Olhar Agro & Negócios

Domingo, 28 de novembro de 2021

Notícias / Política

infraestrutura precária

Governo mente quando não é transparente com a questão logística, dispara Nilson Leitão

De Brasília - Vinícius Tavares

18 Jan 2014 - 18:25

Foto: Reprodução

Atoleiros são comuns em época de chuva em MT

Atoleiros são comuns em época de chuva em MT

O debate sobre as demarcações de terras indígenas e a necessidade de investimentos em logística de transportes serão os assuntos mais importantes para o agronegócio brasileiro a serem debatidos pelo Congresso Nacional em 2014.

A avaliação é do deputado federal Nilson Leitão (PSDB-MT), que em 2013 assumiu a coordenação de relações institucionais da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA) após a morte de Homero Pereira, então presidente da entidade.

Líder da Minoria na Câmara em 2013, o deputado afirmou que o país seria mais competitivo no mercado internacional se o governo federal investisse em logística para o escoamento do agronegócio.

Leia mais:
Brasil seria mais competitivo no mercado mundial se não tivesse os gargalos da logística, afirma FPA
Faltam R$ 36 bi e vontade política para resolver o problema de logística do Centro-Oeste, diz Rui Prado

Para Leitão, o governo ainda não apresentou um cronograma com os investimentos públicos e privados em ferrovias, hidrovias, portos e rodovias, tendo em vista que estão previstos novos recordes para a produção agropecuária na safra 213/2014.

Na questão indígena, o tucano destaca a importância do trabalho a ser desempenhado pela Comissão Especial que vai discutir a Proposta de Emenda Constitucional (PEC 215) que pode transferir do Legislativo para o Executivo a palavra final sobre criação de novas reservas pela FUNAI.

Com exceção da Comissão Especial da PEC 2015, todos os assuntos levantados em 2013 acabaram não sendo finalizados. É necessário que coloquemos uma pauta muito forte para oi início do ano, como a questão da logística. O governo ainda não nos deu um cronograma eficiente, um cronograma confiável sobre os investimentos”, comentou.

Segundo Leitão, tanto o governo estadual quando o federal não são transparentes quando trata de investimentos públicos.

“O governo mente na questão logística e quando há mentira, existe dificuldade de encontrarmos uma solução”, salientou.

Em 2013 Leitão foi eleito primeiro vice-presidente da Comissão especial da PEC 215. A presidência coube ao ex-ministro do Desenvolvimento Agrário e deputado federal pelo PT baiano, Afonso Florence. O PMDB indicou o deputado federal paranaense Osmar Serraglio para ser relator da Comissão.
Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet