Olhar Conceito

Terça-feira, 25 de junho de 2024

Colunas

Estar de dieta ou viver de dieta: tem diferença?

Arquivo Pessoal

Dieta da lua, dieta do tipo sanguíneo, dieta da fruta, dieta detox e mais inúmeras dietas da moda vão surgir e fazer você tentar novamente! Tentar o corpo dos sonhos, o corpo para o verão, para o casamento, para formatura e para quem mais quiser ver! Talvez até para impressionar alguém, mas geralmente para 94% das pessoas que fazem esse tipo de dieta a retomada do peso ocorre.

Quando você se depara com essa situação existem apenas dois caminhos: o de aguardar uma nova dieta ou o de mudar radicalmente hábitos inadequados e iniciar um programa de mudança do estilo de vida. A primeira opção é a mais fácil, porém você será integrante do grupo do efeito sanfona! Conhece? A segunda opção é realmente a mais espinhosa, a que demanda mais persistência e disciplina, mas te proporcionará uma perda mais saudável e duradoura. A opção da qualidade alimentar e da mudança de hábitos. Isso é sólido e eficaz.

ESTAR em dieta gera um estresse metabólico e bioquímico que envelhece, faz com que os hormônios se desregulem, que o corpo adquira ferramentas extras para a manutenção de energia e acúmulo de gordura; proporciona a perda daquela massa muscular que você se sacrificou tanto para conseguir, ou não! Quem faz dietas é escravo do efeito sanfona. O corpo das dietas é lento. Trabalha sempre com menos da metade da sua capacidade pois ele não sabe o que vem pela frente!

VIVER em dieta é algo absolutamente oposto. Viver em dieta é saber manter um estilo de vida saudável sem deixar de comer o que gosta. É ter limites. Cortar açúcar, gorduras saturadas, carboidratos refinados, fazer atividade física por entender que é importante e não por obrigação ou pelo tempo que dieta “X” durar. É comer pensando no alimento como remédio e não comer para acabar com as frustrações. Quem vive em dieta cuida do seu corpo, não deixa de comer o que gosta, e esse é um diferencial importante. Agir com MODERAÇÃO.

Como começar? Busque pelo menos uma mudança diária! Escolha uma esquipe para te auxiliar. No início você vai precisar que alguém te aponte o caminho. Introduza mudanças na sua casa e divida com a família a responsabilidade dessa reestruturação! Faça uma lista de mudanças possíveis e as execute aos poucos. Não precisa ser doloroso para dar certo. Precisa ser constante!

Evite tudo que é tentador em casa, pelo menos no início. Aos poucos o que era impossível de viver sem, já vai ser melhor tolerado. Se permita em pequenas quantidades em determinados momentos. Siga uma dieta personalizada, respeitando a individualidade bioquímica. Uma dieta pensada com você e para você. Escolha uma atividade física que te dê mais prazer (não vale dizer que não tem!). Inicie 3 vezes na semana e aumente de maneira gradativa! Faça exames regulares e cuide do seu bem-estar emocional. Isso é duradouro!

Você é seu maior inimigo. Se você não acredita que é capaz eu te digo que você é o único capaz de provocar essa mudança! Agora me diga: Você começa quando?

--

*Laryssa Alves Corrêa é médica da clínica Tez Estética, Pós graduada em nutrologia e nutrição clínica. Escreve semanalmente para o Olhar Conceito, aos sábados.


Comentários no Facebook

Sitevip Internet