Olhar Agro & Negócios

Quarta-feira, 17 de julho de 2019

Notícias / Logística

Ferrogrão será colocada em licitação, revela Blairo Maggi; modal custará R$ 10 bi

Da Redação - Viviane Petroli

18 Ago 2016 - 10:25

Foto: André Lobato Brasil

Ferrogrão será colocada em licitação, revela Blairo Maggi; modal custará R$ 10 bi
A ferrovia Ferrogrão será colocada em licitação em breve pelo governo federal. O modal, que liga Sinop a Miritituba (PA), terá investimento próximo de R$ 10 bilhões. Sua construção é pretendida pelas principais tradings do agronegócio (ADM, Amaggi, Bunge, Cargill, Louis Dreyfus), consorciadas com a Estação da Luz Participações Ltda. (EDLP).

A informação é do ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Blairo Maggi. Segundo ele, as licenças prévias para a obra da Ferrovia Ferrogrão, ligando Sinop a Miritituba (PA), já estão sendo providenciadas.

As obras da linha férrea devem começar ainda em 2019, com prazo de execução de cinco anos. O trecho é de 930 quilômetros e pode trazer para o agronegócio uma redução de aproximadamente 40% no frete.

Leia mais:

Interesse na 'Ferrogrão' é ratificado por tradings e estudo é entregue ao governo federal

A revelação do andamento do modal ocorreu durante reunião com o presidente do Partido Progressista (PP) de Sinop, Dalton Martini.

A previsão é que R$ 10 bilhões sejam investidos no modal. A Ferrogrão faz parte do antigo Programa de Investimentos em Logística (PIL), do Governo Federal, e sua construção é de interesse das principais tradings do agronegócio Amaggi, ADM, Bunge, Cargill e Louis Dreyfus, e consorciada com a Estação da Luz Participações Ltda (EDLP). Juntas, as cinco tradings respondem por aproximadamente 70 das exportações de soja.

"O Governo Federal vai colocar em pouco tempo uma nova ferrovia em licitação e que sairá de Sinop até Miritituba. Isso trará um grande desenvolvimento à região", afirmou Maggi durante o encontro, que ocorreu em Cuiabá. Segundo o ministro, "grandes investimentos virão nesta direção".

A expectativa é que ainda neste segundo semestre de 2016 a Empresa de Planejamento e Logística (EPL), ligada à Secretaria do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), solicite ao Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) análise quanto à viabilidade ambiental da ferrovia.

Os estudos de viabilidade econômica, técnica e ambiental elaborados pela EDLP, que subsidiarão a elaboração do edital e do leilão do modal, já foram aprovados pelo Ministério dos Transportes.

A previsão é que pela Ferrogrão sejam transportados em torno de 15 milhões de toneladas entre soja, farelo de soja e milho, podendo vir a escoar 30 milhões.

Conforme Dalton Martini, que é candidato a prefeito de Sinop, a ferrovia trará progresso ao município. Ele destaca que será preciso, inclusive, "preparar melhor a cidade", uma vez que com a obra mais moradores surgirão.

A proposta da ferrovia foi apresentada pela Amaggi, Cargill, Bunge e Louis Dreyfus no começo de 2014, como o Agro Olhar já comentou. O interesse das tradings apresentado na ocasião era para que Mato Grosso viesse a ter quatro ferrovias: Sinop ao porto de Miritituba (PA), Sapezal a Porto Velho (RO) e Água Boa, região do Araguaia, até a Ferrovia Norte-Sul, em Goiás. A quarta ferrovia trata-se da Ferronorte, cujos trilhos chegaram a Rondonópolis em 2013.

8 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agro Olhar. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agro Olhar poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • silvana
    24 Nov 2017 às 13:28

    ferragrana

  • Jose Antonio Dartora Junior
    19 Ago 2016 às 13:00

    http://www.olhardireto.com.br/agro/noticias/exibir.asp?noticia=cargill-garante-retomada-em-setembro-de-atividades-em-mt&id=24028 Explicação para o Wagner, todas as fábricas param para manutenção, e realmente ela vai dar uma parada por falta de matéria prima, SOJA, quebra de safra. Mas se vc acha que o temer ta quebrando a Cargill e as commodities, deve ser por estar equilibrando a moeda brasileira em relação ao dólar.

  • antonio.
    18 Ago 2016 às 19:56

    todos os comentários são muito interessantesz sempre. Mas cá prá nós , O Wagner está completamente desinformado, além do que o comentário não tem conexão com a matéria. Tem que deixar de ser idiota, e encarar a verdade, o governo brasileiro não faz investimento nenhum, tem que entregar para a iniciativa privada tudo, que a coisa anda. O Wagner a Cargill está fazendo manutenção, logo volta , afinal não é administrada pelo PT.

  • ao songamonga
    18 Ago 2016 às 17:39

    Uma obra que vai beneficiar suas empresas. Ferrovias são importantes, mas existem outros trechos que tem prioridade.

  • WELITON FERREIRA
    18 Ago 2016 às 14:57

    E ...tá certo ...Uma empresa quebra em 3 meses. ....Os outros ficam 12 anos ....que lógica hein

  • VIANEI PERIUS
    18 Ago 2016 às 13:33

    Ministro Blairo, enquanto isso o senhor e seu governo não conseguem uma mísera solução para a BR 158 no norte Araguaia, onde ainda temos mais de 100km de estrada de chão.

  • refem do agronegocio
    18 Ago 2016 às 12:52

    Vamos continuar mandando soja/milho em grão para ser beneficiada em outros Países??? Sem taxar esse seguimento o MT e o Brasil vão quebrar!

  • Wagner
    18 Ago 2016 às 10:40

    A Cargill encerrou as atividades em Primavera ,depois de 10 anos de atividade. Bastaram 3 meses de Temer ,e Maggi como Ministro para fecharem. E ai Ministro?

Sitevip Internet