Olhar Agro & Negócios

Domingo, 19 de setembro de 2021

Notícias / Economia

Economia forte

‘Cidades do Agro’ auxiliaram crescimento de voos em MT; Azul tem Cuiabá como hub não oficial

Da Redação - Wesley Santiago

19 Ago 2018 - 14:20

Foto: Rogério Florentino/Olhar Direto

‘Cidades do Agro’ auxiliaram crescimento de voos em MT; Azul tem Cuiabá como hub não oficial
As chamadas ‘Cidades do Agro’, como Sinop e Sorriso, foram primordiais para a aposta da Azul Linhas Aéreas em realizar diversas operações em Mato Grosso. Segundo o gerente de planejamento de malha, Vitor Silva, Cuiabá já se tornou – ainda não que não de forma oficial – um hub [designações dadas ao aeroporto utilizado por uma companhia aérea como ponto de conexão para transferir seus passageiros/carga para o destino pretendido] da companhia. Em dias de pico, são ao todo 31 decolagens, enquanto que a concorrência – junta – tem apenas 14.

Leia mais:
Cuiabá terá voos para Corumbá, Porto Seguro e Porto Alegre na alta temporada
 
“Desde o primeiro voo inaugural entre Campinas e Cuiabá, o David Neeleman –fundador da companhia – ouvia muito sobre o interior de Mato Grosso e o Centro-Oeste como um todo, principalmente destinos como Sinop e Sorriso. Isso despertou sempre uma atenção muito grande. Apostamos neste desenvolvimento e na fusão com a Trip a malha só aumentou desde então. Junto com Campinas, Confins e Recife, Cuiabá é uma das principais bases da Azul. Temos ligações com o Sudeste bastante grande e também muito forte em Rondônia”, explicou o gerente em entrevista ao Olhar Agro & Negócios.
 
A ideia é que a companhia, ao longo do tempo, adicionou outros destinos partindo da capital mato-grossense. Isso porque o Aeroporto Marechal Rondon já é considerado um hub não oficial da Azul Linhas Aéreas.
 
Sobre os voos previstos para Tangará da Serra e Cáceres, a companhia ainda não tem previsão de início: “Os aeroportos ainda precisam passar por várias reformas para receber a infraestrutura mínima. Não é algo tão simples e acaba sendo um pouco demorado. Temos acompanhado e conversado com os representantes das cidades. Temos visto de perto como as demandas estão encaminhando”, comentou o gerente.
 
“Visitamos com alguma regularidade o aeroporto de Cuiabá. Uma coisa que é bem legal de reconhecer é o tamanho que atingimos na cidade. Em dias de pico, são aproximadamente 31 decolagens, enquanto que a concorrência junta tem 14 voos. Temos o dobro em relação aos outros. Tudo isto é possível dada toda a conectividade que construímos na cidade, com o conceito de fazer ligações com municípios do interior”, acrescentou Vitor Silva.
 
Questionado sobre a possibilidade de volta do voo direto entre Cuiabá e Maringá, o gerente explicou que “ainda não encontramos o espaço de malha para voar nos melhores horários. Mas há a opção de no futuro voltar a ter voos regulares entre estas duas cidades”. Por enquanto, operações diretas entre os dois municípios acontecem de forma pontual em alguns feriados.

Voe MT
 
O programa ‘Voe MT’, criado com o objetivo de fomentar a aviação regional em Mato Grosso, deverá proporcionar uma redução de até 84% do valor da operação sobre a base de cálculo do ICMS incidente nas operações internas de aquisição de QAV (querosene de aviação), em território mato-grossense. Para as operações internacionais, as saídas de combustível e lubrificantes para o abastecimento de aeronaves com destino ao exterior terão isenção total do tributo.
 
Serão “beneficiárias exclusivas do incentivo do programa, as empresas de transporte aéreo em operação em rotas aéreas regulares de transportes de passageiros e/ou cargas com conexão, destino ou origem em municípios localizados no Estado”. A intenção é aumentar a oferta dentro de Mato Grosso. Sendo assim, um voo de Rondonópolis para São Paulo (SP), ou de Barra do Garças para Goiania, por exemplo, teriam esta isenção.
 
Para fazer parte do programa, as companhias terão de operar rotas aéreas de forma regular em dois ou mais municípios do Estado de Mato Grosso, nos casos de voos regionais e nacionais e pelo menos um, em internacionais. Além disto, tem de ser comprovada a autorização para operar a rota aérea pretendida, regularidade junto à Fazenda Pública Estadual relativa a todas as obrigações tributárias, inclusive as acessórias e regularidade junto aos órgãos de fiscalização. Além disto, terá de manter também  oficina de aeronaves no Estado.
 
Benefícios
 
As reduções do valor da operação sobre a base de cálculo do ICMS incidente nas operações internas de aquisição de QAV (querosene de aviação), em território mato-grossense, serão feitas da seguinte maneira: 20% para o transporte aéreo regular prestado em no mínimo dois municípios; 50% para operações em no mínimo quatro cidades; 60% para pelo menos cinco municípios; 72% para seis e 84% para pelo menos sete municípios. No caso de voos internacionais saindo do Estado, haverá a isenção destes tributos.
Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet