Olhar Agro & Negócios

Domingo, 25 de agosto de 2019

Notícias / Economia

Após leilão, empresas terão de aumentar embarque no Aeroporto Marechal em 65%

Da Redação - José Lucas Salvani

19 Mar 2019 - 10:51

Foto: Rogério Florentino/Olhar Direto

Após leilão, empresas terão de aumentar embarque no Aeroporto Marechal em 65%
O Consórcio Aeroeste tem 180 dias após a assinatura do contrato para realizar investimentos e melhorias imediatas, e deve aumentar em 65% o número de embarques de voos domésticos e 95% de voos internacionais no Aeroporto Internacional Marechal Rondon. As empresas ficam responsáveis pelos aeroportos do Bloco Centro-Oeste (Cuiabá, Sinop, Rondonópolis e Alta Floresta).

Leia mais:
Veja quais são as duas empresas que irão gerir quatro aeroportos de Mato Grosso

De acordo com a Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC), nos 180 dias iniciais de contrato, o concessionário deverá fazer investimentos e melhorias imediatas, como revisão de sistemas de climatização, escadas e esteiras rolantes, elevadores, disponibilização de internet wi-fi gratuita em todo o Terminal de Passageiros, adequação de banheiros e fraldários, revitalização e atualização das sinalizações.

Para o Aeroporto Internacional Marechal Rondon, em até três anos, durante a Fase 1B, deve ser aumentada a capacidade de processamento de passageiros, atendendo os parâmetros nas recomendações da Associação Internacional de Transportes Aéreos (IATA). Em até cinco anos deverão ser feitas adequações na segurança operacional do sistema de pista e pátio para operar nas Regras de Voo por Instrumento (IFR), sem restrição noturna e diurna, de aeronaves código “4C”.

Ainda para o aeroporto da capital, a empresa gestora tem até três anos para aumentar o percentual de processamentos em pontes de embarque em 65% o número de voos domésticos e 95% para voos internacionais.

O Consórcio Aeroeste deve fazer adequações de segurança operacional de pista e pátio nos aeroportos de Sinop, Rondonópolis e Alta Floresta para garantir a operação de aeronaves de código “3C”. Segundo a ANAC, a empresa ainda deve prover um sistema visual de aproximação nas cabeceiras de pistas de pousos e decolagens a jato, além de garantir um atendimento nos parâmetros da IATA.

Durante os cinco primeiros anos de concessão, será investido R$ 386,7 milhões nos quatro aeroportos do Bloco Centro-Oeste. O investimento previsto ao longo das três décadas é de R$ 770 milhões. Com a concessão de 30 anos, é esperado que o número de passageiros ao ano triplique até 2049. Em 2019, é previsto que 3,2 milhões de passageiros circulem pelos aeroportos de Mato Grosso. A ambição é de que em 2049 o número chegue em 9,1 milhões.

R$ 40 milhões

Na última sexta-feira (15), aconteceu o leilão de 12 aeroportos que foram divididos em três blocos - Centro-Oeste, Nordeste e Sudeste. O Bloco Centro-Oeste é o único com aeroportos de somente um estado e foi arrematado pela Consórcio Aeroeste, composto pelas empresas Sociedade Nacional de Apoio Rodoviário e Turístico (Sinart) e a Sociedade Civil Campineira (Socicam), pelo valor de R$ 40 milhões. O lance inicial era de R$ 800 mil.

1 comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agro Olhar. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agro Olhar poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Marco Arantes
    20 Mar 2019 às 09:51

    Tem que aumentar este aeroporto e tirar aquelas empresas que montam até churrascaria e boate onde deveria ser instalação do aeroporto. Absurdo isto.

Sitevip Internet