Olhar Agro & Negócios

Sexta-feira, 19 de julho de 2019

Notícias / Indústria

Pré-candidato afirma que novo fundo do governo de equilíbrio fiscal prejudica setor produtivo

Da Redação - Vinicius Mendes

11 Mai 2018 - 14:56

Foto: Reprodução

Pré-candidato afirma que novo fundo do governo de equilíbrio fiscal prejudica setor produtivo
O empresário e pré-candidato à presidência da Federação das Indústrias de Mato Grosso (Fiemt), Kennedy Sales, afirma que a de criação de novo fundo, o Fundo Estadual de Equilíbrio Fiscal (FEF), apresentada pelo Governo do Estado vai prejudicar ainda mais o setor produtivo. De acordo com ele, nenhum dos fundos possuem uma destinação muito concreta.

Leia mais:
Taques assegura que 92% do comércio não contribui com FEF e agronegócio deve entrar
 
O empresário destaca que Mato Grosso já possui muitos fundos criados ao longo dos anos e que todos possuem uma coisa em comum, não possuem uma destinação muito concreta, o que pode se repetir se o FEF for aprovado. “Na nossa visão isso provavelmente se repetira com este fundo”.
 
Kennedy pontua que a carga tributária da indústria já é muito alta e gira em torno de 43%. Isso significa que de toda riqueza que o setor produz sobra pouco mais da metade para os custos de produção, pagamento de salários e benefícios aos colaboradores, investimentos em novas tecnologias e ampliação dos negócios, o que geraria mais empregos.
 
Mesmo com uma carga tributária tão alta, o retorno recebido pelo setor deixa muito a desejar. “Temos a energia mais cara do país, combustível com valor muito elevado e uma logística bem ruim”, enumera.
 
Para o empresário, o Estado, ao invés de propor a criação de um novo fundo, deveria fazer a “lição de casa” em relação às contas públicas. “É preciso enxugar a máquina, sob pena de, cada vez que houver um buraco nas contas se crie um imposto disfarçado para tapá-lo”.
 
O FEF foi elaborado pela Secretaria de Fazenda de Mato Grosso (Sefaz) e implica na taxação de benefícios a empreendimentos contemplados por programas de desenvolvimento e isenção fiscal para tentar arrecadar pelo menos R$ 500 milhões até o final do ano para gerar equilíbrio fiscal.  

1 comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agro Olhar. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agro Olhar poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Imposto pago retorno zero
    15 Mai 2018 às 18:41

    O PEQUENO EMPRESÁRIO PAGA IGUAL AO GRANDE ISSO É DESENVOLVIMENTO ?? O DINHEIRO TEM QUE FICAR NO BOLSO DE QUEM TRABALHA E PRODUZ, POIS IMPOSTO É SINONIMO DE CORRUPÇÃO EXTRAVIOS E FRAUDES

Sitevip Internet