Olhar Agro & Negócios

Quinta-feira, 19 de setembro de 2019

Notícias / Economia

Em três meses, mato-grossenses pagaram R$ 9 bi em impostos

Da Redação - Fabiana Mendes

05 Abr 2019 - 15:53

Foto: Da assessoria

Em três meses, mato-grossenses pagaram R$ 9 bi em impostos
Somente nos três primeiros meses deste ano, os mato-grossenses pagaram cerca de R$ 9 bilhões em impostos federais, estaduais e municipais. A nível nacional o montante ultrapassa os R$ 665 bilhões. Os valores estão expostos no “Impostômetro”, painel de LED com cerca de 18 m² instalado na sede da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Mato Grosso (Fecomércio-MT), localizado na Avenida Historiador Rubens de Mendonça, no CPA, em Cuiabá.

Leia mais:
Aneel aprova reajuste de 11,29% na conta de energia elétrica a partir da próxima segunda-feira

O painel foi inaugurado nesta quinta-feira (04), com a presença do presidente da Confederação Nacional do Comércio (CNC), José Roberto Tadros.“O Impostômetro é um balizador muito grande para esclarecer a população do quanto é cobrado deles, desta forma, eles podem cobrar dos seus governantes que os impostos sejam revertidos em serviços sociais. Desta forma, se entende que se paga impostos de mais, e não recebemos em troca, os benefícios”, afirma Tadros.

O presidente da CNC, também criticou a política de cobrança de impostos no país, “a reforma tributária é absolutamente inadiável. São tributos em cascata que vem de municípios, estado e União. No Brasil, da imprevisibilidade política e econômica, o empresário vai dormir com um regra e acorda com outra. Nós não conseguimos acompanhar. Para dar conta dos impostos, nós não conseguimos produzir bens e lucros que remunerem bem o trabalhador, fazem o dinheiro circular, produzir riquezas e alavancar a economia do país”.

Segundo José Wenceslau de Souza Júnior, presidente da Fecomércio, Sesc e Senac em Mato Grosso, o painel vai trazer informações em tempo real, que vão além dos tributos. “Queremos chamar a atenção de quem passa pelo local. Vamos apresentar as informações em tempo real dos impostos, mas também sobre o trânsito e o valor da cotação dos commodities produzidos em Mato Grosso, e os serviços prestados pela Fecomércio, Sesc e o Senac”, esclarece.

Múcio Ribas, tributarista da Fecomércio, revela que “os números apresentados no Impostômetro incluem taxas, contribuições e juros. Do montante apresentado 68% é referente a arrecadação federal, 25% dos estados e 6% dos municípios. Se percebe que a maior fatia vai para a União”.

De acordo com a assessoria de imprensa, o levantamento utilizado das arrecadações federais é da Receita Federal do Brasil, Secretaria do Tesouro Nacional, Caixa Econômica Federal, Tribunal de Contas da União, e IBGE. As receitas dos estados e do Distrito Federal são apuradas com base nos dados do CONFAZ – Conselho Nacional de Política Fazendária, das Secretarias Estaduais de Fazenda, Tribunais de Contas dos Estados e Secretaria do Tesouro Nacional do Ministério da Fazenda. As arrecadações municipais são obtidas através dos dados da Secretaria do Tesouro Nacional, dos municípios que divulgam seus números em atenção à Lei de Responsabilidade Fiscal, dos Tribunais de Contas dos Estados.

1 comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agro Olhar. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agro Olhar poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Juracy Ady
    05 Abr 2019 às 21:29

    Pra sustentar os privilégios do judiciário e políticos.

Sitevip Internet