Olhar Agro & Negócios

Terça-feira, 17 de setembro de 2019

Notícias / Cooperativismo

Monitoramento de programas do MDA levará melhorias a agricultores do Acre

MDA

03 Mai 2013 - 07:18

Os agricultores familiares do Acre poderão contar com melhorias no funcionamento das máquinas da segunda etapa do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2). Trata-se do processo de monitoramento neste mês de maio pelos fiscais da Delegacia Federal do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) no estado.

A delegada federal do MDA no Acre, Zenilda Lima, explica que a ação visa melhorar o andamento e, consequentemente, os benefícios levados aos agricultores familiares pelos programas. Para ela, além de oferecer o benefício, o ministério tem que acompanhar e avaliar os resultados.

“A delegacia tem o trabalho de acompanhar e ver o que as retroescavadeiras estão fazendo e se elas estão realmente prestando os serviços propostos. É exatamente fazer com que a máquina cumpra o papel social para o qual foi entregue”, explica.

No processo de monitoramento os fiscais do ministério verificam questões mecânicas da máquina como nível de óleo e desgaste das borrachas. O fiscal faz o acompanhamento das máquinas com o auxílio de um mecânico. E, especialmente, analisam se o equipamento está sendo utilizado em sua função principal, a de abrir estradas para facilitar o escoamento da produção local.

“Caso sejam encontradas irregularidades, eles entram em contato com o prefeito e o secretário de Agricultura do município para que ajudem na fiscalização. Pedimos que não deixem a máquina parada na cidade juntando lixo e fazendo algo que não é o papel dela. Porque o papel da retroescavadeira é melhorar o escoamento da produção da agricultura familiar”, afirma.

Arca das Letras
Ao todo, existem no Acre 20 retroescavadeiras, das quais 12 já passaram pelo processo de monitoramento. O Programa Arca das Letras também passará pelo mesmo processo. A previsão é de que as oito máquinas restantes e as 260 bibliotecas Arca das Letras implantadas no estado sejam vistoriadas até o meio deste mês.

Segundo Zenilda, as cidades que ainda não receberam o monitoramento das retroescavadeiras são as que têm difícil acesso. “Para chegar às cidades de Marechal Taumaturgo, Porto Walter e Giovani, por exemplo, é preciso ir de avião teco-teco”, comenta.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agro Olhar. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agro Olhar poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Sitevip Internet