Olhar Agro & Negócios

Sábado, 25 de janeiro de 2020

Notícias / Agricultura

Safra desuniforme mostra que ainda há dependência do clima, afirma presidente da Fundação MT

De Nova Mutum - Viviane Petroli*

29 Jan 2016 - 08:50

Foto: Viviane Petroli/Agro Olhar

Safra desuniforme mostra que ainda há dependência do clima, afirma presidente da Fundação MT
A safra 2015/2016 de soja em Mato Grosso está sendo desuniforme. Em uma mesma região, ou até mesmo em uma mesma lavoura, é possível encontrar certa diferença de produtividade, indo de 20 a 70 sacas, por exemplo. Segundo o presidente da Fundação de Apoio à Pesquisa Agropecuária de Mato Grosso - Fundação MT, Francisco Soares Neto, “é nestes momentos em que se vê a dependência climática no campo”.

Leia Mais:
Aprosoja investe R$ 2,5 mi em parceria com a Fundação MT para estudos em manejo

As chuvas no atual ciclo começaram tardias, praticamente em dezembro, momento em que produtores já começam a se preparar para colher os primeiros talhões de soja precoce semeadas a partir de 15 de setembro, após o fim do vazio sanitário. O stress hídrico, além de causar problemas no desenvolvimento das plantas e reduzir o número de vagens, que consequentemente afeta a produtiva, proporciona um aumento de transtornos com os nematoides, por exemplo.

“Nunca vi um ano (safra) tão desuniforme como está. Mato Grosso é visto no país como um estado estável quanto ao clima”, pontuou Francisco Soares Neto, durante apresentação para jornalistas do “Fundação MT em Campo 2016”, em Nova Mutum, nesta quinta-feira, 28 de janeiro.

As regiões que mais sofreram com a falta de chuva foram o Norte, Médio-Norte e Leste. Como o Agro Olhar já comentou, em algumas lavouras na região de Sorriso, por exemplo, chegou-se a constatar produtividade abaixo de 10 sacas por hectare, bem como em áreas que sofreram menos com o stress hídrico chegou-se a constatar em torno de 60 sacas.

Segundo o presidente da Fundação MT, relatos de produtores que chegaram a ele mostram a diversidade de produtividade em Mato Grosso. “Tenho ouvido sobre produtividade de 20, 30 sacas por hectare e de 70 a 80 sacas em uma mesma região. É nestas horas de problemas que se consegue ver o que pode ser feito para essa dependência climática. Vejo uma safra 2015/2016 normal e não cheia como prevíamos”. Um dos recursos que podem ser utilizados pelos produtores, em especial em áreas arenosas, é a palhada, que consiste no plantio de soja sob quantidade suficiente de palhada de milhou ou de braquiária que pode auxiliar a minimizar as perdas pelo efeito da falta de chuva.



*A reportagem viajou para Nova Mutum a convite da Fundação MT para acompanhar o “Fundação MT em Campo” 2016.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agro Olhar. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agro Olhar poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Sitevip Internet