Olhar Agro & Negócios

Sábado, 19 de junho de 2021

Notícias / Tecnologia

aparelho portátil

Biossensor capaz de detectar agrotóxicos em alimentos é criado em mestrado da UFMT

Graças a um projeto de mestrado realizado na Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) em parceria com o Instituto de Física de São Carlos da Universidade de São Paulo (IFSC-USP) já é possível detectar a presença de agrotóxicos em alimentos, no solo ou na água por meio de um aparelho portátil.

Da Redação - Mylena Petrucelli

24 Jun 2013 - 08:30

Foto: Reprodução / Ilustração

Biossensor capaz de detectar agrotóxicos em alimentos é criado em mestrado da UFMT

Biossensor capaz de detectar agrotóxicos em alimentos é criado em mestrado da UFMT

Graças a um projeto de mestrado realizado na Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) em parceria com o Instituto de Física de São Carlos da Universidade de São Paulo (IFSC-USP) já é possível detectar a presença de agrotóxicos em alimentos, no solo ou na água por meio de um aparelho portátil.

Multinacional investira R$ 140 mi para aumentar produção de defensivos agrícolas

Glauber diz que produtores vão plantar soja RR2 como experimento

O mestrado da cacerense Izabela Gutierrez de Arruda teve a colaboração dos professores Dr. Romildo Jerônimo Ramos (UFMT), Dr. Francisco Gontijo Guimarães (USP) e Dr. Nirton Cristi Silva Vieira (USP) e rendeu o primeiro registro de patente da UFMT.

Segundo a agência USP de Notícias, o biossensor foi construído exclusivamente para detectar o pesticida metamidofós, mas ele também está preparado para ser adaptar à detecção de outros pesticidas, o que aumenta a sua utilidade e importância.

A criação de Izabela e seus orientadores teve origem na constatação de grandes índices do pesticida metamidofós nos lençóis freáticos e nas grandes lavouras de Mato Grosso. Além disso, pesquisas da UFMT já encontraram a presença de quantidades de pesticidas no leite materno de moradoras das principais cidades produtoras de grãos no interior do estado.

Conforme relatou o professor Francisco Gontijo à Agência USP, "este é um daqueles trabalhos que visam diretamente o bem-estar social e por isso a ideia foi patenteada". Gontijo explicou que antes da ideia, todas as análises referentes a contaminação por pesticidas no Estado de Mato Grosso eram enviadas para São Paulo ou Rio de Janeiro e com este biossensor, pode não mais haver essa necessidade, pois o equipamento — do tamanho de um medidor de índices de diabetes —, confere a resposta em poucos minutos.

Segundo a Forest Comunicação, os pesquisadores agora procuram alguma empresa nacional de nanotecnologia que se interesse em produzir o aparelho, que deverá ser comercializado com valores entre R$100,00 e R$200,00.

Comentários no Facebook

Sitevip Internet