Olhar Conceito

Terça-feira, 18 de junho de 2019

Colunas

Je (ne) suis (pas) Charlie

Autor: Alexsander Godoy

22 Jan 2015 - 12:57

Um tiro. Uma tira. E ninguém, em país algum, conseguiu até o presente momento encarar a equação: um lápis pode matar. Seria cômico... – sim, foi trágico.

“Fomos nós que escolhemos o alvo, financiamos a operação e recrutamos o chefe”. A declaração é da Al Qaeda Al Jihad, em autoatribuição do atentado que destruiu a redação do jornal francês Charlie Hebdo.

De fato, após o recente ataque na França, no início de janeiro, o mundo inteiro se desdobra para saber o que realmente significa risco. Conceito variável de linha ou probabilidade de perigo, incerto porém previsível?

Por meio das conhecidas charges de teor satírico, como as do profeta Maomé, figura importante da religião islâmica, o citado semanário tem como característica retratar os temas da atualidade sempre com humor forte, rascante.

Entretanto, por ser alheio à sensibilidade religiosa maometana, o periódico fora brutalmente retaliado. Conforme o Ministério Público de Paris, o atentado culminou na morte de 10 jornalistas e dois policiais, e, ainda, causou 24 feridos, entre graves e leves.

Pois bem. Aos olhos do receptor, a opinião emitida pode não ser elegante (ou, em oportuno galicismo, opinion désagréable). Contudo, convém registrar sobre a manifestação de pensamento: mais que direito à fala – é direito à crítica.

“Artigo 19. Todo ser humano tem direito à liberdade de opinião e expressão; este direito inclui a liberdade de, sem interferência, ter opiniões e de procurar, receber e transmitir informações e ideias por quaisquer meios e independentemente de fronteiras.” É, de forma certeira, a Declaração Universal dos Direitos do Homem.

Uma ordem mundial que se busca pacífica, portanto, depende de concordância prática. É, ao menos, tentar, com bom senso, entender Millôr Fernandes: “Todo homem tem o sagrado direito de torcer pelo Vasco na arquibancada do Flamengo”.

ALEXSANDER GODOY é advogado e membro das Comissões de Cultura e Responsabilidade Social e de Propriedade Intelectual e Direito Autoral da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB/MT)

2 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Conceito. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Conceito poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Juquinha
    23 Jan 2015 às 08:34

    Falou muito, mas não disse nada.

  • Edivaldo Mauricio Semensato
    22 Jan 2015 às 15:18

    Meu direito vai até onde começa o direito de meu próximo. Fácil de entender, apesar de respeitar opiniões diferentes da minha, creio que, o direito de expressão tem um limite sim, o dever do respeito ao direito de expressão alheia. Não se justifica matar, porém, é necessário provocar? e convenhamos, para fazer bonito ou obter lucros?

Redes Sociais

Sitevip Internet