Olhar Agro & Negócios

Terça-feira, 17 de setembro de 2019

Notícias / Meio Ambiente

Hidrelétricas no Pantanal podem prejudicar múltiplo uso de recursos hídricos, aponta bióloga

Da Redação

13 Mai 2019 - 16:55

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Hidrelétricas no Pantanal podem prejudicar múltiplo uso de recursos hídricos, aponta bióloga
A bióloga e pesquisadora da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) Débora Calheiros acredita que o governador de Mato Grosso, Mauro Mendes (DEM), busca privilegiar a geração de energia em detrimento dos demais usos dos recursos hídricos da Bacia do Alto Paraguai (BAP), onde devem ser instaladas hidrelétricas. “Há comunidades inteiras que dependem dos rios para atividades como a pesca e o turismo", diz.

Leia mais:
MPF exige que Sema suspenda expedição de licenciamento para PCHs em terras indígenas

Há cerca de duas semanas, Mauro Mendes pediu ao ministro do Desenvolvimento Regional, Gustavo Canuto, a flexibilização da decisão da Agência Nacional de Águas (ANA), que suspendeu desde setembro do ano passado a instalação das novas usinas. A implementação deve acontecer somente a partir de em março de 2020, quando um estudo que avalia os impactos no meio ambiente e múltiplo uso das águas ficará pronto.

Débora explica que o estudo envolve cientistas de pelo menos 50 universidades e irá analisar 180 novos empreendimentos de geração de energia na BAP. Somente entre Cuiabá e Rosário Oeste já há seis pequenas centrais hidrelétricas (PCHs) que impactaram visivelmente na atividade pesqueira.

Em pesquisas já realizadas, há registros de interrupção das rotas migratórias do peixes, em razão das barragens físicas e alteração na descarga de nutrientes e material em suspensão nos rios. "Na verdade, essa decisão da ANA é para salvaguardar essa atividade, além do turismo, meio ambiente etc. A sociedade tem que decidir sobre essa questão", defende.

Paulo Teixeira, professor e pesquisador da UFMT, explica que a implantação das usinas podem impactar a biodiversidade, visto que pode alterar os níveis de seca e cheia do pantanal. Os primeiros animais que seriam afetados seriam os peixes.

Já o empresário do setor do turismo, André Von Thuronyi, diz que a energia advinda das hidrelétricas, em seus diversas modais, não é mais considerada limpa já que traz em si inúmeras consequências danosas a diversas formas de vida e as PCHs não fogem desta regra.

"Nós, que vivemos no pantanal, sabemos muito bem das consequências". Para ele, "o pantanal, como está nos dias de hoje, não sustenta apenas milhares de formas de vida silvestres, mas também milhares de pessoas e uma cultura vibrante, que inspira respeito e admiração em todos que aqui vivem ou visitam".

2 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agro Olhar. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agro Olhar poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Antonia
    14 Mai 2019 às 09:27

    Temos conhecimento que estâo também destruindo a cabeceira do Rio Mutum para construçao de usina, no municipio de Santo Antonio. Baixo Pantanal. Ministério Publico onde esta você.

  • Celso
    14 Mai 2019 às 06:06

    Esses pesquisadores são uma aberração ao desenvolvimento do país não se pode fazer nada, no entanto são os mesmos que devemos nos espelhar na Holanda que construiu suas cidades dentro da água e emporcalhou os oceano. Bando de geradores do atraso.

Sitevip Internet