 141 municípios de Mato Grosso. A proposta de reajuste faz parte de um ciclo de revisão tarifária da companhia, processo que é feito a cada cinco anos, conforme explica o diretor-presidente.

“A revisão tarifária acontece a cada cinco anos, por força de Legislação. A federação vai olhar para todos os investimentos feitos neste período de cinco anos e passar a remunerar os investimentos feitos pela empresa [concessionária de energia], para atender novos clientes, e a melhoria na qualidade do serviço, que ela tem que fazer. Isso acontece há cada cinco anos, e no intervalo entre esses anos, existe um reajuste anual de tarifa baseado na inflação”, disse ao Agro Olhar.

Os reajustes na energia foram discutidos em audiência pública entre os dias 24 de janeiro e 22 de março. Na ocasião, vários fatores influenciam na porcentagem do reajuste.  Entre eles estão: a compra da energia dos distribuidores, as perdas associadas dentro da própria concessionaria, os investimentos, todos os encargos setoriais que devem ser repassados ao Governo, além de inadimplência de clientes.

“Existe também, uma parcela da inadimplência, até um determinado limite, que também vai para a tarifa. Por isso, a nossa ênfase em combate a inadimplência, para que isso não acabe onerando todos os clientes”, disse ele, que ressaltou os mutirões que propõe condições especiais de negociação.  
 

4 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agro Olhar. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agro Olhar poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Sam
    01 Abr 2018 às 06:44

    A energia mais cara do país.

  • Mulher ma
    31 Mar 2018 às 08:16

    Absurdo!!! A gente ganha uma miséria de salário que não dá pra nada. Não sabemos mais onde economizar essa merda de energia Estou cansada de ser roubada todo mês Aumenta algo nessa porcaria de país e de governantes frouxos e corruptos.

  • Edvailson da Silva Pereira
    30 Mar 2018 às 20:28

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • Antônio
    30 Mar 2018 às 19:16

    A cada 5 anos o caralh... a energia aumenta todo ano... sinceramente estamos fudid... nesse País...

Sitevip Internet