Olhar Agro & Negócios

Quarta-feira, 20 de novembro de 2019

Notícias / Energia

Parque de energia solar de Cuiabá oferece serviço que reduz conta de luz em até 20%; fotos e vídeo

Da Redação - Wesley Santiago

11 Abr 2019 - 10:10

Foto: Rogério Florentino/Olhar Direto

Parque de energia solar de Cuiabá oferece serviço que reduz conta de luz em até 20%;   fotos e vídeo
O primeiro parque de energia solar do Centro-Oeste, batizado de Oeste Solar Park e localizado na Estrada da Guia, em Cuiabá, chega ao mercado com o objetivo de reduzir em até 20% a conta de energia de empresas que atuam no Estado. O sistema inovador é uma espécie de distribuição à distância, sem a necessidade do empresário instalar placas no seu empreendimento e funciona como uma espécie de crédito e débito na distribuidora.

Leia mais:
MRV inicia projeto de mobilidade elétrica compartilhada em condomínios com energia solar
 
O sistema funciona da seguinte forma: o empresário faz o arrendamento de um lote do parque, com um custo fixo, que irá gerar energia que será, posteriormente, ‘creditada’ em sua unidade consumidora. Com isto, ao fim do mês, todo o gasto será abatido de sua conta, o que poderá gerar um desconto de até 20%.

O Oeste Solar Park , que possui 40 hectares e está instalado na Estrada da Guia (MT-010), possibilita que os empresários não precisem instalar placas solares em seus empreendimentos. Sendo assim, podem utilizar esta energia elétrica à distância. Este primeiro parque tem a capacidade de abastecer 100 mil casas, com uma potencia de 5MW.

 
“Temos 63 lotes neste primeiro parque. Cada um tem seu respectivo transformador e geração fotovoltaica. Cada lote terá uma unidade consumidora que ficará no nome do arrendatário. O cliente não precisará instalar o painel no comércio dele. Irá alugar o lote e transferirá para seu nome. Tudo que for gerado de energia, será creditado no medidor, no que ele consumiu e será abatido. É uma espécie de crédito e débito. Toda a energia produzida, será compensada na unidade consumidora determinada. O detlahe é que pode ser mais de uma unidade também, juntando várias”, pontuou o engenheiro eletricista, Rubens Araújo.
 
Além disto, a empresa também oferece a ‘venda’ do gerador fotovoltaico. Com isto, o cliente poderá utilizar o espaço por um período de 25 anos, com toda a manutenção dada e tendo de pagar apenas uma taxa de 1%, como se fosse uma espécie de condomínio do parque elétrico.
 
O foco neste primeiro momento, ainda conforme o engenheiro, é o autoconsumo remoto. Sendo assim, a energia é gerada em um lugar diferente da empresa que está se beneficiando do sistema. Isto possibilita que a Oeste Solar Park possa prestar o seu serviço em todo Mato Grosso.


 
“O risco de investimento que o cliente tem é zero, o máximo que pode acontecer é o empresário pagar a conta que já pagava, isso se acontecer algum tipo de problema, sendo que a probabilidade é muito baixa. Estamos totalmente dentro de leis e normas vigentes, com aval da própria Energisa. Nascemos como o maior parque do Centro-Oeste, único loteamento totalmente aprovado pela distribuidora. No primeiro mês, já é perceptível a redução na conta”, pontuou o engenheiro.
 
O Oeste Solar Park irá operar em sua totalidade até junho deste ano. A intenção é aumentar a potencia de 5 MW para 25 MW até o fim do ano e também expandir para outros dois Estados.
 
O parque ainda conta com um sistema chamado de tracker (uma espécie de girassol mecânico), que movimenta as placas solares e proporciona uma produção 25% maior, já que o aparelho ‘seguirá’ o movimento do sol.



“Estamos oferecendo um sistema que tem segurança, manutenção, é um risco mínimo para o cliente. A pessoa não investe na compra de equipamento, não terá preocupação com manutenção, se alguém vai roubar a placa, limpeza, entre outros. O ganho se paga bem mais rápido”, esclarece o gerente operacional, Rafael Lima.
 
O gerente ainda explica que não há problemas quanto aos períodos chuvosos e, consequentemente, nublados. “É por isto que trabalhamos com uma média anual do cliente. Fazemos este levantamento dos últimos 12 meses. Em algumas épocas do ano, temos período chuvoso e menor capacidade de produção. Porém, nos que eu tenho um nível de insolação maior, eu produzo mais energia e faço uma espécie de reserva. Por isto, oferecemos todo um estudo, uma consultoria para os nossos clientes”.
 
“O grande benefício é gerar a própria energia de outro lugar. Muitas vezes, a empresa não tem um telhado fixo, um espaço para fazer a instalação das placas. Com o loteamento, não precisará disto. É feito remotamente, não impacta na sua empresa, não precisará mexer na estrutura, reduzir produção. É muito mais simples”, acrescentou o gerente.
 
Para garantir a operacionalidade do serviço, a empresa também conta com equipes que monitoram todos os parâmetros do nascer ao pôr-do-sol a geração de energia de cada cliente. Além disto, cada um dos arrendatários terá seu próprio login para também verificar como está sua produção.


 
“Junto com a proposta, colocamos também um estudo financeiro. Mostramos o tempo que demora para retornar o investimento. O lucro que o empresário terá. Nós vamos até o local, fazemos vistoria técnica para ver se a unidade consumidora do cliente está acessível para receber um sistema deste.  É feito um projeto, a engenheira estuda todos os aspectos.  Se não tiver algo de acordo, não passamos a bola para o cliente. Nós mesmos já entramos junto com o projeto de autorização e entregamos pronto. Sem dor de cabeça para quem está contratando”, disse o gerente operacional.
 
A empresa oferece aos clientes simulações de financiamento e linhas de crédito que podem ser oferecidas. “Entregamos a solução completa aos empresários. O que ele tem de fazer é entregar as contas de energia e aderir ao parque”, finalizou Rafael.

Informações e contato podem ser encontradas AQUI ou através dos telefones (65) 3365-3330 e (65) 9 9286-1919.

1 comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agro Olhar. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agro Olhar poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Bruno Duda Dantas Matos
    09 Mai 2019 às 19:45

    Interessante iniciativa. Tem tudo para ser um sucesso.

Sitevip Internet