Olhar Conceito

Sexta-feira, 22 de outubro de 2021

Notícias / Cinema

lançamento

Documentário ‘Tipos’ traz histórias de gente que contribuiu com MT e vai chegar a cinemas e escolas

Da Redação - Ronaldo Pacheco

19 Ago 2017 - 08:42

Foto: José Medeiros/Gcom

Documentário ‘Tipos’ traz histórias de gente que contribuiu com MT e vai chegar a cinemas e escolas
Sentilmental e profundo. Quaisquer adjetivos soam como lugar comum para definir o documentário Tipos Mato-Grossenses, produzido pelo Gabinete de Comunicação do Governo de Mato Grosso, lançado na noite desta sexta-feira (18), no Cine Teatro Cuiabá. Muitos dos cerca de 400 presentes foram às lágrimas, com altos soluços, principalmente amigos e familiares, durante a exibição de cada trecho.
 
“O projeto é para reconhecer, em vida, a contribuição dessas pessoas, lideranças populares, porque o Estado vivem dos que vivem nele. E muitos viveram para o Estado”, explicou o secretário de Comunicação, jornalista Kleber Lima, anfitrião do evento, durante o lançamento.
 
Kleber Lima anunciou que, dentro de poucos dias, o documentário Tipos Mato-Grossenses será apresentado nas salas dos cinemas comerciais de shoppings da Grande Cuiabá. Na sequência, serão levados para as mais de 700 escolas estaduais e, também, para escolas das redes pública em municípios que requisitarem.
  
Leia Mais:
Vidas de Antônio Mulato, Bolinha, Domingas e outros se transformam em série documental lançada hoje
 

“São heróis anônimos que deram sua parcela de contribuição para que Mato Grosso seja o gigante que é. E mostra a força das mulheres mato-grossenses. Vendo o documentário do senhor Antônio Mulato [da Conceição], eu tenho orgulho de ser mato-grossense e muito mais ainda de ser negro”, enfatizou Kleber Lima.
 
“São pessoas simples que contribuíram com desenvolvimento de Mato Grosso. Muitas vezes as pessoas são homenageadas após a morte, com nome de uma rua, de uma escola ou de um prédio público”, argumentou o governador José Pedro Taques, idealizador do projeto, a partir do seu convívio no cotidiano e de campanhas eleitrais.

O primeiro nome sugerido pelo próprio Taques, inclusive, foi o líder quilombola Antônio Mulato da Conceição, 112 anos, homem mais velho do Brasil e que busca o seu lugar no Guiness Book – o Livro dos Recordes.
 
 
“Kleber Lima e Paulo Travem pensaram nas personalidades. Assim, chegamos até este momento histórico, com homenagem a pessoas que tiveram a sua vida pretérita de contribuição para o povo de nossa terra”, justificou Taques.
 
Os oito primeiros documentários contam a vida dos personagens que passaram pelo crivo da seleção inicial. O primeiro é o líder quilombola Antônio Mulato da Conceição, da Comunidade de Mata Cavalo, em Nossa Senhora do Livramento; seguido pelo médico Gabriel Novis Neves, profissional da medicina, ex-secretário de Estado de Saúde e de Educação; fundador e primeiro reitor da  Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT).
 
Também estão no documentário a professora Maria Ribeiro Dona BEM, professora e museóloga de Poconé; João Batista de Jesus, o músico João Bolinha, filho de mestre albetino e professor de música da antiga Escola Técnica Federal (ETFMT);  Rodrigues Palma, ex-prefeito de Cuiabá e ex-deputado federal constituinte – genro do ex-governador Garcia Neto e até hoje considerado o melhor da história da Capital; a baluarte da cultura popular Domingas Leonor, a popular Dona Domingos – do grupo Flor Ribeirinha; professora Sarita Baracat, primeira mulher prefeita de Várzea Grande e primeira deputada estadual; e Joabe Almeida dos Santos – o Índio Velho, ex-gari e ex-coveiro, atual prefeito de Santo Afonso.
 
Destaque para os comentaristas de cada documentário. No caso de Gabriel Novis, a análise foi do professor Alfredo da Mota Menezes, doutor em história; enquanto Sarita Baracat teve como âncora a jornalista Neila Barreto e o próprio filho Fernando Baracat. João Bolinha teve avaliação de Roberto Lucialdo; já, Dona Bem foi analisada pelo ex-secretário João Carlos Ferreira.
 
Antônio Mulato teve como âncora o professor universitário Valdir Bertúlio, da UFMT; por outro lado, Rodrigues Palma teve como analisat o seu sobrinho, empresário Carlos Antônio Borges Garcia, o Catonho, filho de Garcia Neto e dona Maria Lígia Borges Garcia.
 
O produtor Paulo Tavem anunciou que os próximos quatro documentários já têm personalidades escolhidas, mas não revelou quais. Contudo, os oito seguintes serão escolhidos pela população, em votação no site www.tiposmatogrossenses.com.br – a ser aberta nos próximos dias. “Já temos mais quatro já escolhidos. Porém, oito serão escolhidos em consulta popular em nomes disponibilizados, no site”, avisou Paulo Travem.
 
“Idealizado pelo governador Pedro Taques, o projeto prova que a maior riqueza de Mato Grosso é o ‘caldo’ cultural que temos, no Estado. Aqui tem gaúcho, paranaense, catarinense, mineiro, goiano, paulista e nordestino. Todas contribuições formaram o Estado de Mato Grosso atual”, sintetizou Kleber.

Clique aqui e confira os documentários.

(Colaborou João Oliveira - Programa Variedades)
Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Comentários no Facebook

Redes Sociais

Sitevip Internet