Olhar Agro & Negócios

Quarta-feira, 20 de novembro de 2019

Notícias / Agricultura

Caso de “vaca louca” registrado em Mato Grosso é atípico e não coloca qualidade da carne em risco

Da Redação - Thaís Fávaro

01 Jun 2019 - 15:24

Foto: Reprodução Internet

Caso de “vaca louca” registrado em Mato Grosso é atípico e não coloca qualidade da carne em risco
O caso de Encefalopatia Espongiforme Bovina (EEB), conhecida popularmente como doença da vaca louca, registrado na sexta-feira (31), em um animal de Mato Grosso, não coloca em risco a qualidade da carne produzida no Estado. É o que afirma o médico veterinário do Instituto Mato-grossense de Carne, Guilherme Nolasco. O caso é “atípico” e foi diagnosticado em um animal de 17 anos, alimentado a pasto e que apresentou sintomas neurológicos após um longo stress de transporte, condição que afasta a possibilidade da forma clássica da doença.

Leia mais
Ministério da Agricultura confirma caso de “vaca louca” em Mato Grosso
 
"O Brasil continua classificado com o status de risco insignificante para EEB - Encefalopatia Espongiforme Bovina, está é a principal e a melhor informação que poderíamos ter", afirma o veterinário.

O caso é investigação pelo Ministério da Agricultura foi considerado mais um episódio atípico da EEB em Mato Grosso e reafirma a seriedade, transparência e eficiência do Serviço Veterinário Oficial em realizar a Defesa Sanitária Animal.

De acordo com Nolasco, nunca houve registro da presença de casos de EEB clássico no Brasil, o que torna a carne um fator de risco para o consumo humano. "O desenvolvimento dos casos clássicos ocorre quando o bovino se alimenta de subprodutos derivados de proteína animal, o que não ocorre no país. A alimentação do rebanho é prioritariamente a pasto e a suplementação com ração de origem vegetal. Nós temos um dos rebanhos mais saudáveis e a nossa carne atende a todos os padrões de qualidade e sanitários", afirma.

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e o Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso (INDEA/MT) iniciaram imediatamente as investigações de campo, com interdição da propriedade de origem. Todas as ações sanitárias de mitigação de risco foram concluídas antes mesmo da emissão do resultado final por laboratório de referência da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE).

1 comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agro Olhar. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agro Olhar poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Produtor Rural Consciente
    03 Jun 2019 às 10:25

    Senhores o INSTITUTO DE DEFESA AGROPECUARIA DO ESTADO DE MATO GROSSO é a ÚNICA RESPONSÁVEL abaixo do Ministério da Agricultura para dar qualquer declaração OFICIAL a Sanidade Animal no Estado de Mato Grosso. Vamos nos atentar a função é missão de cada autarquia sem querer “aparecer” na mídia, isso é muito sério.

Sitevip Internet