Olhar Agro & Negócios

Domingo, 15 de setembro de 2019

Notícias / Agricultura

Assistência Técnica amplia renda de agricultora familiar

MDA

06 Mai 2013 - 07:30

A assistência técnica foi essencial para que a agricultora Priscila de Ávila, 44 anos, transformasse o gosto pela pimenta em renda familiar. Há quase três anos, quando mudou com a família para o núcleo rural do Lago Oeste, a 35 km de Brasília, ela deixou a música para se dedicar ao cultivo do fruto conhecido pela ardência e sabor. “Eu não sonhava que iria mudar toda a minha vida para mexer com pimentas, agora não quero sair desta área. É o único fruto da natureza que mexe com o seu organismo dos pés a cabeça”, justifica.

Na propriedade estão exemplares de pimentas importadas de países como o México, Austrália e Índia. Foi estudando que a agricultora se interessou pelas espécies exóticas que, segundo ela, são mais saborosas e ardidas que as convencionais. Hoje, a agroindústria Cornucópia é uma das fornecedoras desse tipo de produto no Distrito Federal.

Priscila também investiu na fabricação de molhos, temperos e geleias preparados artesanalmente na propriedade. “Recebemos o selo do Departamento de Defesa Agropecuária e Inspeção de Produtos de Origem Vegetal e Animal (Dipova) e, com apoio da Emater, desenvolvemos o rótulo da Cornucópia. Além disso, 90% das frutas em nossas geleias são produzidas e colhidas por nós”, diz. A Assistência Técnica e Extensão Rural (Ater) é uma das políticas promovidas pelo Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) para melhorar a renda e a qualidade de vida das famílias rurais, com o aperfeiçoamento dos sistemas de produção.

Segundo Priscila, cada molho tem sua própria história e combinação. “Meu produto é mais forte do que o tradicional. É um molho que leva sabor. Eu tenho uma mistura entre pimentas muito ardidas e pimentas muito saborosas. E isso tudo com a combinação de outros ingredientes, com geleias e azeites”. As pimentas da agroindústria familiar também são encontradas em restaurantes especializados em comida mexicana do DF.

Sipaf

Em 2012, a agroindústria passou a comercializar os produtos com o Selo de Identificação da Agricultura Familiar (Sipaf), do MDA. A produtora explica que o selo é um agregador de valor para o trabalho. “O selo ‘Aqui tem agricultura familiar’ agrega valor ao produto. Você não sabe como foi importante receber esse selo. Quando meu produto for vendido em outros estados, as pessoas vão falar ‘poxa, esses produtos são feitos de forma artesanal, sem agrotóxicos, produzidos de forma limpa e saudável’, e são esses os nossos valores”, ressalta.

Para Priscila, a maior recompensa está na conquista do paladar dos clientes. “A melhor das sensações é a hora em que a pessoa experimenta e diz ‘nossa, é muito bom; nossa, eu nunca comi nada que tivesse um sabor igual’. É isso que fortifica a gente a continuar o trabalho”, confessa.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agro Olhar. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agro Olhar poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Sitevip Internet