Olhar Agro & Negócios

Segunda-feira, 02 de agosto de 2021

Notícias / Pecuária

benefício

Ministério promete nova norma para frigoríficos para esta quinta-feira (18)

Da Redação - Rodrigo Maciel Meloni

17 Abr 2013 - 17:15

Foto: Reprodução - Ilustração

Ministério promete nova norma para frigoríficos  para esta quinta-feira (18)
Criada com o objetivo de promover a redução de doenças e acidentes de trabalho para mais de 500 mil trabalhadores que exercem suas funções em frigoríficos de todo o país, a Norma Regulamentadora 36 - da Norma dos Frigoríficos poderá ser validada nesta quinta-feira (18). No início desta semana, a Confederação Nacional dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação e Afins (CNTA Afins) cobrou do ministro do Trabalho, Manoel Dias, a publicação do documento, durante reunião realizada na Delegaria Regional do Trabalho de Florianópolis (SC).

Acrimat repudia ação do MPF em imputar aos frigoríficos função fiscalizadora
MPF cobra indenização de R$ 211 milhões para frigoríficos de MT


Atuando para que a norma seja aprovada o mais rápido possível, a CNTA Afins já havia encaminhado ao Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) ofício que pede urgência na publicação do texto. O diretor da entidade, Miguel Padilha, diz que a maior preocupação dos trabalhadores é o cumprimento de novas regras de saúde e de segurança, como a reformulação estrutural e a concessão de pausas durante o trabalho.

“Hoje cobramos que essa publicação seja feita de uma vez por todas. O encontro mostrou que o ministro está realmente comprometido com a classe trabalhadora e, claro, com a relação capital e trabalho. Essa NR foi negociada entre governo, empresas e trabalhadores, e essa iniciativa mostra que o MTE se colocou como um tripé, mostrando que o ministro entrou para tomar decisões e tocar o barco para frente”, diz.

Para Padilha as mudanças irão beneficiar, principalmente, trabalhadores de grandes empresas do sul do país, já que a região concentra marcas como Marfrig, Sadia, Minuano, Doux Frangosul, Brasil Foods e outras.

"No nosso entendimento esse é um grande avanço para diminuir as doenças ocupacionais e, com isso, o gasto do governo federal irá reduzir a partir da diminuição de pessoas afastadas e dependentes da previdência social. A conquista de um trabalho com saúde significa gerar lucro e com isso todo mundo ganha.", avalia.

Comentários no Facebook

Sitevip Internet