Olhar Agro & Negócios

Segunda-feira, 14 de outubro de 2019

Notícias / Meio Ambiente

Mato Grosso lidera focos de queimadas em 2014 com 26,1% dos casos do país; Tocantins é o segundo

Da Redação - Viviane Petroli

06 Jul 2014 - 17:45

Foto: Marcos Vergueiro/Secom-MT

Mato Grosso lidera focos de queimadas em 2014 com 26,1% dos casos do país; Tocantins é o segundo
Mato Grosso é responsável por 26,1% dos 20.316 focos de queimada registrados entre 1º de janeiro e 6 de julho. No ranking nacional dos 10 municípios com mais constatações de zonas de calor, o Estado conta com 10 cidades, sendo Nova Maringá a líder com 434 focos, seguida de Corumbá (MS) com 282. O período de proibição das queimadas começa no próximo dia 15 de julho.

De acordo com dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), ligado ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, entre janeiro e este domingo, 6 de julho, foram registrados em Mato Grosso 5.314 focos de queimada, sendo em julho apenas 558 ocorrências.

Leia também
JCB entra no mercado agrícola em MT; Representante da marca investe R$ 3 milhões
“Estou apavorado com a elevação nos custos de produção”, alerta Glauber a ministro da agricultura
Período de proibição das queimadas começa dia 15 de julho

Logo atrás do Estado vem o Tocantins com 2.670 focos e o Maranhão com 1.522. O menor número de focos de queimada em 2014 está registrado no Amapá com apenas 13.

O Inpe, revela ainda, que no Brasil entre 1º e 6 de julho 1.875 casos de queimadas foram verificados.

Ao analisar o ranking dos municípios Mato Grosso surge como um dos principais. Nova Maringá lidera com 434 focos, Corumbá (MS) 282, Balsas (MA) 255, Nova Ubiratã 222, São Félix do Araguaia 217, Querência 203, Gaúcha do Norte 198, Caracaraí (RR) 194, Tangará da Serra 194 e Porto dos Gaúchos 179. Tais registros são desde janeiro.

Proibido

Entre os dias 15 de julho e 15 de setembro é realizado o período de proibição de queimadas em Mato Grosso para limpeza ou manejo na área urbana e rural.

“Precisamos fortalecer as parcerias e articular as ações entre poder publico, setores privado e produtivo e sociedade em geral no sentido de diminuirmos os números relacionados às queimadas, desmatamentos e pesca ilegais, bem como outros crimes ambientais”, frisou o secretário de Meio Ambiente de mato Grosso, José Lacerda.

De acordo com a Secretaria de Estado de Meio Ambiente de Mato Grosso (Sema-MT), além de trabalhar na educação ambiental, outra medida neste ano para evitar as queimadas será a intensificação dos trabalhos de fiscalização.

4 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agro Olhar. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agro Olhar poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Marcelo Passarelli
    16 Set 2014 às 12:31

    Estes políticos tinham que ser enforcados em praça pública.

  • Talisia
    06 Jul 2014 às 21:25

    O SECRETÁRIO ZÉ LACERDA DA SEMA AGORA VEM COM ESSA CONVERSA FIADA DE QUE PRECISAMOS FORTALECER AS PARCERIAS PARA COMBATER OU DIMINUIR O DESMATAMENTO, SE ELE FOI A FAVOR DA REVOGAÇÃO PELOS DEPUTADOS DA LEI 235 DA FISCALIZAÇÃO E IDENTIFICAÇÃO DE MADEIRAS ATRIBUIÇÃO DO INDEA,PORQUE ESSA ATIVIDADE DE FISCALIZAÇÃO INCOMODA OS DEPUTADOS E AQUELES QUE INSISTEM EM CONTINUAR DEVASTANDO A FLORESTA, E COM A REVOGAÇÃO DESSA LEI DA FISCALIZAÇÃO ABRIRAM A PORTA DO ESTADO DE MATO-GROSSO PARA O TRANSPORTE DE MADEIRAS ILEGAIS COMO A CASTANHEIRA(PROIBIDA DE CORTE) E TANTAS OUTRAS, ISSO É UMA VERGONHA.

  • maria figueiredo cuiabana
    06 Jul 2014 às 19:28

    os indices de desmatamento também voltaram a crescer acentuadamente no ano passado e neste ano, o que pode ser afirmado que o atual governo do estado afrouxou a fiscalização ambiental, bem como, é leniente com o crescimento de desmatamento em áreas não cadastradas pelo sistema de licenciamento ambiental da sema, como se fosse uma permissão não declarada para a prática da ilegalidade... tais dados revelam também que é preciso passar a limpo a sema, fazer auditoria em todas as licenças liberadas, bem como, da inércia em fiscalizar o desmatamento em regiões de expansão da atividade agrícola...

  • Carmolino
    06 Jul 2014 às 19:04

    O ESTADO DE MATO-GROSSO NÃO SÓ LIDERA OS FOCOS DE QUEIMADAS COM TAMBÉM O DE MAIOR DESMATADOR DA AMAZONIA LEGAL.

Sitevip Internet