Olhar Agro & Negócios

Sábado, 28 de março de 2020

Notícias / Agronegócio

Valor Bruto da Produção pode crescer 3,2% impulsionado por soja e algodão; milho terá recuo

De Brasília – Vinícius Tavares

13 Dez 2013 - 11:02

Foto: Reprodução

A produção mundial de grãos na safra 2014 deve crescer 7,5%

A produção mundial de grãos na safra 2014 deve crescer 7,5%

O Valor Bruto da Produção (VBP) do setor agropecuário pode crescer 3,2% em 2014 na comparação com o desempenho deste ano, passando de R$ 424,57 bilhões para R$ 438,2 bilhões. A projeção é da Confederação Nacional da Agricultura (CNA) e foi divulgada esta semana pela presidente da entidade, senadora Kátia Abreu (PMDB-TO).

A produção mundial de grãos na safra 2014 deve crescer 7,5% em relação a 2013 impulsionada por culturas como o milho, soja e trigo, que apresentaram, respectivamente, crescimento de 11,6%, 5,8% e 7,8%.

No documento, elaborado por técnicos da entidade, os estoques mundiais projetados também cresceram, indicando relação estoque/consumo superior ao verificado na safra passada e acima da média histórica, fator que reduz os preços.

Leia mais:
Agronegócio cresce 3,56% em 2013 e responde por 22% do PIB nacional, aponta CNA
Governo anuncia abertura dos portos durante 24 horas e investimentos para armazenagem pública e privada

De acordo com a superintendente técnica da CNA, Rosemeire Cristina dos Santos, a expectativa é de sustentação das cotações internacionais, resultando do reaquecimento da demanda devido à recuperação da economia norte-americana e dos indícios de melhoria do cenário econômico da União Europeia.

“Assim projetamos um aumento de 2,5% no faturamento bruto dos produtos agrícolas, chegando a 258,8 bilhões de reais em 2014 em relação aos 252 bilhões (de reais) em 2013, resultado impulsionado principalmente pelo algodão e soja”, afirmou durante apresentação dos números, em Brasília, na última quarta-feira (11.12).

Algodão
Segundo dados da CNA, o algodão destaca-se com um crescimento de 85,2% no VBP. O aumento de 22% na produção na safra 2013/2014, segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), justifica a alta.

Na análise do cenário, a recuperação dos preços internos e a tendência das cotações internacionais continuarem em patamares atrativos para a atividade, na avaliação da confederação, incentivaram os produtores a investir no aumento da área plantada.

Além disso, a fibra aparece como alternativa mais rentável do que o milho safrinha, já que os preços do cereal seguem em tendência de queda.

Soja
A CNA espera aumento de 9,9% na receita, passando de R$ 80,2 bilhões para R$ 88,1 bilhões no ano da Copa do Mundo. Com preços em patamares mais remuneradores, os produtores ampliaram a área cultivada com a oleaginosa e, desta forma, a estimativa é de que a produção nacional aumente em 9,6% em relação à safra anterior, segundo a Conab.

Com relação às cotações, a expectativa é de que a demanda mundial aquecida, principalmente pela China, favoreça a manutenção dos preços nos patamares atuais.

Milho
No milho primeira safra, a competição por área, principalmente entre o cereal e a soja, em razão da melhor rentabilidade e da liquidez da oleaginosa, fez com que as projeções de área plantada na primeira safra recuassem, em média, de 3% a 6,5%, quando comparado com o período anterior, segundo a Conab.

Contudo, a expectativa é de queda nos preços, pois o quadro de suprimento é recorde e aponta que haverá um excedente, mesmo com o bom desempenho das exportações. Com isso, a CNA estima um decréscimo de 18,3% no faturamento bruto do setor, podendo chegar a R$ 30,8 bilhões.

Pecuária
A estimativa da confederação para o VBP para a pecuária para 2014 é de R$ 179,4 bilhões, o que representa um crescimento de 4,2% em relação ao ano de 2013, quando o VBP chegou a R$ 172,1 bi. Para a carne bovina, a entidade estima um aumento de 10,5% do faturamento, passando de R$ 62,8 bilhões para R$ 69,3 bilhões.

A tendência, apontam os técnicos, é de que os preços da arroba recuperem-se no próximo ano, alta justificada pela redução do rebanho bovino. Devido ao aumento dos custos de produção e à desvalorização do preço da arroba nos últimos anos, elevou-se o abate de matrizes, condição que impactou negativamente na disponibilidade de animais para o abate.
Sitevip Internet