Olhar Agro & Negócios

Quinta-feira, 17 de junho de 2021

Notícias / Agricultura

COMBATE À LAGARTA

Ministros terão de explicar na Câmara demora na liberação de defensivos contra helicoverpa

Os prejuízos são calculados a partir das perdas com a produção e com a compra de defensivos que não tem sido eficazes para combater a praga que atinge lavouras de soja, algodão, milho, girassol e milheto. Segundo a Embrapa, há relatos de ataques também em tomate, pimentão, café e citros.

De Brasília – Vinícius Tavares

07 Ago 2013 - 15:04

Foto: Reprodução

Lagarta já causou prejuízos de R$ 10 bi a produtores

Lagarta já causou prejuízos de R$ 10 bi a produtores

A Comissão de Agricultura da Câmara Federal aprovou nesta quarta-feira requerimento que convida os ministros da agricultura, Antônio Andrade, da Casa Civil, Gleisi Hoffmann para prestar esclarecimentos sobre ações do governo no combate à lagarta helicoverpa.

O requerimento foi apresentado pelo deputado Oziel Oliveira (PDT-BA), que é membro da Frente Parlamentar da Agropecuária. O deputado incluiu também a participação de representantes da Ibama para explicar como funciona a liberação de defensivos agrícolas.

Leia Mais:
Produtores devem ficar atentos ao controle de Helicoverpa para evitar aumento da praga na próxima safra
Manejo integrado de praga que ataca soja, milho e algodão é discutido por especialistas

“Queremos que a Casa Civil e a Presidência da República dêem uma solução para a importação e a liberação dos produtos para o combate à lagarta, que tem causado prejuízo de mais de 10 bilhões aos produtores rurais brasileiros”, afirma.

Os prejuízos são calculados a partir das perdas com a produção e com a compra de defensivos que não tem sido eficazes para combater a praga que atinge lavouras de soja, algodão, milho, girassol e milheto. Segundo a Embrapa, há relatos de ataques também em tomate, pimentão, café e citros.

Em Mato Grosso, maior produtor de grãos do país, foi criado um grupo de monitoramento da lagarta coordenado pela Aprosoja e que envolve universidades e entidades e consultorias ligadas ao agronegócio.

Comentários no Facebook

Sitevip Internet