Olhar Agro & Negócios

Terça-feira, 23 de julho de 2019

Notícias / Energia

Aneel aprova reajuste na energia elétrica de 13,98% em Mato Grosso

Da Redação - Fabiana Mendes

03 Abr 2018 - 18:45

Foto: Reprodução

Aneel aprova reajuste na energia elétrica de 13,98% em Mato Grosso
Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou o reajuste proposto pela concessionária Energisa. A partir do próximo domingo (08), os consumidores mato-grossenses terão aumento de 13,98% para redes de baixa tensão e 5,94% para alta e média tensão. O efeito médio a ser percebido pelo consumidor será de 11,53%.
 
Leia mais: 
Reajuste na tarifa de energia de 10,62% começa a valer no próximo mês em todo Estado

Na última semana, durante encontro com a imprensa, o diretor-presidente da Energisa Mato Grosso, Riberto Barbanera, havia adiantado que o reajuste seria de 10%, no entanto, a revisão foi ainda maior do que anunciada, anteriormente. 

A revisão tarifária é um processo previsto no contrato de concessão da empresa. Além disso, pela norma, o valor da tarifa poderá ser reajustado anualmente – o chamado Reajuste Tarifário Anual – e a cada cinco anos, no processo de Revisão Tarifária Periódica.
 
No Transporte de Energia, conforme a assessoria de imprensa, tem-se um impacto de -0,67% em virtude da indenização das transmissoras (RBSE). A Compra de Energia é responsável por +5,07% do efeito médio, cujo o principal ofensor é a situação hidrológica vivenciada no país no final do ano passado, provocando o acionamento de geradores termoelétricos com elevados custos. Na distribuição observa-se um impacto de +7,33% devido ao reconhecimento dos investimentos realizados nos últimos 5 anos.

Os reajustes na energia foram discutidos em audiência pública entre os dias 24 de janeiro e 22 de março. 

 
Composição da tarifa de energia
 
A tarifa de energia elétrica é composta por custos da distribuição, e os custos de transmissão e geração de energia, além de encargos e impostos. O preço final da tarifa é dividido, portanto, em duas parcelas:
 
Parcela A – trata-se de custos que não são de gestão da distribuidora, que atua apenas como arrecadadora;

Parcela B – custos diretamente gerenciáveis, administrados pela própria distribuidora, como operação e manutenção e remuneração dos investimentos.

 

1 comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agro Olhar. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agro Olhar poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • PRIME
    04 Abr 2018 às 08:12

    TUDO FORMA DE "ROUBAR MESMO" esta EXPLICAÇÃO ai não é MOTIVO pra mais reajuste sendo que o PAIS NÃO SAI DESTA MALDITA CRISE que esta PREJUDICANDO todo neste pais, e além disso esta CHOVENDO em QUASE TODAS AS REGIÕES

Sitevip Internet