Olhar Agro & Negócios

Segunda-feira, 14 de outubro de 2019

Notícias / Logística

Para evitar explosão, gasoduto de GNV será esvaziado e FIEMT busca na Justiça reabastecimento

Da Redação - Vinicius Mendes

28 Set 2018 - 16:27

Foto: Lenine Martins/Secom-MT

Para evitar explosão, gasoduto de GNV será esvaziado e FIEMT busca na Justiça reabastecimento
O gasoduto que permite o transporte do gás natural da Bolívia direto para o Distrito Industrial de Cuiabá está prestes a ser bloqueado, por decisão da empresa que detém a autorização para a exploração da estrutura, a GasOcidente Mato Grosso (GOM). Todo o gás será incinerado para evitar acidentes.

A Federação das Indústrias de Mato Grosso (Fiemt) afirmou que, em parceria com Companhia Mato-grossense de Gás (MT-Gás), irá ingressar com uma ação civil pública na Justiça Federal para que a Agência Nacional do Petróleo (ANP) reative o abastecimento.
 
Leia mais:

Mato Grosso fica sem abastecimento de GNV e Governo entra com ação na Justiça
 
A empresa formalizou a decisão de interromper as atividades por tempo indeterminado à Agência Nacional do Petróleo (ANP) e agora deve iniciar os procedimentos para o bloqueio. Isso inclui a queima de todo o gás que está parado na tubulação – um total de 5 milhões de metros cúbicos (m3) – seguida pelo preenchimento do duto com nitrogênio. O procedimento é necessário para evitar acidentes.

O gás que deverá ser incinerado tem um valor de mercado próximo a US$ 925 mil – equivalente a R$ 3,9 milhões. Para as indústrias, esse custo tem um significado muito maior: é um golpe direto na competitividade, por acabar com uma fonte de energia de baixo custo.

A GOM alega não ter mais interesse na exploração do gasoduto a partir do momento em que a Petrobras deixou de atender à Usina Termelétrica Mario Covas, em Cuiabá, que pertence à Âmbar Energia. Tanto a GOM quanto a Âmbar pertencem ao Grupo J&F.

O contrato com a Petrobras era necessário porque a Bolívia não tem disponibilidade contratual para fornecer o gás necessário para o funcionamento da usina – mas tem um contrato de fornecimento com a estatal.

Com isso, uma fração do gás comprado pela Petrobras era revendido à Âmbar. Após desdobramentos de denúncias relacionadas ao grupo J&F na Operação Lava-Jato, a Petrobras suspendeu o acordo, alegando questões de compliance.

Empresários da indústria, do setor de postos de combustíveis, reparadores automotivos, taxistas e motoristas de Uber querem que a GOM volte a fechar um contrato para o transporte do gás até Cuiabá – onde a empresa GNC Brasildistribui o produto para indústrias e postos de combustíveis, que, por sua vez, o revendem para taxistas e outros motoristas.

Isso porque, independentemente do acordo da Petrobras com a Âmbar, se o contrato estiver em andamento o governo boliviano libera o envio de quantidades menores do gás sempre que existe sobra, o que é suficiente para o abastecimento do parque industrial e postos de combustíveis, no cenário atual.

A demanda tem o apoio da Federação das Indústrias no Estado de Mato Grosso (Fiemt), do Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis de Mato Grosso (Sindipetróleo) e da Companhia Matogrossense de Gás (MT Gás).

O presidente da MT Gás, Emmanuel Almeida Figueiredo Júnior, explica que a GOM chegou a abrir espaço para a renovação do contrato de transporte do gás, há quase um ano, porém com a tarifa majorada em mais de 10 vezes.

Como houve questionamento da MT Gás sobre a majoração, o assunto se estendeu até fevereiro deste ano, quando a GOM informou que não tinha mais interesse em renovar o contrato. Desde então, a liberação do transporte de gás foi obtida por meio de decisões judiciais – e está suspensa desde 10 dejulho.

Para o presidente da Fiemt, Jandir Milan, a liberação do gasoduto não pode ficar atrelada ao funcionamento da usina. “Entendemos que esse impasse só existe por se tratarem de empresas do mesmo grupo econômico, que defendem os mesmos interesses, enquanto diversos setores ficam à mercê de decisões unilaterais”, afirma.
 
Indústria
 
A suspensão do envio do gás afeta diretamente as indústrias que se estruturaram para usar o Gás Natural como fonte de energia. O resultado do desabastecimento são empresas paradas ou funcionando com Gás Liquefeito de Petróleo (GLP), que chega a custar o triplo do valor do gás natural.

Atualmente, se a GOM liberasse o uso apenas do gás que já está na tubulação – e que será incinerado em breve – já seria possível atender ao consumo atual por cerca de quatro anos – já que, em média, vinham sendo consumidos 100 mil m3 por mês (considerando indústrias e abastecimento de veículos).

Porém, um estudo elaborado pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai MT) para a MT Gás mostra que o potencial é pelo menos 10 vezes maior. Após contato com mais de 40 indústrias de Cuiabá e Várzea Grande, a pesquisa indica uma demanda potencial que pode chegar aos 3 milhões de m3de gás natural por mês para indústria na região metropolitana.

Apenas no Distrito Industrial de Cuiabá, a estimativa é de que mais de 100 indústrias passariam a usar o gás natural se estivesse disponível – e se a tubulação para distribuição fosse executada. Hoje, cinco indústrias dependem do gás. Elas chegaram a paralisar as atividades por 15 dias e agora arcam com o custo mais alto do GLP.

Ainda de acordo com a MT Gás, nos estados onde o abastecimento do gás natural é firme, a industrialização avançou mais. Em Mato Grosso do Sul, o consumo chega a 700 mil m3 por dia – cerca de 20 milhões de m3 mensais.

Esses dados mostram que é improcedente a afirmação da GOM de que não vale a pena continuar a operação do gasoduto sem que a usina térmica esteja em funcionamento. “O modelo de negócio atual faz com que o foco da GOM seja apenas a usina, negligenciando o grande mercado potencial existente”, afirma o presidente da Fiemt, Jandir Milan.
 
Postos de combustível

Entre os postos que possuem bombas para o abastecimento com gás natural, o cenário é de incertezas. Luiz Flávio Blanco Araújo é proprietário de um posto que está com um terço da capacidade parada – das seis bombas  de seu estabelecimento, duas são de gás natural.

Com a nova suspensão do fornecimento, veio o impasse: ou demite parte do pessoal e mantém as bombas à espera da regularização do fornecimento, ou desiste e substitui as bombas de gás natural pelas de combustíveis tradicionais.

Nenhuma das alternativas é bem vista pelo empresário, que defende o fornecimento firme e confiável do gás.Se ele desistir, o negócio tende a morrer, pois hoje só existem dois postos que oferecem gás natural da capital – e já foram 12. Em Mato Grosso do Sul, são oito postos na capital, Campo Grande, e um em Três Lagoas.

Araújo conta que a média de abastecimentos em seu posto chegava a 3 mil por mês, antes da suspensão, com um volume total de 35 mil m3 de gás. A redução no custo do abastecimento com GNV, em média, chega a 60% se comparada à gasolina e 48% em relação ao etanol.

Além da economia, ele lembra que o gás natural é menos poluente do que outros combustíveis, pois emite de 20 a 30% menos dióxido de carbono do que a gasolina. Itens de manutenção também se tornam mais econômicos.

Veículos

Existem cerca de 1.600 veículos equipados com o kit para abastecimento a gás na Grande Cuiabá. Desses, quase 800 são de taxistas de Cuiabá e Várzea Grande – quase a metade da frota de táxis.

Além disso, cerca de 300 prestam serviços como por meio da Uber. A falta do gás uniu as duas categorias, uma vez que voltar a abastecer com etanol ou gasolina provoca aumento nos custos e reduz muito a margem de lucro desses profissionais, prejudicando o rendimento de mais de mil famílias.

De 12 estabelecimentos especializados na instalação de kits veiculares para o abastecimento com gás natural, resta apenas um – que mantém as portas abertas porque também atua em outros serviços.

O proprietário, Wilson Lopez, afirma que instalava em média 16 kits por mês, antes do corte do gás. Ainda recebe muitas ligações de interessados, que não sabem da suspensão do fornecimento.

Ele explica que a instalação de um kit custa entre R$ 4 mil e R$ 4,5 mil. O valor é compensado pela redução no custo do abastecimento.

Ao contrário do que ocorre aqui, em outros estados a demanda por instalações vem subindo, tanto que os fornecedores de equipamentos chegam a atrasar a entrega de kits, de acordo com Lopez.

1 comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agro Olhar. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agro Olhar poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Oscar Mocker
    29 Set 2018 às 12:49

    muitos consumidores foram iludibriados com a proposta de um novo combustivel o GNV e a quem aderiu ficou com o prejuizo e a incerteza. Espero que esses irresponsaveis dessa empresas pensem bem o que estão fazendo. que o prejuizo e muito grande. .

Sitevip Internet