Olhar Direto

Quarta-feira, 27 de janeiro de 2021

Opinião

Vidas Negras importam?

Autor: Hudson Cesar Melo Faria

24 Nov 2020 - 08:00

Cálculos feitos pelo Jornal Folha de São Paulo a partir de dados coletados pelo jornal The Washington Post para o projeto Fatal Force, que trata de letalidade policial, apontam que entre 2015 e 2016 as polícias dos EUA mataram uma pessoa negra a cada 35 horas. No Brasil, no mesmo período, policiais mataram uma pessoa negra a cada duas horas.

Considerados os percentuais de negros em cada população (56% dos brasileiros se declaram pretos ou pardos e 13% dos norte-americanos são negros), a taxa de mortos pelas polícias no Brasil é cinco vezes maior que nos EUA.

Essa triste constatação da Folha de São Paulo em um artigo publicado neste dia 20 de novembro de 2020, conflita com o discurso de que no Brasil não existe racismo. Ao contrário, no Brasil há um racismo estrutural e apesar de velado no discurso é e extremamente agressivo na prática.

Os corpos negros são dizimados em nossas periferias e a violência policial impera. Tudo sobre o olhar complacente de uma elite branca que só se revolta quando a violência chega ao seu quintal.

Negros e negras têm menos oportunidades e chances de vencerem essa roda viva do preconceito e violência, e mesmo assim existem críticas as políticas afirmativas de cotas. Dizem que é um assistencialismo barato e que fere a propalada meritocracia. Mas como vencer se o sistema todo joga contra você?

Até quando vamos testemunhar fatos como o ocorrido no Carrefour de Porto Alegre? Até quando vamos normalizar a violência contra pretos e pretas? Será que um dia seremos uma sociedade menos hipócrita e enfrentaremos de frente a questão do racismo?

Infelizmente não consigo ver uma perspectiva de melhora a curto prazo, mesmo apesar das lutas e mobilização do povo negro exigindo seus direitos. Temos que nos preocupar em educar nossos filhos para primeiro reconhecer que o racismo existe e que temos uma dívida social histórica com o povo negro. Depois, ensiná-los a serem implacáveis com o racismo e com os racistas. Não há graça nas piadas, não há tolerância com a diferença de tratamento e de oportunidades, e acima de tudo que devemos nos unir aos movimentos bradando junto com nossos irmãos negros enquanto esse estado de coisas não mudar.



Advogado Hudson Cesar Melo Faria O escritório Hudson Cesar Melo Faria Sociedade Individual de advocacia, fundado no ano de 2001 e desde o início teve em seu DNA o direito agrário e o Agronegócio.
 
Sitevip Internet