Olhar Agro & Negócios

Quinta-feira, 22 de agosto de 2019

Notícias / Meio Ambiente

MT faz parceria com a ONU para atender mais de 120 famílias com incentivo às políticas sustentáveis

Da redação - Thaís Fávaro

14 Jul 2019 - 11:10

Foto: Assessoria

MT faz parceria com a ONU para atender mais de 120 famílias com incentivo às políticas sustentáveis
O Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado de Agricultura Familiar (Seaf), desenvolve com a Organização das Nações Unidas (ONU), o Programa Parceria para Economia Verde (PAGE), para incentivar políticas sustentáveis, eficiência produtiva e preservação ambiental. A Seaf trabalha na execução específica de dois produtos: a construção do Sistema Estadual Integrado da Agricultura Familiar (SEIAF-MT) e o projeto piloto de regularização ambiental atenderá inicialmente 121 famílias do 'Vale do Mangaval', no município de Cáceres (217 Km de Cuiabá).
 
Leia mais
Vacinação contra febre aftosa alcança 29 milhões bovinos e bubalinos em MT 
 
O 'Vale do Mangaval' foi selecionado para a execução do projeto que avaliará a aplicação de uma nova metodologia voltada à regularização ambiental. A prioridade é sanar as dificuldades enfrentadas pelas famílias para a consolidação das unidades produtivas. As famílias serão beneficiadas pelo Programa Nacional de Crédito Familiar (PNCF), desenvolvido com o propósito de garantir ao agricultor crédito em condições acessíveis para a aquisição do imóvel rural e instalação de infraestrutura básica.
 
"Nosso foco é sanar as inconsistências que envolvem o processo de cada família, garantindo aos agricultores a segurança jurídica para a produção da terra, com condições de acesso ao credito e consequentemente, o aumento da produção. A equação é simples. Produtor com capacidade de investimento é igual a aumento da produção, geração de renda, abertura de novos postos de trabalho, aquecimento da economia local e regional, e qualidade de vida. Os benefícios são inúmeros", defendeu o secretário de Estado de Agricultura Familiar (Seaf), Silvano Amaral.      
 
Com a regularização, as famílias poderão explorar economicamente seus lotes, garantindo acesso ao credito e o aumento da produção, além da geração de emprego e renda, e o estimulo à permanência das famílias no campo.
 
Além das questões ambientais, o projeto também realizará o diagnóstico socioeconômico das famílias. As informações serão coletadas a partir de questionários aplicados durante visita às propriedades. Além de traçar o perfil socioeconômico do agricultor e levantar informações relativas à vocação agrícola, os questionários também reunirão dados que permitirão avançar no georreferenciamento, e posterior regularização ambiental das propriedades. O mapeamento ainda reunirá informações socioambientais, e apontará as medidas necessárias para a recomposição de áreas eventualmente degradadas.
 
A PAGE já disponibilizou R$ 54 mil em recursos internacionais para a aquisição de equipamentos e estruturação do projeto. Além da Seaf, que participa com o custeio das atividades realizadas pelos servidores da pasta, o programa ainda é composto pelas Secretarias de Estado de Assistência Social e Cidadania (Setasci), de Desenvolvimento Econômico (Sedec), de Meio Ambiente (Sema), e de Planejamento e Gestão (Seplag). A coordenação geral dos trabalhos está a cargo da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) e do Escritório de Inovação Tecnológica (EIT), da própria universidade. A previsão é que o projeto seja concluído até meados de 2020.
 
Para que os pesquisadores tenham acesso aos beneficiários, a UFMT e a Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial (UNIDO) formalizarão uma parceria para a realização de uma série de eventos mobilizadores. A ideia é esclarecer os agricultores sobre a importância de receber os agentes para a coleta dos dados. Também será formada uma rede de apoio com a participação de técnicos da Seaf, Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer), UFMT e Prefeitura de Cáceres para mobilização e acesso às propriedades.
 

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agro Olhar. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agro Olhar poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Sitevip Internet